Posts com Tag ‘democracy’

The New York Times

Noam Chomsky

O dia 21 de janeiro de 2010 será lembrado como uma data sombria na história da democracia norte-americana e seu declínio.

Naquele dia, a Suprema Corte dos EUA determinou que o governo não pode proibir as corporações de fazerem gastos políticos durante as eleições – uma decisão que afeta profundamente a política do governo, tanto interna quanto externa.

A decisão anuncia uma tomada ainda maior do sistema político dos EUA por parte do setor corporativo.

Para os editores do The New York Times, a decisão “atinge o coração da democracia” ao “abrir caminho para que as corporações usem seus vastos tesouros para dominar as eleições e intimidar as autoridades eleitas a cumprirem suas ordens”.

  • Fachada do prédio da Suprema Corte norte-americana, em Washington (EUA), de onde saiu a decisão sobre o financiamento de campanhas eleitorais por corporações dos mais variados tipos

O tribunal ficou dividida, 5 a 4, com os quatro juízes reacionários (equivocadamente chamados de “conservadores”) recebendo o apoio do juiz Anthony M. Kennedy. O juiz chefe John G. Roberts Jr. selecionou um caso que poderia facilmente ter sido resolvido em esferas mais baixas e manobrou o tribunal, usando-o para empurrar uma decisão de amplo alcance que derruba um século de precedentes que restringiam as contribuições corporativas às campanhas federais.

Agora os gerentes corporativos podem de fato comprar as eleições diretamente, evitando meios indiretos mais complexos. É bem sabido o fato de que as contribuições corporativas, às vezes reempacotadas de formas complexas, podem influenciar em peso as eleições, direcionando assim a política. O tribunal simplesmente deu muito mais poder ao pequeno setor da população que domina a economia.

A “teoria do investimento na política” do economista político Thomas Ferguson faz um prognóstico muito eficaz da política do governo durante longos períodos. A teoria interpreta as eleições como ocasiões nas quais segmentos de poder do setor privado se unem para investir com o objetivo de controlar o Estado.

A decisão de 21 de janeiro apenas reforça os meios para minar a democracia em funcionamento.

O pano de fundo é esclarecedor. Em seu argumento contrário, o juiz John Paul Stevens reconheceu que “há muito sustentamos que as corporações estão cobertas pela Primeira Emenda” – a garantia constitucional para a liberdade de discurso, que incluiria o apoio aos candidatos políticos.

No começo do século 20, teóricos de direito e tribunais implementaram a decisão do tribunal de 1886 de que as corporações – essas “entidades legais coletivistas” – têm os mesmos direitos que as pessoas de carne e osso.

Este ataque contra o liberalismo clássico foi duramente condenado por um tipo de conservadores que está desaparecendo. Christopher G. Tiedeman descreveu o princípio como uma “ameaça à liberdade do indivíduo, e à estabilidade dos Estados norte-americanos enquanto governos populares”.

Morton Horwitz escreve em sua história legal que o conceito de “pessoa” corporativa evoluiu lado a lado com a mudança de poder dos acionistas para os gerentes, e finalmente para a doutrina de que “os poderes do quadro de diretores (…) são idênticos aos poderes da corporação”. Anos depois os direitos corporativos foram expandidos bem além dessas pessoas, principalmente pelos equivocadamente denominados “acordos de comércio livre”. Por esses acordos, por exemplo, se a General Motors estabelece uma fábrica no México, ela pode pedir para se tratada da mesma forma que as empresas mexicanas (“tratamento nacional”) – bem diferente de um mexicano de carne e osso que busca “tratamento nacional” em Nova York, ou mesmo os direitos humanos mínimos.

Há um século, Woodrow Wilson, na época um acadêmico, descreveu uns Estados Unidos em que “grupos comparativamente pequenos de homens”, gerentes corporativos, “exercem o poder e controlam a riqueza e os negócios do país”, tornando-se “rivais do próprio governo”.

Na realidade, esses “pequenos grupos” se tornaram cada vez mais os mestres do governo. O tribunal de Roberts deu a eles um alcance ainda maior.

A decisão de 21 de janeiro veio três dias depois de outra vitória da riqueza e do poder: a eleição do candidato republicano Scott Brown para substituir o finado senador Edward M. Kennedy, o “leão liberal” de Massachusetts. A eleição de Brown foi retratada como uma “virada populista” contra as elites liberais que comandam o governo.

Os dados da votação revelam uma história diferente.

Altos índices de participação nos subúrbios ricos, e baixos em áreas urbanas em grande parte democratas, ajudaram a eleger Brown. “50% dos eleitores republicanos disseram que estavam ‘muito interessados’ na eleição”. Informou a pesquisa do The Wall Street Journal/NBC, “comparado a 38% dos democratas”.

Então os resultados foram de fato uma virada contra as políticas do presidente Obama: para os ricos, ele não estava fazendo o suficiente para deixá-los mais ricos, enquanto que para os setores pobres, ele estava fazendo demais para atingir esse fim.
A irritação popular é bastante compreensível, dado que os bancos estão prosperando, graças à ajuda do governo, enquanto o desemprego aumentou para 10%.

Nas fábricas, uma em cada seis pessoas está sem trabalho – desemprego nos níveis da Grande Depressão. Com a financialização crescente da economia e o esvaziamento da indústria produtiva, as perspectivas são não trazem esperanças de recuperação dos empregos que foram perdidos.

Brown apresentou a si mesmo como o 41º voto contra o sistema de saúde – ou seja, o voto que poderia acabar com a maioria no Senado dos EUA.

É verdade que o programa de saúde de Obama foi um fator importante na eleição de Massachusetts. As manchetes estão corretas ao dizer que o público está se voltando contra o programa.

Os números da pesquisa explicam porquê: o projeto de lei não vai longe o suficiente. A pesquisa do The Wall Street Journal/NBC descobriu que a maioria dos eleitores desaprova a forma como tanto Obama quanto os Republicanos estão lidando com o sistema de saúde.
Esses números se alinham com as recentes pesquisas nacionais. A opção do sistema público foi apoiada por 56% dos entrevistados, e a adesão ao Medicare aos 55 anos por 64%; ambos os programas foram abandonados.

Oitenta e cinco por cento acreditam que o governo deveria ter o direito de negociar os preços dos medicamentos, como acontece em outros países; Obama garantiu à indústria farmacêutica que não perseguirá esta opção.

Grandes maiorias apoiam o corte de custos, o que faz bastante sentido: os custos per capita dos EUA com a saúde são cerca de duas vezes maiores que os dos países industrializados, e os resultados da saúde são de má qualidade.

Mas o corte de custos não pode ser seriamente empreendido enquanto as companhias farmacêuticas são agraciadas, e o sistema de saúde está nas mãos de seguradoras praticamente desreguladas – um sistema caro peculiar aos EUA.

A decisão de 21 de janeiro levanta novas barreiras significativas para superar a séria crise do sistema de saúde, ou para lidar com assuntos críticos como as ameaçadoras crises do meio ambiente e da energia. O hiato entre a opinião pública e a política pública cresce cada vez mais. E o prejuízo para a democracia norte-americana dificilmente pode ser superestimado.

Tradução: Eloise De Vylder

Video de 4 horas, muito bacana da BBC4 (um bocado antigo) que mostra um pouco da psicanálise de massas desde o início do século e sua aplicação pelo Estado americano no pós-guerra. Mind control. Freud. Psicanálise. Ego. Strange forces. Muito bom.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

more about “The Story of the Self – 1/4“, posted with vodpod
 Eric Auchard

ericauchard1– Eric Auchard is a Reuters columnist. The opinions expressed are his own –

Once in a while a good computer security scare comes along that has all the makings of a taut Cold War spy thriller and the latest news of a global computer espionage ring is one such story.

A new report entitled “Tracking GhostNet: Investigating a Cyber Espionage Network,” argues that poorly defended computers used by government and private organizations in 103 nations may have been violated. The study has attracted widespread media attention after a New York Times story about it at the weekend.

The study by a group of activist researchers based in Toronto called “Information Warfare Monitor” says computers in various foreign ministries, embassies and Taiwanese trade groups have been pilfered by computers located at a Chinese government intelligence center on the island of Hainan. A computer in the private offices of the Dalai Lama was infected and e-mail lists and negotiating documents were stolen using a virus that “phoned home” to its controller, it alleges.

Data retrieved in the attacks appears to have been used to rein in Tibetan critics of China. But the report has trouble pinning the theft of computer secrets back to the Chinese government. It is also unclear how much information of value was gathered, outside a handful of instances. It conflates evidence of sniffing with acts of actual snooping.

A spokesman for China’s Foreign Ministry has dismissed the report’s claims as rumor and said his government was committed to protecting Internet security. “There’s a ghost abroad called the Cold War and a virus called the China threat,” ministry spokesman Qin Gang told a news conference.

In fairness, the researchers acknowledge up front that its findings raise more questions than answers and that it is “not clear whether the attacker(s) really knew what they had penetrated, or if the information was ever exploited for commercial or intelligence value.” It says that proving who is responsible for cyber attacks remains a major challenge — what experts refer to as the “attribution problem.”

The report was conducted at the request of the office of the Dalai Lama and Tibetan exile organizations, who have long accused the Chinese government of using cyber war to disrupt their activities. It describes the sophisticated techniques used to infiltrate the computers of the offices of the Tibetan government-in-exile. But the connections it draws to a wider global spy ring are sketchy. Some of the break-ins may be explained by shoddy computer maintenance.

In cyberliterature, the bad guys, typically unknown, break into vital government, military, banking or political organizations and cause immeasurable damage or steal uncounted billions of dollars. Throw in contemporary geopolitical rivalries and references to the latest techno-jargon and the formula is more or less complete.

To be sure, international computer security experts have seen the hand of Chinese hackers in growing number of computer intrusions around the world in recent years. The global scale combined with the sophisticated targeting of specific computers by GhostNet make most efforts at wiretapping government opponents scrawny by comparison.

But China is not alone among major world governments in viewing cyber warfare as a tenet of national security. To an unknown degree, for example, the United States, Israel and Britain snoop not just on their enemies but also their critics.

The problem with much of the writing about computer security is that it conflates basic issues of computer hygiene with diabolical threats to society or the economy. In the virtual world, teenage vandalism of web sites blurs into acts of terror. Police and government officials don’t help by painting the Internet’s inherent tension between openness and security as a danger to public safety.