Posts com Tag ‘collective intelligence’

 Eric Auchard

ericauchard1– Eric Auchard is a Reuters columnist. The opinions expressed are his own –

Once in a while a good computer security scare comes along that has all the makings of a taut Cold War spy thriller and the latest news of a global computer espionage ring is one such story.

A new report entitled “Tracking GhostNet: Investigating a Cyber Espionage Network,” argues that poorly defended computers used by government and private organizations in 103 nations may have been violated. The study has attracted widespread media attention after a New York Times story about it at the weekend.

The study by a group of activist researchers based in Toronto called “Information Warfare Monitor” says computers in various foreign ministries, embassies and Taiwanese trade groups have been pilfered by computers located at a Chinese government intelligence center on the island of Hainan. A computer in the private offices of the Dalai Lama was infected and e-mail lists and negotiating documents were stolen using a virus that “phoned home” to its controller, it alleges.

Data retrieved in the attacks appears to have been used to rein in Tibetan critics of China. But the report has trouble pinning the theft of computer secrets back to the Chinese government. It is also unclear how much information of value was gathered, outside a handful of instances. It conflates evidence of sniffing with acts of actual snooping.

A spokesman for China’s Foreign Ministry has dismissed the report’s claims as rumor and said his government was committed to protecting Internet security. “There’s a ghost abroad called the Cold War and a virus called the China threat,” ministry spokesman Qin Gang told a news conference.

In fairness, the researchers acknowledge up front that its findings raise more questions than answers and that it is “not clear whether the attacker(s) really knew what they had penetrated, or if the information was ever exploited for commercial or intelligence value.” It says that proving who is responsible for cyber attacks remains a major challenge — what experts refer to as the “attribution problem.”

The report was conducted at the request of the office of the Dalai Lama and Tibetan exile organizations, who have long accused the Chinese government of using cyber war to disrupt their activities. It describes the sophisticated techniques used to infiltrate the computers of the offices of the Tibetan government-in-exile. But the connections it draws to a wider global spy ring are sketchy. Some of the break-ins may be explained by shoddy computer maintenance.

In cyberliterature, the bad guys, typically unknown, break into vital government, military, banking or political organizations and cause immeasurable damage or steal uncounted billions of dollars. Throw in contemporary geopolitical rivalries and references to the latest techno-jargon and the formula is more or less complete.

To be sure, international computer security experts have seen the hand of Chinese hackers in growing number of computer intrusions around the world in recent years. The global scale combined with the sophisticated targeting of specific computers by GhostNet make most efforts at wiretapping government opponents scrawny by comparison.

But China is not alone among major world governments in viewing cyber warfare as a tenet of national security. To an unknown degree, for example, the United States, Israel and Britain snoop not just on their enemies but also their critics.

The problem with much of the writing about computer security is that it conflates basic issues of computer hygiene with diabolical threats to society or the economy. In the virtual world, teenage vandalism of web sites blurs into acts of terror. Police and government officials don’t help by painting the Internet’s inherent tension between openness and security as a danger to public safety.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

more about ““, posted with vodpod

 

See further connected information here.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

more about “Collective Intelligence“, posted with vodpod

From Wikipedia, the free encyclopedia

Collective intelligence is a shared or group intelligence that emerges from the collaboration and competition of many individuals. Collective intelligence appears in a wide variety of forms of consensus decision making in bacteria, animals, humans, and computer networks. The study of collective intelligence may properly be considered a subfield of sociology, of business, of computer science, of mass communications and of mass behavior—a field that studies collective behavior from the level of quarks to the level of bacterial, plant, animal, and human societies.

The above definition has emerged from the writings of Peter Russell (1983), Tom Atlee (1993), Pierre Lévy (1994), Howard Bloom (1995), Francis Heylighen (1995), Douglas EngelbartCliff JoslynRon DemboGottfried Mayer-Kress (2003) and other theorists. Collective intelligence is referred to as Symbiotic intelligence by Norman L. Johnson.

Some figures like Tom Atlee prefer to focus on collective intelligence primarily in humans and actively work to upgrade what Howard Bloom calls “the group IQ”. Atlee feels that collective intelligence can be encouraged “to overcome ‘groupthink‘ and individualcognitive bias in order to allow a collective to cooperate on one process—while achieving enhanced intellectual performance.”

Collective intelligence (CI) can also be defined as a form of networking enabled by the rise of communications technology, namely the Internet. Web 2.0 has enabled interactivity and thus, users are able to generate their own content. Collective Intelligence draws on this to enhance the social pool of existing knowledge. Henry Jenkins, a key theorist of new media and media convergence draws on the theory that collective intelligence can be attributed to media convergence and participatory culture.[1] Collective intelligence is not merely a quantitative contribution of information from all cultures, it is also qualitative.

One CI pioneer, George Pór, defined the collective intelligence phenomenon as “the capacity of human communities to evolve towards higher order complexity and harmony, through such innovation mechanisms as differentiation and integration, competition and collaboration.”[2] Tom Atlee and George Pór state that “collective intelligence also involves achieving a single focus of attention and standard of metrics which provide an appropriate threshold of action”. Their approach is rooted in Scientific Community Metaphor.

Levy and de Kerckhove consider CI from a mass communications perspective, focusing on the ability of networked ICT’s to enhance the community knowledge pool. They suggest that these communications tools enable humans to interact and to share and collaborate with both ease and speed (Flew 2008). With the development of the Internet and its widespread use, the opportunity to contribute to community-based knowledge forums, such as Wikipedia, is greater than ever before. These computer networks give participating users the opportunity to store and to retrieve knowledge through the collective access to these databases and allow them to “harness the hive” (Raymond 1998; Herz 2005 in Flew 2008). Researchers[3] at the MIT Center for Collective Intelligence research and explore collective intelligence of groups of people and computers.

Contents

A “clicocracia” está aí para ficar na política
ou como Obama usou a internet e ganhou

O site e.politics fez um favor para políticos de todo o planeta. Reuniu num único endereço as melhores explicações da estratégia do democrata Barack Obama para vencer a eleição com a ajuda da internet de um jeito que nunca ninguém havia visto.

Os números são impressionantes:

13 milhões de pessoas cadastradas na lista de e-mail;
3 milhões de doadores fizeram 6,5 milhões de doações pela internet;
Das 6,5 milhões de doações, 6 milhões foram em valores até US$ 100;
Meio bilhão de dólares arrecadados online em 21 meses;
5 milhões de “amigos” nos sites de relacionamento social;
2 milhões de perfis no site oficial MyBarackObama.com;
3 milhões de doadores individuais;
70 mil pessoas criaram suas próprias campanhas de arrecadação de fundos para Obama
.

Um dos textos citados pelo e.politics é do Washington Post, que tem dezenas de informações fascinantes sobre como a internet acaba de criar uma nova forma de política, a “clicocracia” (uma brincadeira com o “clique” que todos produzimos no mouse). O Post entrevistou para a reportagem o jovem Joe Rospars, de 27 anos, diretor de nova mídia da campanha vitoriosa de Obama.

Eis alguns dados gerais:

Durante a campanha, mais de 7.000 mensagens padronizadas foram redigidas e enviadas por e-mail. As mensagens eram destinadas a grupos específicos de eleitores cadastrados, sobretudo para pedir mais doações. Quem já havia doado menos de US$ 200 recebia um tipo de e-mail. Quem já havia contribuído com mais de US$ 1.000, era alvo de um outro tipo de texto.

Mais de 1 bilhão (!!) de e-mails foram enviados pela campanha de Obama.

Como comparação, Obama teve 13 milhões de e-mails cadastrados. Há pouco mais de 4 anos, o democrata John F. Kerry teve 3 millhões de e-mails em sua lista. Outro democrata campeão de internet, o ex-governador de Vermont Howard Dean usava uma lista com apenas 600 mil e-mails.

Um milhão de pessoas se cadastrou para receber no celular torpedos de Obama com notícias da campanha. Considere aqui um dado fundamental: nos EUA, paga-se para mandar e para receber mensagens de texto (no Brasil, só para enviar).

As comunidades criadas nos sites de relacionamento produziram fatos na vida real: 200 mil eventos foram realizados pelos voluntários em todo o país durante a campanha de Obama.

Foram criados 35 mil grupos de voluntários pró-Obama pelo país. Desses, cerca de 1 mil no dia em que o democrata anunciou sua candidatura a presidente, em 10 de fevereiro de 2007 (pela internet, claro).

Nos últimos 4 dias de campanha, 3 milhões de telefonemas foram realizados pelos voluntários.

Esses números todos falam por si.

E no Brasil? Quantos políticos estão se preparando para fazer algo parecido em 2010 nas campanhas presidenciais, para governos estaduais etc.? Quantos candidatos têm uma equipe com garotos de 20 e poucos anos pensando em como se deve fazer política neste início de século 21? Sim, claro, aqui há menos pessoas com acesso à web. OK. Mas o número cresce de maneira espantosa. Política, interação e internet são indissociáveis.

Palpite do blog: os políticos brasileiros que se dedicarem para valer (não fazendo sites estáticos e mixurucos), desde já, a desenvolver uma estratégia bem feita para a internet terão uma vantagem comparativa não desprezível em 2010.

Por Fernando Rodrigues

Página na e.politics com as “instruções” de como fazer uma campanha “a la Obama”.

O tema desse mês para o Roda é “Desenvolvimento sustentável: é realmente possível?“, que é um “tema pegadinha”, uma vez que é necessário se abordar, nessa discussão, temas como fontes alternativas de energia, crise de alimentos, mudanças climáticas, etc…

Sob esses outros tópicos, que já apareceram pelo Roda, eu já falei sob alguns pontos que considero particularmente cruciais; entre eles estão o controle populacional e o entendimento do conceito de “escalas”. Por exemplo, quando vc dobra a população, o que acontece com o consumo de energia? Essa é uma questão típica sobre “escalas”: vc escala a população por um fator de 2 (i.e., vc multiplica a população por 2) e pergunta como é que o consumo de energia é escalado, ou seja, como o consumo de energia é afetado por essa mudança de escala.

Minha primeira a mais instintiva reação para abordar um problema desses é explicar e discorrer um pouco sobre questões como:Homogeneidade de EulerAnálise DimensionalRemoção de Dimensões e UnidadesTeorema de Buckingham-πBiologia de PopulaçõesLeis de Escala em BiologiaEstrutura e Dinâmica de RedesSistemas ComplexosEvolução e EntropiaSistemas Auto-OrganizáveisAuto-Organização, Seleção e Evolução, e assim por diante… a partir duma base mais sólida como essa, fica mais fácil de se alçar vôos mais altos, como o tratamento dos problemas de mudanças climáticas, da economia global (globalização, “vila global”, wikonomics), e assim por diante.

Porém, infelizmente, um post que seguisse essas linhas iria acabar num limbo, sem atingir o seu objetivo final, que é a atenção do leitor. A grande razão para isso tem nome e se chama “Analfabetismo Numérico“. Esse é um ponto extremamente importante, pela seguinte razão: Se vc não consegue apontar o Distrito Federal num mapa, ou se vc nunca ouviu falar de Manuel Bandeira, ou se vc não lê a Folha, etc, o tiro é rápido: vc é uma pessoa às bordas da cultura, quiçá até um analfabeto funcional. Por outro lado, se vc nunca ouviu falar na Função Exponencial, ninguém vai achar estranho — isso é a definição deanalfabetismo numérico: nossa sociedade não parece achar nem errado nem ruim que a população (as pessoas, unidades constituintes da sociedade!) não tenha a menor compreensão dos fatos mais básicos sobre matemática ou ciência dum modo geral! (E olha que eu não estou falando do fato de que a Terra irradia toda a energia que recebe do Sol: ela recebe fótons na faixa do amarelo e irradia a mesma quantidade de fótons na faixa do infra-vermelho — claro, senão o planeta estaria esquentando continuamente! Portanto, o uso que nós fazemos da energia vinda do Sol é via uma transformação entrópica: nós recebemos energia com um baixíssimo grau de entropia e irradiamos essa mesma energia com um alto grau de entropia — isso é o mais eficiente que se pode fazer! Mas não é disso que eu estou falando… nós estamos tratando, aqui, de conceitos bem mais simples do que esse, como, por exemplo, o fato de que para biocombustíveis serem viáveis é preciso se fazer uma continha simples, do montante de energia que é usado pra produzí-los, menos o montante de energia que eles produzem: quantas vezes se vê por aí esse “balanço energético”?!)

Nos dias de hoje, isso é completa e absolutamente chocante, um absurdo sem tamanhos! Por exemplo: se a população duma cidade dobra mas o número de vereadores e deputados continua o mesmo… a população dessa cidade passou a ter apenas metade da representatividade que tinha anteriormente! Se a população mundial aumenta de modo constante mas os recursos energéticos do planeta são finitos, é inevitável que o desenvolvimento não pode ser sustentável — isso é o mesmo que comprar uma passagem no Titanic: vc pode ir de primeira-classe, ou pode ir no porão do navio, mas o resultado final é o mesmo.

Portanto, falar em desenvolvimento sustentável sem se fazer uma discussão crítica e honesta do controle populacional é, no mínimo,desonestidade intelectual!

Mas, pra não tornar esse post algo que as pessoas achem “seco”, “árido”, ou simplesmente chato e “acadêmico”, eu vou deixar uns vídeos excelentes, que tratam essa questão dum modo leve porém cuidadoso, com o carinho que elas merecem.

  • O primeiro deles é uma coleção de 8 vídeos, que capturam uma palestra dada pelo Professor Albert A. Bartlett, chamadaPopulation, Arithmetic, and Energy.
  • O segundo, entitulado How it all ends, é um conjunto de 45 vídeos, um projeto do Professor Greg Craven para mostrar como é possível se avaliar o debate atual sobre as mudanças climáticas de modo racional e científico, mostrando claramente como é que se pode tirar conclusões científicas, sólidas e robustas, independentemente do [aparente] debate que alguns insistem em dizer que existe.

Eu espero que vcs se divirtam e passem a apreciar a profundidade de todas essas questões em jogo — por favor, coloquem seus comentários no Roda.

ESTE POST ESTÁ NO BLOG kungfuphysics, escrito por Daniel. Ele sugere comentários no Roda de Ciência (muito bom!). 

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Engenharia social é um conceito de ciência política que se refere a iniciativas de influencia popular, atitudes e comportamento social em larga escala, tanto por governos ou grupos privados. Na arena política a contraparte à engenharia social é a engenharia política.

Por várias razões, o termo foi associado a conotações negativas. Contudo, virtualmente todas as leis e políticas tem o efeito de mudar o comportamento e podem ser consideradas “engenharia social” até certo ponto. Proibições ao assassinatoestupro e suicídio são todas políticas que pretendem desencorajar comportamentos indesejados. Na jurisprudência do Reino Unido e do Canadá, mudar atitudes públicas a respeito de um comportamento é aceito como uma das funções chave de leis que as proibem. O meio mais efetivo para a “engenharia social” é através de mídia de massas e especialmente televisão. Governos também influenciam comportamento através de incentivos e desincentivos através de políticas economicas e fiscais, e tem feito isso por séculos.

Na prática, chamar uma política de “engenharia social” é freqüentemente uma questão de intenção. O termo é mais freqüentemente empregado na política de direita, como uma acusação contra quem propõe usar leis, políticas fiscais e outros tipos de influência política para mudar relações de poder vigentes, como entre homens e mulheres, ou entre diferentes grupos étnicos. Políticos conservadores norte-americanos têm acusado seus oponentes de fazer engenharia social através da promoção do politicamente correto, na medida em que isso possa mudar atitudes ao definir linguagem ou atos como “aceitáveis” ou “inaceitáveis”. A mesma direita tem sido acusada de fazer engenharia social devido à promoção da abstinência de sexo, leis de sodomia, e patrocínio à oração nas escolas.

O néctar da filosofia está na vanguarda. Traduz em pensamento a forma mais atualizada de conhecer a verdade científica e a verdade sobre o Ser humano. E nada mais velho do que querer ser feliz. O termo hapiness na wikipedia, melhor que outros, como alegria ou prazer, tem uma idéia abrangente desse estado da nossa mente. De outro lado, a sabedoria sobre a continua mutação, que valoriza a busca pela espiritualidade individual (inclusive a busca cética) é muito útil. A busca do seu pathwork individual pode contar com “n” orientações… familiares, meio, história, ciência… O que se sabe é que é uma busca unicamente sua, enquanto estiver aqui, por sua singularidade que o diferencia de todo o resto que não é você, pela sua específica particularidade, ou pelo seu aspecto nanotecnológico de frente para a imensidão do universo.

Viver o agora e a eternidade ao mesmo tempo. Uma causa e um telus, apesar de existir mesmo apenas o agora. Ontem e amanhã são apenas suportes psicológicos para sustentar o agora. Somos um fenômeno, uma efeméride, efêmeros e absolutos.  Que a força esteja com você.

Happiness (wikipedia) is a state of mind or feeling such as contentment, satisfaction, pleasure, or joy.[1] A variety of philosophicalreligiouspsychological andbiological approaches have been taken to defining happiness and identifying its sources.

Philosophers and religious thinkers have often defined happiness in terms of living a good life, or flourishing, rather than simply as an emotion.Happiness in this older sense was used to translate the Greek Eudaimonia, and is still used in virtue ethics. In everyday speech today, however, terms such as well-being or quality of life are usually used to signify the classical meaning, and happiness is reserved[citation needed] for the felt experience or experiences that philosophers historically called pleasure.

Happiness forms a central theme of Buddhist teachings, which focuses on obtaining freedom from suffering by following the Eightfold Path. In the Buddhist view, ultimate happiness is only achieved by overcoming craving in all forms. Aristotle saw happiness as “the virtuous activity of the soul in accordance with reason,” or the practice of virtue. In Catholicism, the ultimate end of human existence consists in felicity, or “blessed happiness”, described by the thirteenth-century philosopher-theologian Thomas Aquinas as a Beatific Vision of God’s essence in the next life.[2] One psychological approach, positive psychology, describes happiness as consisting of positive emotions and positive activities. In most religions, happiness is the eternal reward for those who meet certain criteria.[citation needed]

While direct measurement of happiness is difficult, tools such as The Oxford Happiness Inventory have been developed by researchers. Physiological correlates to happiness can be measured through a variety of techniques, and survey research can be based on self-reported happiness levels.

Research has identified a number of correlates with happiness. These include religious involvement, parenthood, marital status, age, income and proximity to other happy people.Happiness economics suggests that measures of public happiness should be used to supplement more traditional economic measures when evaluating the success of public policy.