Posts com Tag ‘líder’

As comissões de Direitos Humanos e Minorias; e de Relações Exteriores e de Defesa Nacional; e a Frente Parlamentar pela Igualdade Racial pedirão até a próxima semana, ao presidente Michel Temer, a formação de um grupo de deputados para representar o Parlamento na Conferência Mundial da ONU contra o Racismo – Durban 2. A conferência será realizada em Genebra (Suíça), de 20 a 24 de abril, e terá o objetivo de revisar os debates da conferência realizada na cidade de Durban (África do Sul), em 2001.

A informação foi dada pelo presidente da Comissão de Direitos Humanos, deputado Luiz Couto (PT-PB), em audiência pública realizada nesta quinta-feira para discutir o assunto. A reunião foi promovida pelos dois colegiados e a .

O ministro da Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial, Edson Santos, afirmou que a presença parlamentar é fundamental no encontro. Até porque o Congresso discute temas como o Estatuto da Igualdade Racial e o projeto de lei de cotas nas universidades, já aprovado pela Câmara e em análise no Senado. “Esses temas exigem a co-responsabilidade do Parlamento brasileiro.” 

Agenda
Edson Santos espera um ambiente propício às discussões de construção de uma agenda contra o racismo, a xenofobia e a discriminação, sem retrocessos, uma vez que o tema não é consensual. Há divergências entre países, por exemplo, no que diz respeito à orientação sexual e ao conflito no Oriente Médio. “Espero que a gente tenha ambiente para o debate e, o que será um ponto positivo na agenda de revisão, a construção de indicadores dessa área”, disse.

A relatora da Conferência Mundial contra o Racismo (Durban 2001) e representante da Coordenadoria da Mulher e da Igualdade Racial, Edna Roland, também manifestou sua preocupação com a criação de um índice de desigualdade racial ou de igualdade de oportunidades, que deveria ter a mesma relevância que um índice de desenvolvimento humano. Ela disse não acreditar, no entanto, que um indicador como esse seja aprovado neste momento. 

Papel do Brasil
Os debatedores também destacaram o papel do Brasil na Conferência de Genebra. O ministro Edson Santos acredita que o País terá o papel de mediar debates, principalmente se os Estados Unidos e países da Europa não comparecerem à conferência. 

O secretário de Ações com a Sociedade e o Governo da Comunidade Bahá’i do Brasil, Iradj Roberto Eghrari, reforçou o papel do Brasil de pautar a agenda internacional na conferência da ONU. Segundo o secretário, o País tem muito a dizer, por exemplo, quanto às melhores práticas, como a criação de uma secretaria para promoção da igualdade racial.

A audiência foi realizada a pedido do deputado Luiz Couto, da deputada Janete Rocha Pietá (PT-SP) e do coordenador da Frente Parlamentar pela Igualdade Racial, deputado Carlos Santana (PT-RJ). Também participaram do debate representantes do Ministério das Relações Exteriores e de movimentos sociais.

Reportagem – Noéli Nobre
Edição – Maria Clarice Dias

Agência Câmara

     www.malvados.com.br

Malvados - Os Apóstolos

Malvados - Os Apóstolos

 

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

more about ““, posted with vodpod

by Paul Krugman

MIT Press, 1996


International Economics with the Brothers Grimm, or, Krugman Discovers Ideology

An ideology, in the classical Marxist sense of the word, is a body of thought about society, politics, economics, religion, etc., which members of a given class believe, not because there are any rational grounds for it, but because it is a reflection or “sublimate” of their way of life, and usually advances the common interests of members of the class. (When, as usual, the ideology of a dominant class is accepted by the subordinate classes, the latter suffer from “false consciousness” or “false understanding.”) To claim a doctrine is ideological is, thus, an undercutting maneuver, one which seeks to show the doctrine is unjustified, and probably but not necessarily false. (It was not until the Stalinist era that Marxists, and later others, began to speak of all general ideas, beliefs about society, etc., as ideologies.) In Pop Internationalism, a collection of his recent essays, Paul Krugman claims to have discovered an ideology in the classical sense: the doctrines of national competitiveness and globalization.These ideas are so much a part of conventional wisdom that there’s little need to explain what they are, but a brief reminder can’t hurt. Once upon a time, c. 1970, international trade grew like Jack’s bean-stalk, and became much, much bigger than it ever was before. Goods and capital now flowed freely across the globe, and some countries which opened themselves to foreign investment and thought of nothing but exports achieved spectacular growth. The old rules of classical and neo-classical economics took one look at the situation and shut all the windows in the ivory tower, because they clearly didn’t apply any more, if they ever did. Nations had now to actively compete against each other in the global market place, or stagnate, if they didn’t turn into toads, like, say, Chad. In particular, the lazy and feather-bedded workers in the rich countries had to either take lower wages and worse conditions, or find Rumpelstiltskins who’d teach them how to achieve massive productivity gains overnight, or see their jobs migrate to the poor and hard-working countries. Wise governments realized they should assist their national companies in competing with foreign rivals for the hands of the global markets, and make sure there were plenty of high-tech, high value-added jobs for their workers; indeed, some wise men called for active industrial policy and strategic trading, so that our country would win this race at the expense of all the others.

As I said, is now conventional wisdom, accepted everywhere from the Wall Street Journal to The Nation; I bought it for quite a while myself. Krugman shows it’s all hogwash, from start to finish, and not nearly so good a fairy tale as those in the Brothers Grimm. Trade, as a fraction of the world’s economies, is barely back at the level it attained in the late 1800s and early 1900s, before the Great War and the collapse of the first free trade regime: yet it was precisely in such circumstances that the original economic theory of international trade was formulated, and with special reference to Great Britain, always the most trade-dependent country, at that. (Foreign trade amounts, now, to something like 10% of America’s gross domestic product, but it was about 40% of Victorian Britain’s.) Moreover, trade is overwhelmingly between the rich countries — the average wage rate in America’s trading partners, adjusted for purchasing power, is about 90% of the US wage rate. Whatever happened to US manufacturing jobs, they were certainly not competed away by low-wage labor in Germany, Switzerland and Japan. (The most likely explanation — Krugman goes through some of the math — is that productivity in manufacturing continues to grow much faster than productivity in services, while demand for manufactured goods does not, so relatively fewer manufacturing workers are needed to supply that demand, and the surplus go into services; this accounts for why the same pattern is observed in the main US trading partners, as well. Krugman notes that the US labor movement having basically collapsed has something to do with this, too.) East Asian countries oriented towards exports have achieved massive rates of growth: but Krugman shows this can be accounted for by mobilization of resources (invest in infrastructure, train your labor force, get people out of subsistence farming and into cities and factories, etc.), with a very small residual, if any, to be explained by other factors (implying, among other things, that those growth rates cannot continue indefinitely, or be matched by countries which are already highly developed). It’s impossible for a country toreceive net foreign investment and run a trade surplus at the same time. It is simply not true that nations are in competition: companies are, but what is good for General Motors is not necessarily good for America, and the standard accounts of mutual gains from trade are demonstrably correct, or at least very nearly so.

And so on, and so on: essentially nothing in the conventional globalization-and-competitiveness stories is true. Given that this is so — and that, as Krugman shows, the people pushing globalization find it necessary to resort to hallucinatory statistics and even arithmetic errors to support it — the question naturally arises, where did such bad ideas come from, and why are they so well-entrenched?

Krugman identifies a number of purely intellectual sources of error at work here — mathematical illiteracy (John McCarthy is too generous; it is those who refuse to do algebra, not just arithmetic, who are doomed to talk nonsense); the incompetence of the economic profession in teaching and popular exposition (“What Do Undergrads Need to Know about Trade?”); the allure of the fallacy of composition (if one person getting a 10% raise has a 10% rise in income, surely everyone’s income must go up by 10% if we all get a 10% raise?); the desire to possess profound knowledge without profound effort in thinking. Others are rhetorical or stylistic: the competitiveness story sounds realistic and hard-headed, while gains-from-trade sounds abstract and nearly utopian; English-speaking countries have a century-long tradition of looking-with-alarm on the latest rapidly growing planned economy in the East. The most important causes, however, are social.

Nobody now in business remembers the old, pre-WWI free trade regime, so the current levels of trade look unprecedented, and are certainly not what was expected back when they were in business school. Companies must compete for markets and profits, often enough against foreign companies: those in business, and those who take their cues from them (that is to say, most of the political nation) generalize from this experience, and think that countries are like oversize corporations, and likewise engaged in competition, in zero-sum games. This is convenient for them to believe, since it not only justifies their positions and rewards — they’re the people who’re keeping us from winding up like Liberia, after all — but is also wonderfully handy for putting the screws to workers, dependent companies, governments, and even the executives themselves. It also gives governments a justification for implementing policies which are desired on other grounds (generally, something or other in favor of large corporations at the expense of the rest of the body politic), and Krugman provides a number of examples of the practice. As for the news media and lesser organs of opinion, ignoring for a moment the fact that they’re largely owned by large and diversified companies, and saying nothing of outright bribery and intellectual prostitution, competitiveness is a simple, readily understood story, easily tied to all manner of economic developments, and is more or less without vocal opposition. Some liberals favor the story because it can be twisted to provide a justification for things they want anyway, like industrial policy. (Krugman does not consider why belief in globalization is almost universal among my fellow leftists; the word “hegemony” comes uncomfortably to my mind.) A better instance of a contemporary ideology could hardly be asked for.

Krugman does not say that his critique of globalization uses the Marxist conception of ideology, or indeed any notion of ideology at all. Whether this is out of prudence (unlikely, considering the author), a failure to realize the source of the notion, or a lack of interest, I couldn’t say. In any case, he is quite successful in not only debunking the ideas of globalization and competitiveness, at least in anything like their usual form, but in discrediting their advocates as well. As usual, Krugman’s writing is excellent — in his own way, he’s as good a writer as Galbraith, though a much better technical economist — and his polemical force would have given those old bruisers Marx and Engels pause. Considering how large these issues have loomed recently (e.g., the American debate on NAFTA — a fine essay here shows it to be irrelevant to the US economically, but important as a foreign policy), this book would be worthwhile to any voter who prefers knowledge to plausible ignorance. It is, however, of particular interest to specialists in both recent socio-economic transitions, and in contemporary ideologies.


Disclaimer: Prof. Krugman was kind enough to look over this review for misrepresentations of his position, and explain that he does not consider himself a Marxist; but I have no stake, financial or otherwise, in the success of Pop Internationalism (heck, I didn’t even get a review copy).


xiv + 221 pp.; separate bibliography for each article; index. 
Debunking / Economics / Politics and Political Thought / Sociology 
Currently in print as a hardback, US$25.00, ISBN 0262112108 [buy from Powell’s], and as a paperback, US$10.00, ISBN 0262611333 [buy from Powell’s], LoC HF1359 K784

Space/Time Foam

more about ““, posted with vodpod

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Supersimetric and Unified Field Theory

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

more about ““, posted with vodpod

 

 

SÁBADO, 20 DE DEZEMBRO DE 2008

Uma entrevista com John Hagelin

Por Dennis Hughes, Share Guide Publisher   

John Hagelin, Ph.D. é uma autoridade mundial sobre os fundamentos da consciência humana. Sob a orientação de Maharishi Mahesh Yogi, ele tem dado grandes contribuições na reformulação sistemática da antiga ciência Vêdica da consciência. Perito na teoria do Campo Quântico Unificado, a contribuição científica do Dr. Hagelin no campo das partículas físicas e cosmologia inclui alguns dos mais citados trabalhos em Física.

Ele é o co-desenvolvedor daquilo que é agora considerado a principal candidata a Teoria do Campo Unificado, e dedica-se a aplicar as últimas descobertas científicas acerca da compreensão das leis naturais para o benefício individual e da sociedade. Em 1992, Dr. Hagelin aceitou ser presidente do recentemente formado Partido da Lei Natural (Natural Law Party). Sob a sua liderança, o partido se tornou o primeiro “partido alternativo” a alcançar “status” de partido nacional na Comissão Eleitoral Federal e ter seu candidato presidencial qualificado igualmente aos fundos federais

The Share Guide: Nós todos sabemos que o mundo está num estado frágil hoje, em muitos níveis. Que passos nós podemos dar como indivíduos para promover a saúde de nosso planeta?

Dr. John Hagelin: O impacto de nossas ações, individualmente e coletivamente, é inconcebivelmente vasto. Nós todos podemos apreciar, em alguma extensão, o impacto ambiental do comportamento poluidor. Mas, baseado naquilo que sabemos sobre o universe, o verdadeiro impacto de nossas ações é amplo demais. Por exemplo, a teoria do caos estabelece que nossos muitos minutes de ação podem ter incalculavelmente largos efeitos. Isso coloca uma grande carga de responsabilidade em todos. Exercitar a consideração do senso comum e tomar cuidados com nosso ambiente é um bom começo. Mas se nós realmente queremos proteger nosso planeta contra os efeitos negatives do comportamento humano, devemos fazer nosso pensamento e ação, espontaneamente, ficar de acordo com a Lei Natural. Devemos alinhar nosso comportamento com a Inteligência Universal que governa o universo e sustenta milhões de espécies na Terra. Felizmente, é natural um comportamento espontâneo alimentador da vida, a fisiologia do cérebro humano dificilmente etá conectada à experiência da Iluminação (os os mais elevados estados da consciência em que nós diretamente experimentamos e nos tornamos conectados com a Inteligência Cósmica, ou Campo Unificado na terminologia da física moderna. O desenvolvimento de nosso potencial cerebral total e a resultante expansão da compreensão humana como Ser Universal, devem ser o alvo da Educação hoje.

The Share Guide: Campo Unificado é outro termo para a Consciência Cósmica?

Dr. John Hagelin: O Campo Unificado é o mais profundo nível da realidade física descoberto pela Ciência. É um campo universal de inteligência da Natureza que governa o vasto universo em perfeita ordem. Consciência Cósmica é o estado de Iluminação, um estado de consciência humana em que a mente individual experimenta (e se identifica com) a inteligência universal. Nesse estado, o ego individual expande-se para se tornar o Cosmos. Todos os indivíduos são indivíduos Cósmicos e suas ações são suportadas espontaneamente por toda a vida.

The Share Guide: Estou interessado na conexão entre a meditação individual e o Campo Unificado. Como isso se dá, em relação com a prática de meditação diária? E como isso se transforma em criação de paz no mundo?

Dr. John Hagelin: A conexão é simples. Durante a meditação, a consciência rapidamente se expande para uma experiência de consciência universal (o Campo Unificado). A consciência individual se identifica temporariamente com a consciência universal no mais simples estado de consciência, o estado que os fisiologistas chamam “pura consciência”. Entretanto, nem todas as técnicas de meditação atingem essa experiência de pura consciência. Minhas observações foram com práticas de meditação que facilitam esta experiência fundamental de uma maneira eficaz e eficiente. Entre essas práticas está a Meditação Transcendental (MT) desenvolvida por Maharishi Mahesh Yogi, extensivamente procurada e amplamente praticada. Ela é segura, altamente eficaz e universal; funciona para pessoas de todas as convicções religiosas e culturais.

The Share Guide: Na palestra que você deu ano passado em São Francisco, você disse que “grupos de meditação agora são uma tecnologia comprovada para a paz, ao mesmo tempo em que nossa tecnologia de armamento pode assegurar a destruição”. Por favor explique!

Dr. Hagelin:

Mais de 50 estudos, publicados nos mais apreciados jornais científicos, têm demonstrado repetidamente que grupos de meditação podem vencer a violência e a guerra, em áreas de conflito. Neutraliza as tensões religiosas, étnicas e políticas em seu início, que são o combustível social do conflito. Já é demonstrado que previne o terrorismo global e reduz o crime, a violência doméstica e todas as negatividades nascidas do estresse social agudo.

The Share Guide: Muitos de nós entendemos que a meditação desenvolve nossa invencibilidade natural às idas e vindas de nossa vida diária. Mas desse estado de calma, como funciona o “princípio da proporcionalidade” do grupo de meditação?

Dr. Hagelin:

Quando dois alto-falantes próximos emitem o mesmo som, estas ondas sonoras se somam construtivamente. Eles produzem um volume equivalente a quatro alto-falantes (o quadrado do número de alto-falantes que são dois). Este é um princípio universal de comportamento de onda. Quando uma ondulação no Campo Unificado é gerada por indivíduos em proximidade física íntima, o poder das ondas combinadas deles/delas cresce como o quadrado do número de indivíduos. Isto é o que a pesquisa confirma. Por causa disto, grupos relativamente pequenos podem ter um impacto social enorme. Realmente, 8,000 indivíduos meditando juntos por períodos extensos podem transformar eventos mundiais. Isto tem sido rigorosamente demonstrado.

The Share Guide: Eu sei que você está trabalhando em um plano para colocar isto em ação. Por favor discuta o programa em que milhares de pandits vão meditar durante o ano todo na Índia!

Dr. Hagelin: 8.000 especialistas em meditação, em dedicação exclusiva, podem mudar o destino de civilização. Isto tem sido amplamente demonstrado. Estamos aumentando o número para 40.000 apenas por um fator de segurança.Um pandit védico é um meditador que, além de sua prática de Meditação Transcendental pratica o Vôo Iogue, práticas avançadas de promoção da paz que são tecnologias avançadas da antiga sabedoria Vêdica conhecidas como Yagyas. Estes Yagyas reforçam o impacto da paz mundial obtida pela meditação. Tenho levantado fundos para estabelecer esse grupo permanente de 8.000 a 40.000 de meditadores profissionais, em dedicação exclusiva, na Índia, onde é muito rentável. Obtivemos cerca de US$ 90 milhões, que é suficiente para sustentar quase 8.000 pessoas. Uma vez conseguindo reunir e treinar esse grupo, prevejo que vislumbraremos um mundo totalmente novo. Espero consegui-lo até Primavera de 2003. Rezo para que América e o mundo possam evitar qualquer confronto desastroso até lá.

The Share Guide: O que é o Vôo Iogue?

Dr. Hagelin: É uma técnica avançada de Meditação Transcendental derivado do Yoga Sutra de Patañjali. Durante a prática, o corpo, involuntariamente, começa a saltar, a partir da posição de lótus, num esforço espontâneo para voar. Historicamente, essa prática tem sustentação na habilidade corporal de flutuar e voar. É praticada hoje porque pesquisas demonstram que essa é a mais poderosa técnica de redução do estresse e conflito social. É uma tecnologia para a paz mundial.

The Share Guide: O que você quer dizer quando diz que a meditação é um quarto estado da consciência, distinto dos três estados conhecidos: vigília, sonho e sono? E, por favor, fale sobre o quinto estado, consciência transcendental ou iluminação!

Dr. Hagelin: Pura Consciência, a experiência direta do Campo Unificado, é um quarto estado de consciência, fisiologicamente e subjetivamente diferente da vigília, sonho e sono. Essa descoberto e publicado pela primeira vez em 1970, por Robert Keith Wallace e colaboradores. Mas, em primeiro lugar, essa experiência é um estado temporário. Com a prática regular de meditação, a experiência de consciência universal se torna permanentemente estabelecida, de forma que a percebemos durante a vigília, o sonho e o sono. Isso, então, constitui um quinto estado da consciência humana, tradicionalmente conhecido como Iluminação. Neste estado de 24 horas de felicidade, todas as ações estão em plena sintonia com a Lei Natural, que espontaneamente dá suporte à vida.

The Share Guide: Muitas pessoas são céticas quanto ao conceito de que grupos de meditação têm um efeito na paz mundial, e podem não aceitar os estudos citados em sua lista de pesquisas. Como você responde a esse ceticismo?

Dr. Hagelin: Não se trata de mera opinião. O método científico possui métodos incontestáveis de estabelecer fatos científicos, através de rigorosa experimentação. A eficácia de grupos de meditação em reduzir o crime e a guerra tem sido extensivamente estudado e rigorosamente estabelecido, mais do que qualquer fenômeno na história da ciência social. É um fato científico; não existe nenhum espaço para argumentação!

The Share Guide: Como nós percebemos, quando meditando, que não estamos conectados com nosso Self e sim com a Consciência Cósmica?

Dr. Hagelin: A experiência de Pura Consciência é auto-evidente e óbvia. Tal como acontece quando você desperta e sabe que está acordado. Se você não está absolutamente certo que você está acordado, existem chances de você estar sonhando. Da mesma forma, se você não tiver certeza de que está experimentando a Pura e Ilimitada Consciência, você provavelmente não a estará. Pode ser o momento de tentar um sistema mais eficaz de meditação.

The Share Guide: Você recomenda o conceito de “por entre parênteses” na sua atividade diária períodos de meditação de manhã e à noite. Isso lhe permite relaxar na sua natureza eterna por meio da meditação e desempenhar ações em todo o mundo deste ponto vantajoso.

Dr. Hagelin: Sim, é uma rotina maravilhosa. A experiência regular da Pura Consciência é necessária para estabilizá-la, através disso, alcançar a Iluminação.

The Share Guide: Você tem sido candidato presidencial. No livro ‘Uma Razão para Votar’, você é totalmente otimista quando declara que o maior épico da historia Americana será ‘a história de um povo que exigiu de seu governo, e de seu país, a partir de um ponto bem estabelecido, uma auto-serviência da oligarquia político industrial e de seus patrocinadores corporativos que, acima de tudo, procuram preservar seus status quo. Você também declara que essa é a ‘história de um povo que retorna a seu país pelos princípios da Lei Natural sobre a qual foi fundado’. Mas muitos de nós, onde quer que olhemos, vemos que nossos líderes agem fora da Lei Natural. Como nós, como indivíduos, podemos mudar a maré dos atuais acontecimentos que conduzem à degradação social e ambiental?

Dr. Hagelin: Infelizmente, como nação, tendemos a ter o governo que merecemos. É justamente o karma, especialmente numa democracia, onde nós é que elegemos o governo. Por isso, não podemos esperar um governo melhor a menos e até que despertemos as massas. É nisso que eu estou pessoalmente focalizado hoje, sobre o aumento da consciência coletiva da nação e do mundo. Isto pode soar como uma tarefa impossível, mas é mais fácil do que parece. Não é realmente necessário esclarecer a todos, ou mesmo alcançar a todos. Podemos alçar nosso poder, por intermédio daqueles que estejam acordados, podendo exercer uma influência desproporcional sobre a sociedade. Este é o poder da meditação coletiva. Grupos com experiência no Campo Unificado, de nossa realidade cósmica comum, potentemente estimulam este campo universal e têm um profundo efeito sobre o despertar de todos. Ele criam indomáveis ondas de positividade e paz. Cada grupo de meditação, repetidamente, demostrou reprimir a violência social e até mesmo a guerra aberta em áreas de conflito, como o Oriente Médio. Para mais informação sobre isto, vocês podem ler o excelente livro ‘Paz Permanente’ (Permanent Peace) de Robert M. Oates ou visitar o seu site http://www.createpermanentpeace.com.

The Share Guide: Você disse, em sua palestra de São Francisco, que nós devemos exercitar nossa Criatividade Cultural em nossa influência política. Para isso teremos que, na esfera política, aderir a um partido alternativo como o Partido Verde ou o Partido da Lei Natural, em vez de tentar reconstruir o Partido Democrático. O livro ‘Destruindo o Partido’, de Ralph Nader, mostra o quanto as probabilidades estão amontoadas contra esses partidos, mas eu tenho ouvido você dizer repetidamente que ‘os partidos alternativos empurram a nação para novas direções’. Você poderia cuidadosamente elaborar isso?

Dr. Hagelin: Noventa por cento de todas as idéias que nós gostamos em nossa democracia, originalmente, vieram de partidos alternativos. Esses partidos têm um poder que é desproporcional ao seus tamanhos. O Partido Democrático, durante décadas de liderança na Casa branca e no Senado, tem demonstrado a sua fidelidade a interesses particulares. Hoje, é demonstrado sua impotência em face a um Partido Republicano que intimida pela guerra. Mas a militância política sem uma profunda transformação em nossa consciência nacional, é também insuficiente para efetuar mudanças substanciais. Nós necessitamos mirar para a causa base da inércia e corrupção na política. Temos que elevar a consciência coletiva da nação.

The Share Guide: Existem outros partidos alternatives sérios além do Partido Verde e do Partido da Lei Natural? E o Partido Libertário e o Partido Reformista?

Dr. Hagelin: Esses partidos têm idéias que merecem ser ouvidas. De todos esses partidos, entretanto, o Partido da Lei Natural tem a mais completa e abrangente plataforma de estudos e soluções sustentáveis em harmonia com a Lei Natural,acrescido de um elenco de ativistas dedicados verdadeiramente maravilhoso. (Para mais informações visite http://www.naturallaw.org)

The Share Guide: Quais são suas sugestões de referência (livros e websites) e como nós podemos ficar informados do atual trabalho de meditação em grupo?

Dr. Hagelin: Meu livro, Manual for a Perfect Government, é conciso e ainda suficientemente compreensível. Recomendo um exame minucioso do Projeto para a Perpétua Paz Mundial, no website http://www.maharishi.invincibledefence.org. E, como mencionado antes, recomendo o livro Permanent Peace em http://www.createpermanentpeace.com.

Veja também dois vídeos selecionados de John Hagelin.

From Wikipedia, the free encyclopedia 

The MIT Center for Collective Intelligence[1] (CCI) is a research center at the Massachusetts Institute of Technology, headed by Professor Thomas W. Malone that focuses on the study of collective intelligence.

The Center for Collective Intelligence brings together faculty from across MIT to conduct research on how new communications technologies are changing they way people work together. It involves people form many diverse organizations across MIT including; the MIT Media Lab, theMIT Computer Science and Artificial Intelligence Laboratory, the Department of Brain and Cognitive Sciences, and the MIT Sloan School of Management.

History and mission

CCI was founded in 2006 by professor Thomas W. Malone. To a great extent, this is a continuation of the research Malone and his colleagues have conducted at the Center for Coordination Science[2], as well as within initiatives such as “Inventing the Organizations of the 21st Century”.

The center’s mission is to find novel answers to one basic research motif: “How can people and computers be connected so that—collectively—they act more intelligently than any individuals, groups, or computers have ever done before?'”

In order to answer this question, the researchers conduct three types of research:

  1. Collecting examples and case studies of collective intelligence applications.
  2. Creating new examples and tools that harness the collective intelligence of people
  3. systematic studies and experiments

Finally, they also work on developing theories to explain the phenomena of collective-intelligence.

The center is sponsored by several corporates and non-profit organizations[3].

Check the wikipedia item for collective intelligence. 

Check MIT Collective Intelligence Website.

See also