Arquivo da categoria ‘Nature’

Tzimtzum

From Wikipedia, the free encyclopedia
Part of a series on
Kabbalah
10 Sephirot
Prior to Creation, there was only the infinite Or Ein Sof filling all existence. When it arose in G-d’s Will to create worlds and emanate the emanated…He contracted (in Hebrew “tzimtzum”) Himself in the point at the center, in the very center of His light. He restricted that light, distancing it to the sides surrounding the central point, so that there remained a void, a hollow empty space, away from the central point… After this tzimtzum… He drew down from the Or Ein Sof a single straight line [of light] from His light surrounding [the void] from above to below [into the void], and it chained down descending into that void…. In the space of that void He emanated, created, formed and made all the worlds. (Etz Chaim, Arizal, Heichal A”K, anaf 2)
[1]]

Tzimtzum (Hebrew צמצום ṣimṣūm “contraction” or “constriction”) is a term used in the Lurianic Kabbalah teaching of Isaac Luria, explaining his concept that God began the process of creation by “contracting” his infinite light in order to allow for a “conceptual space” in which a finite and seemingly independent world could exist. This contraction, forming an “empty space” (חלל הפנוי) in which creation could begin, is known as the Tzimtzum.

Because the Tzimtzum results in the conceptual “space” in which the physical universe and free will can exist, God is often referred to as “Ha-Makom” (המקום lit. “the place”, “the omnipresent”) in Rabbinic literature. Relatedly, olam—the Hebrew word for “world” or universe—is derived from the root word עלם meaning “concealment”. This etymology is complementary with the concept of Tzimtzum, in that thephysical universe conceals the spiritual nature of creation.

Contents

In Lurianic thought

Main article: Lurianic Kabbalah

Isaac Luria introduced three central themes into kabbalistic thought, Tzimtzum, Shevirat HaKelim (the shattering of the vessels), and Tikkun (repair). These three are a group of interrelated, and continuing, processes. Tzimzum describes the first step in the process by which God began the process of creation by withdrawing his own essence from an area, creating an area in which creation could begin. Shevirat HaKelim describes how, after the Tzimtzum, God created the vessels (HaKelim) in the empty space, and how when God began to pour his Light into the vessels they were not strong enough to hold the power of God’s Light and shattered (Shevirat). The third step, Tikkun, is the process of gathering together, and raising, the sparks of God’s Light that were carried down with the shards of the shattered vessels.[2]

Since Tzimtzum is connected to the concept of exile, and Tikkun is connected to the need to repair the problems of the world of human existence, Luria unites the cosmology of Kabbalah with the practice of Jewish ethics, and makes ethics and traditional Jewish religious observance the means by which God allows humans to complete and perfect the material world through living the precepts of a traditional Jewish life.[3]

Inherent paradox

A commonly held [4] understanding in Kabbalah is that the concept of Tzimtzum contains a built-in paradox, requiring that God be simultaneously transcendent and immanent.

  • On the one hand, if the “Infinite” did not restrict itself, then nothing could exist—everything would be overwhelmed by God’s totality. Thus existence requires God’s transcendence, as above.
  • On the other hand, God continuously maintains the existence of, and is thus not absent from, the created universe. “The Divine life-force which brings all creatures into existence must constantly be present within them… were this life-force to forsake any created being for even one brief moment, it would revert to a state of utter nothingness, as before the creation…” [5]. This understanding is supported by various biblical teachings: “You have made the heaven… the earth and all that is on it… and You give life to them all” (Nehemiah 9:6); “All the earth is filled with God’s Glory” (Numbers 14:21); “God’s Glory fills the world” (Isaiah 6:3). Creation therefore requires God’s immanence.

Rabbi Nachman of Breslav discusses this inherent paradox as follows:

Only in the future will it be possible to understand the Tzimtzum that brought the ‘Empty Space’ into being, for we have to say of it two contradictory things… [1] the Empty Space came about through the Tzimtzum, where, as it were, He ‘limited’ His Godliness and contracted it from there, and it is as though in that place there is no Godliness… [2] the absolute truth is that Godliness must nevertheless be present there, for certainly nothing can exist without His giving it life. (Likkutei Moharan I, 64:1)

This paradox is strengthened by reference to the closely related doctrine of divine simplicity, which holds that God is absolutely simple, containing no element of form or structure whatsoever. This gives rise to two difficulties. Firstly, according to this doctrine, it is impossible for God to shrink or expand (physically or metaphorically)—an obvious contradiction to the above. Secondly, according to this doctrine, if God’s creative will is present, then He must be present in total—whereas the Tzimtzum, on the other hand, results in, and requires, a “partial Presence” as above.

The paradox has an additional aspect, in that the Tzimtzum results in a perception of the world being imperfect despite God’s omniperfect Presence being everywhere. As a result, some Kabbalists saw the Tzimtzum as a cosmic illusion.

Chabad view

In Chabad Hassidism, on the other hand, the concept of Tzimtzum is understood as not meant to be interpreted literally, but rather to refer to the manner in which God impresses His presence upon the consciousness of finite reality [2]: thus tzimtzum is not only seen as being a real process but is also seen as a doctrine that every person is able, and indeed required, to understand and meditate upon.

In the Chabad view, the function of the Tzimtzum was “to conceal from created beings the activating force within them, enabling them to exist as tangible entities, instead of being utterly nullified within their source” [6]. The tzimtzum produced the required “vacated space” (chalal panui חלל פנוי, chalal חלל), devoid of direct awareness of God’s presence.

Here Chassidut sheds light on the concept of Tzimtzum via the analogy of a person and his speech. (The source of this analogy is essentially Genesis Chapter 1, where God “spoke” to create heaven and earth.):

In order to communicate, a person must put aside all that he knows, all his experiences, and all that he is, and say only one thing (“the contraction”). This is especially the case when we speak of an educator, whose level of mind and understanding is almost completely removed and incomparable to his student, that has to “find” an idea that is simple enough to convey to the student. However, when he goes through this process and now is choosing to express himself through this particular utterance, he has not in any way lost or forgotten all the knowledge of who he really is (“thus the contraction is not a literal contraction”).

(Furthermore, the one who hears his words also has the full revelation of who that person is when he hears those words, though he may not realize it. If the listener understood the language and was sensitive enough, he would be able to pull out from those words everything there is to know about the person.)

So too, God chose to express Himself through this world with all of its limitations. However, this does not mean, as pantheism posits, that God is limited to this particular form, or that God has “forgotten” all He can do. He still “remembers what He really is”, meaning that He remains always in His infinite essence, but is choosing to reveal only this particular aspect of Himself. The act of Tzimtzum is thus how God “puts aside” His infinite light, and allows for an “empty space”, void of any indication of the Divine Presence. He then can reveal a limited finite aspect of his light (namely our imperfect, finite reality).

(As clarified before, if man were spiritually sensitive enough, we would be able to see how God is truly giving us a full revelation of His infinite self through the medium of this world. To a listener who does not understand the language being spoken, the letters are “empty” of any revelation of the person. In the analogue this means that the world looks to us to be “empty” of Godly revelation. Kaballah and Chassidus, however, teaches one how to meditate in order to be able to understand God’s “language” so that one can see the Godly revelation in every aspect of creation.)

Therefore, no paradox exists. The finite Godly light that is immanent within the universe, constantly creating and vivifying it, is only a “faint glimmer of a glimmer of a glimmer” (TanyaIggeret HaKodesh, Chapter 20) of God’s infinite, transcendent light that has been completely concealed by tzimtzum. (See also Dovber SchneuriNer Mitzva Vetorah OrKehot Publication SocietyISBN 0-8266-5496-7.)

Vilna Gaon’s view

The Gaon held that tzimtzum was not literal, however, the “upper unity”, the fact that the universe is only illusory, and that tzimtzum was only figurative, was not perceptible, or even really understandable, to those not fully initiated in the mysteries of Kabbalah.[7][8]

The Leshem articulates this view clearly (and claims that not only is it the opinion of the Vilna Gaon, but also is the straightforward and simple reading of Luria and is the only true understanding).

He writes

I have also seen some very strange things in the words of some contemporary kabbalists who explain things deeply. They say that all of existence is only an illusion and appearance, and does not truly exist. This is to say that the ein sof didn’t change at all in itself and its necessary true existence and it is now still exactly the same as it was before creation, and there is no space empty of Him, as is known (see Nefesh Ha-Chaim Shaar 3). Therefore they said that in truth there is no reality to existence at all, and all the worlds are only an illusion and appearance, just as it says in the verse “in the hands of the prophets I will appear” (Hoshea 12: 11). They said that the world and humanity have no real existence, and their entire reality is only an appearance. We perceive ourselves as if we are in a world, and we perceive ourselves with our senses, and we perceive the world with our senses. It turns out [according to this opinion] that all of existence of humanity and the world is only a perception and not in true reality, for it is impossible for anything to exist in true reality, since He fills all the worlds…. How strange and bitter is it to say such a thing. Woe to us from such an opinion. They don’t think and they don’t see that with such opinions they are destroying the truth of the entire Torah….[9]

However, the Gaon and the Leshem held that tzimtzum only took place in God’s Will (Ratzon), but that it is impossible to say anything at all about God Himself (Atzmut). Thus, they did not actually believe in a literal Tzimtzum in God’s Essence.[citation needed] Luria’s Etz Chaim itself, however, in the First Shaar, is ambivalent: in one place it speaks of a literal tzimtzum in God’s Essence and Self, then it changes a few lines later to a tzimtzum in the Divine Light (an emanated, hence created and not part of God’s Self, energy).[citation needed]

Application in clinical psychology

An Israeli professor, Mordechai Rotenberg, believes the KabbalisticHasidic tzimtzum paradigm has significant implications for clinical therapy. According to this paradigm, God’s “self-contraction” to vacate space for the world serves as a model for human behavior and interaction. The tzimtzum model promotes a unique community-centric approach which contrasts starkly with the language of Western psychology.[10]

See also

References

  1. ^ Rabbi Moshe Miller, The Great Constriction, kabbalaonline.org.
  2. ^ James David Dunn, Windows of the Soul, p.21-24
  3. ^ J.H. Laenen, Jewish Mysticism, p.168-169
  4. ^ see for example Aryeh Kaplan, “Paradoxes” (in “The Aryeh Kaplan Reader”, Artscroll 1983. ISBN 0-89906-174-5)
  5. ^ Yosef Wineberg, Commentary on TanyaShaar Hayichud veHaEmunah [1]
  6. ^ TanyaShaar Hayichud veHaEmunahch.4
  7. ^ E. J. Schochet, The Hasidic Movement and the Gaon of Vilna
  8. ^ Allan Nadler, The Faith of the Mithnagdim
  9. ^ Leshem Sh-vo ve-Achlama Sefer Ha-Deah drush olam hatohu chelek 1, drush 5, siman 7, section 8 (p. 57b)
  10. ^ Rotenberg Center for Jewish Psychology

[edit]Bibliography

External links

Anúncios

UOL – New York Times

É difícil imaginar um aspecto mais fundamental e ubíquo da vida na Terra do que a gravidade, desde o momento em que você dá o primeiro passo e cai de traseiro sobre a fralda até o lento desenvolvimento da flacidez da carne.

Mas e se tudo fosse apenas uma ilusão, uma espécie de enfeite cósmico, ou um efeito colateral de algo mais que se passa nos níveis mais profundos da realidade?

Assim diz Erik Verlinde, 48 anos, um respeitado teórico das cordas e professor de física da Universidade de Amsterdã, cuja alegação de que a gravidade é na verdade uma ilusão tem causado agitação entre os físicos, ou pelo menos entre aqueles que professam entendê-la. Revertendo a lógica de 300 anos de ciência, ele argumentou em um recente trabalho, intitulado “Sobre a Origem da Gravidade e as Leis de Newton”, que a gravidade é uma consequência das veneráveis leis da termodinâmica, que descrevem o comportamento do calor e os gases.

“Para mim a gravidade não existe”, disse Verlinde, que esteve recentemente nos Estados Unidos para se explicar. Não que ele não possa cair, mas Verlinde está entre um grupo de físicos que dizem que a ciência esteve olhando para a gravidade de forma errada e que há algo mais básico, a partir da qual a gravidade “surge”, assim como os mercados de ações surgem do comportamento coletivo dos investidores individuais e a elasticidade surge da mecânica dos átomos.

Olhar para a gravidade desse ângulo, eles dizem, poderia jogar alguma luz às questões cósmicas problemáticas do momento, como a energia escura, uma espécie da antigravidade que parece estar acelerando a expansão do universo, ou a matéria escura, que supostamente é necessária para manter unidas as galáxias.

O argumento de Verlinde se assemelha a algo possível de ser chamado de teoria “dia de cabelo ruim” da gravidade.

É mais ou menos assim: seu cabelo encrespa no calor e umidade, porque há mais formas de seu cabelo ficar curvado do que reto, e a natureza gosta de opções. Logo, é necessária uma força para deixar o cabelo reto e eliminar as opções da natureza. Esqueça o espaço curvo ou a atração a uma distância, descrita bem o suficiente pelas equações de Isaac Newton para nos permitir navegar pelos anéis de Saturno. A força que chamamos de gravidade é simplesmente um subproduto da tendência da natureza de maximizar a desordem.

Alguns dos melhores físicos do mundo dizem não entender o trabalho de Verlinde e muitos são assumidamente céticos. Mas alguns desses mesmos físicos dizem que ele forneceu um novo ponto de vista para algumas das questões mais profundas da ciência, o por que da existência do espaço, tempo e gravidade –apesar dele ainda não tê-las respondido.

“Algumas pessoas disseram que não pode estar certo, outras que está certo e já sabíamos –que é certo e profundo, certo e trivial”, disse Andrew Strominger, um teórico de cordas de Harvard.

“O que é preciso dizer”, ele prossegue, “é que inspirou muitas discussões interessantes. É simplesmente uma coleção muito interessante de ideias que toca em coisas que em grande parte não entendemos a respeito de nosso universo. É por isso que gosto”.

Verlinde não é um candidato óbvio para ir muito longe em algo assim. Ele e seu irmão Herman, um professor de Princeton, são gêmeos célebres conhecidos mais pelo domínio da matemática da teoria das cordas do que por voos filosóficos.

Nascidos em Woudenberg, Holanda, em 1962, os irmãos foram inspirados por dois programas de televisão dos anos 70 sobre física de partículas e buracos negros. “Eu fui completamente fisgado”, lembrou Verlinde. Ele e seu irmão obtiveram Ph.D.s na Universidade de Utrecht juntos em 1988 e então foram para Princeton, Erik para o Instituto de Estudos Avançados e Herman para a universidade. Após cruzarem frequentemente o oceano, eles foram efetivados em Princeton. E se casaram e se divorciaram de irmãs. Erik deixou Princeton e foi para Amsterdã para ficar próximo de seus filhos.

Ele começou a se destacar na pós-graduação, quando inventou a Álgebra Verlinde e a fórmula Verlinde, que são importantes na teoria das cordas, a chamada teoria de tudo, que diz que o mundo é feito de minúsculas cordas vibrantes.

Você pode se perguntar por que um teórico de cordas está interessado nas equações de Newton. Afinal, Newton foi derrubado há um século por Einstein, que explicou a gravidade como dobras no espaço-tempo, e que alguns teóricos acham que poderá ser derrubado pelos teóricos das cordas.

Nos últimos 30 anos a gravidade está sendo “despida”, nas palavras de Verlinde, do status de força fundamental.

Esse despojamento teve início nos anos 70 com a descoberta de Jacob Bekenstein, da Universidade Hebraica de Jerusalém, e de Stephen Hawking, da Universidade de Cambridge, entre outros, de uma ligação misteriosa entre os buracos negros e a termodinâmica, culminando na descoberta por Hawking em 1974 de que quando os efeitos quânticos são levados em consideração, os buracos negros brilhariam e no final explodiriam.

Em um cálculo provocante em 1995, Ted Jacobson, um teórico da Universidade de Maryland, mostrou que dadas algumas dessas ideias holográficas, as equações da relatividade geral de Einstein são apenas outra forma de declarar as leis da termodinâmica.

Essas explosões de buracos negros (pelo menos na teoria –nenhuma ainda foi observada) expuseram uma nova estranheza na natureza. Os buracos negros, na verdade, são hologramas –como imagens 3D que você vê nos cartões de banco. Toda a informação sobre o que foi perdido dentro deles está codificada em suas superfícies. Os físicos se perguntam desde então sobre como esse “princípio holográfico” –de que talvez sejamos apenas sombras em um muro distante– se aplica ao universo e de onde ele vem.

Em um exemplo notável de um universo holográfico, Juan Maldacena, do Instituto para Estudos Avançados, construiu um modelo matemático de um universo “lata de sopa”, onde o que acontece dentro da lata, incluindo a gravidade, está codificado no rótulo no lado de fora da lata, onde não há gravidade, assim como uma dimensão espacial a menos. Se as dimensões não importam e a gravidade não importa, quão reais podem ser?

Lee Smolin, um teórico de gravidade quântica do Instituto Perimeter para Física Teórica, chamou o trabalho de Jacobson de “um dos trabalhos mais importantes dos últimos 20 anos”.

Mas ele recebeu pouca atenção inicialmente, disse Thanu Padmanabhan, do Centro Interuniversitário para Astronomia e Astrofísica em Pune, Índia, que tratou do tema da “gravidade emergente” em vários trabalhos nos últimos anos. Padmanabhan disse que a ligação com a termodinâmica se aprofundou mais do que apenas as equações de Einstein e outras teorias da gravidade. “A gravidade”, ele disse recentemente em uma palestra no Instituto Perimeter, “é o limite termodinâmico da mecânica estatística” dos átomos do espaço-tempo.

Verlinde disse que leu o trabalho de Jacobson muitas vezes ao longo dos anos, mas que ninguém parece ter entendido a mensagem. As pessoas ainda falam da gravidade como uma força fundamental. “Nós claramente temos que levar estas analogias a sério, mas aparentemente ninguém leva”, ele se queixou.

Seu trabalho, publicado em janeiro, lembra o de Jacobson de muitas formas, mas Verlinde se irrita quando as pessoas dizem que ele não acrescentou nada de novo à análise de Jacobson. O que é novo, ele disse, é a ideia de que diferenças na entropia podem ser o mecanismo por trás da gravidade, de que a gravidade é, como ele coloca, uma “força entrópica”.

Ele teve essa inspiração por cortesia de um ladrão.

Quando estava prestes a voltar para casa de férias no sul da França em meados do ano passado, um ladrão entrou em seu quarto e roubou seu laptop, chaves, passaporte, tudo. “Eu tive que permanecer mais uma semana”, ele disse, “e tive essa ideia”.

Na praia, seu irmão recebeu uma série de e-mails primeiro dizendo que teria que prolongar sua estadia, depois dizendo que ele teve uma nova ideia e, finalmente, no terceiro dia, dizendo que ele sabia como derivar as leis de Newton a partir dos primeiros princípios, a ponto de Herman lembrar de ter pensado: “O que está acontecendo? O que ele anda bebendo?”

Pense no universo como uma caixa de letras do jogo Scrabble (palavras cruzadas). Há apenas uma forma de arranjar as letras para soletrar Gettysburg, em comparação a um número astronômico de formas para soletrarem baboseiras. Sacuda a caixa e ele tenderá à coisas sem sentido, a desordem aumentará e a informação será perdida à medida que as letras se misturam na direção de suas configurações mais prováveis. Seria isso a gravidade?

Como uma metáfora de como isso funcionaria, Verlinde usou o exemplo de um polímero –um filamento de DNA, digamos, um macarrão noodle ou um cabelo– enrolando.

“Eu levei dois meses para entender os polímeros”, ele disse.

O trabalho resultante, como reconhece Verlinde, é um pouco vago.

“Esta não é a base de uma teoria”, explicou Verlinde. “Eu não finjo que isto é uma teoria. As pessoas devem ler as palavras que estou dizendo e não os detalhes das equações.”

Padmanabhan disse que vê pouca diferença entre os trabalhos de Verlinde e de Jacobson e que o novo elemento de força entrópica carece de rigor matemático. “Eu duvido que essas ideias resistam ao teste do tempo”, ele escreveu em uma mensagem por e-mail da Índia. Jacobson disse que não conseguiu entendê-la.

John Schwarz, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, um dos pais da teoria das cordas, disse que o trabalho é “muito provocador”.

Smolin o chamou de “muito interessante e também muito incompleto”.

Em um workshop no Texas neste ano, foi pedido a Raphael Bousso, da Universidade da Califórnia, em Berkeley, que liderasse uma discussão a respeito do trabalho. “O resultado final foi que ninguém entendeu, incluindo pessoas que inicialmente achavam que ele fazia sentido”, ele disse por e-mail.

“De qualquer forma, o trabalho de Erik chamou atenção para uma pergunta genuinamente profunda e importante, o que é bom”, prosseguiu Bousso, “eu apenas não acho que nos aproximamos de uma resposta após o trabalho de Erik. Há muitos trabalhos sobre o assunto, mas diferente de Erik, eles nem mesmo entendem o problema”.

Os irmãos Verlinde agora estão tentando reapresentar essas ideias em termos mais técnicos da teoria das cordas, e Erik tem viajado um bocado, indo em maio ao instituto Perimeter e à Universidade Stony Brook, em Long Island, para falar sobre o fim da gravidade. Michael Douglas, um professor de Stony Brook, descreveu o trabalho de Verlinde como “um conjunto de ideias que encontra apoio na comunidade, acrescentando que “todos estão aguardando para ver se é possível tornar isso mais preciso”.

Até lá, o júri dos pares de Verlinde não chegará a uma decisão.

Em um almoço em Nova York, Verlinde avaliou suas experiências dos últimos seis meses. Ele disse que ele simplesmente se rendeu à sua intuição. “Quando me veio essa ideia, eu fiquei realmente empolgado e eufórico”, disse Verlinde. “Não é com frequência que alguém tem a chance de dizer algo novo sobre as leis de Newton. No momento eu não vejo que estou errado. Isso basta para seguir em frente.”

Ele disse que amigos o encorajaram a ir fundo e ele não lamenta. “Se ficar provado que estou errado, de qualquer forma algo será aprendido. Ignorar isso seria errado.”

No dia seguinte, Verlinde deu uma palestra mais técnica para um punhado de físicos na cidade. Ele lembrou que alguém tinha lhe dito que a história da gravidade parecia a das novas roupas do imperador.

“Nós sabemos há algum tempo que a gravidade não existe”, disse Verlinde. “É hora de gritar isso.”

Tradução: George El Khouri Andolfato

da Folha de S. Paulo

Quase metade dos americanos acredita que as preocupações com o aquecimento global são exageradas, assim como cada vez mais pessoas duvidam de que graves crises ambientais vão ocorrer por causa dele. Os dados são de uma nova pesquisa, feita pelo Instituto Gallup.

As dúvidas aparecem enquanto o presidente Barack Obama pressiona o Congresso para aprovar uma legislação que reduza as emissões de gases de efeito estufa no país.

Com eleições parlamentares a menos de oito meses, muitos congressistas estão hesitantes em aceitar uma lei referente às mudanças climáticas, especialmente se o interesse dos eleitores nela estiver diminuindo.

Sem apoio do Senado, dificilmente Obama conseguirá atingir a meta de reduzir em 17% as emissões dos EUA até 2020, em comparação com os níveis de 2005. O país é historicamente o maior poluidor do mundo.

A nova sondagem, feita entre 4 e 7 de março, indica que 48% dos americanos agora acreditam que a seriedade do aquecimento global é exagerada, contra 41% ano passado e 31% em 1997, quando foi feita a primeira pesquisa.

“Climagate”

O resultado aparece logo após a descoberta de que certos detalhes das descobertas científicas que entraram nos relatórios do IPCC (o Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática da ONU) estavam ou errados ou exagerados.

Também contribuiu para minar a confiança na ciência climática o vazamento de e-mails de cientistas britânicos ligados ao IPCC, no ano passado. Os e-mails revelavam comportamentos profissionais duvidosos e tentativas de negar informação a céticos do clima.

Especialistas dizem que, apesar dos erros, as evidências disponíveis sustentam a ideia de que um planeta mais quente vai fazer com desastres naturais se tornem mais frequentes.

A maioria dos americanos ainda acredita que o aquecimento global é real, mas a porcentagem está diminuindo e é a menor desde 1997.

Mais de um terço dos entrevistados disse que os efeitos do aquecimento global nunca vão acontecer (19%) ou que não acontecerão enquanto eles estiverem vivos (16%).

Um número crescente duvida de que o aquecimento global esteja relacionado a atividades humanas: 50% apontam essa causa, contra 46% que dizem que a responsabilidade é de mudanças naturais. Para comparar, esses valores eram de 61% e 31% em 2003.

A pesquisa entrevistou mais de mil adultos e tem uma margem de erro de quatro pontos.

Países, que estão entre os maiores poluidores do mundo, completam grupo de emergentes que aceita o acordo AP

China e Índia endossam acordo estabelecido durante a cúpula climática da ONU em dezembro

OSLO – China e Índia, que figuram entre os maiores emissores de poluentes do mundo, anunciaram nesta terça-feira, 9, associação ao acordo climático definido em dezembro em Copenhague. A notícia reacende o debate sobre as mudanças climáticas após revés simbolizado na renúncia de Yvo de Boer, diretor da ONU para o clima, pressionado pelo fracasso da cúpula de Copenhague.

A China foi o ultimo país do bloco de emergentes a se associar ao acordo. O governo chinês confirmou a aceitação ao enviar uma carta oficial à Secretaria para Mudanças Climáticas da ONU, localizada em Bonn, na Alemanha.

Horas antes, a Índia, através de comunicado de seu ministro do Meio Ambiente, Jairam Ramesh, confirmava a associação ao acordo climático. “Acreditamos que nossa decisão de sermos listados (como um país associado ao documento) reflete o papel que a Índia desempenhou em dar forma ao Acordo de Copenhague. Isso irá fortalecer nossa posição de negociação a respeito da mudança climática”, disse Ramesh.

Das nações que mais poluem, os Estados Unidos é o único país que não endossou o acordo climático. Ausente na última reunião da cúpula da ONU em Copenhague, na qual foi definido o acordo, os norte-americanos alegam que o texto não serve de base para qualquer futuro tratado.

O acordo

A acordo climático definido em Copenhague prevê que a comunidade internacional deve limitar o aquecimento global a 2 graus com relação aos níveis pré-industriais. No entanto, não há um claro objetivo de redução das emissões.

O acordo estabeleceu, além disso, um fundo total de US$ 10 bilhões entre 2010 e 2012 para os países mais vulneráveis a enfrentar os efeitos da mudança climática, e de US$ 100 bilhões anuais a partir de 2020 para redução das emissões e adaptação.

Acordo x tratado

O tratado deveria ter sido adotado formalmente na conferência da ONU em Copenhague por todos os países, mas objeções de última hora por parte de um pequeno grupo de países fez com que oficialmente o acordo fosse apenas citado na declaração final. Decidiu-se então que países que quisessem posteriormente se comprometer com o documento poderiam fazê-lo.

Os países mais pobres desejam negociações em “dois caminhos”, um deles preparando um tratado que substitua o Protocolo de Kyoto a partir de 2013, e outra buscando ações de mais longo prazo para que todas as nações combatam o aquecimento, inclusive os Estados Unidos, que nunca ratificaram o Protocolo de Kyoto.

Ranking de emissão de CO2

Com 1,923 milhões de toneladas de CO2 emitidos em 2008, a China lidera ranking mundial de poluição atmosférica do Centro de Análise de Informações sobre CO2 dos Estados Unidos. Os americanos estão na segunda colocação, com 1,547 milhões de toneladas, seguido da Índia, com 479. O Brasil está na décima quinta colocação, emitindo 111 milhões de toneladas de CO2.

da France Presse, em Washington

“Ardi”, o esqueleto de hominídeo fêmea mais antigo já encontrado até hoje, com 4,4 milhões de anos, foi a descoberta científica mais importante de 2009, segundo definição dada pela revista “Science” na quinta-feira (17).

O fóssil lidera a lista dos dez maiores avanços científicos do ano, que também inclui a descoberta de água na Lua e o uso de folhas de átomos de carbono ultrafinas em aparelhos eletrônicos experimentais.

Reuters
Descoberta de esqueleto humano do Ardipithecus ramidus na Etiópia lança luz sobre origens do homem

“Ardi”, um Ardipithecus ramidus, foi objeto de 15 anos de estudo minucioso por antropólogos. O esqueleto, encontrado na Etiópia, deu início a uma nova etapa na pesquisa da evolução do homem, segundo os cientistas.

Sendo 1,2 milhão de anos mais velho que “Lucy”, até então o fóssil de hominídeo mais antigo já encontrado, Ardi está ajudando a derrubar mitos populares sobre a relação direta entre o ser humano e os símios modernos.

A análise do crânio, dos dentes, da pélvis, das mãos, dos pés e de outros ossos de “Ardi” mostraram que os símios africanos evoluíram consideravelmente desde o momento em que compartilharam um ancestral comum com os humanos.

“[Ardi] muda a maneira de pensarmos sobre a evolução humana mais antiga”, indicou Bruce Alberts, editor da “Science”.

Reprodução/Science
Crânio e mandíbula do Ardipithecus ramidus, descrito como o mais antigo esqueleto de ancestral humano

Rol científico

Entre as outras descobertas destacadas pela revista estão os pulsares, vistos pela primeira vez pelo telescópio Fermi, da Nasa. Um deles foi localizado a 4.600 anos-luz da Terra.

As observações ajudaram a explicar como funciona um pulsar –o centro de uma estrela de nêutrons, caracterizado pela emissão, a intervalos regulares e curtos, de radiação muito intensa–, e como ele contribui para a radiação eletromagnética no Universo.

A astrofísica foi fonte de outras dois dos dez maiores avanços científicos do ano segundo a “Science” –que inclui a descoberta de água gelada na Lua pela Nasa.

Em outubro, a agência espacial americana enviou duas sondas para que se chocassem contra a superfície lunar, em uma experiência dramática em busca de água. Uma delas caiu na cratera Cabeus, perto do polo sul lunar, a 9.000 quilômetros por hora; a outra teve o mesmo destino quatro minutos depois, esta equipada com câmeras e sensores para registrar o impacto e o que resultaria dele.

A Nasa foi especialmente elogiada pela revista científica pelos reparos realizados por astronautas no telescópio espacial Hubble, que desde seu lançamento, em 1990, registra imagens sem precedentes do Universo.

Entre os “temas quentes” a serem acompanhados em 2010, a “Science” menciona o metabolismo das células cancerosas, o sequenciamento do exoma –genes que representam 1% do patrimônio genético, mas que controlam as funções vitais do organismo– e o futuro dos voos tripulados ao espaço.

Em 1997, foi assinado acordo entre países desenvolvidos para reduzir emissões, mas CO2 na atmosfera só aumentou

Jamil Chade, GENEBRA

A concentração de gases do efeito estufa na atmosfera continua a crescer, apesar de todos os esforços mundiais e discursos inflamados de líderes políticos para reduzi-la. Em 2008, chegou ao índice mais alto registrado desde o início da era industrial, segundo um relatório divulgado ontem pela Organização Mundial de Meteorologia (WMO, em inglês). Desde 2007, quando foi assinado o Protocolo de Kyoto – tratado internacional para baixar as emissões -, o aumento foi de 6,5%.

A concentração de dióxido de carbono (CO2), gás que mais contribui para o problema do aquecimento global, chegou a 385,2 ppm (partes por milhão), com potencial para chegar a 390 ppm já no ano que vem. “Faz um milhão de anos que não chegamos a 390 ppm”, disse o físico John Barnes, diretor do Observatório de Mauna Loa, no Havaí, um dos que contribuem com informações para a WMO.

Em relação à era pré-industrial (antes de 1750), o aumento foi de 38%. “Temos de pensar o que é que isso vai causar.” O limite considerado “seguro” pela maioria dos cientistas, para evitar mudanças climáticas mais catastróficas, é 450 ppm.

O dano é considerado tão grave que, mesmo se o mundo interrompesse todas as emissões de CO2 hoje, em cem anos haveria ainda uma concentração de gases de efeito estufa 30% superior à de 1750. “O aumento é exponencial”, afirmou Michel Jarraud, secretário-geral da WMO.

A entidade estrategicamente divulgou sua avaliação às vésperas da cúpula mundial do clima realizada pela ONU, no mês que vem, em Copenhague. E pede que haja um acordo ambicioso até o fim do ano sobre emissões de CO2.

Questionado pelo Estado, Jarraud disse que o Protocolo de Kyoto “não foi suficiente” para impedir um aumento de emissões e da concentração dos gases. “Mas sem Kyoto, sabemos que a situação seria ainda pior.” O acordo prevê uma redução de 5% das emissões dos países mais desenvolvidos (industrializados) até 2012, em relação ao que era emitido em 1990 – metas que deverão ser revistas agora, em Copenhague, para o período pós-2010. Segundo o Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC), é preciso reduzir as emissões das nações industrializadas entre 25% e 40% até 2020.

A WMO ainda evita falar em fracasso nas negociações de Copenhague, apesar das declarações recentes de alguns países de que não será possível estabelecer metas de redução já nesta conferência. “Não podemos desistir. As emissões de CO2 dobraram em 30 anos. Agora, precisamos de um acordo forte”, disse Jarraud. As emissões dos Estados Unidos aumentaram em 3,7%, entre 1997 e 2008. A China mais que dobrou suas emissões nesse período.

Os maiores responsáveis pelo excesso de gases na atmosfera, segundo o IPCC, são as atividades humanas, principalmente em decorrência da queima de combustíveis fósseis (petróleo, carvão e gás natural) e do desmatamento. Jarraud disse que a preservação de florestas, como a Amazônica, será fundamental no futuro e que o desmatamento na última década colaborou para o aumento da concentração de CO2. “Se queremos controlar a concentração de CO2, a floresta tropical será fundamental. O desmatamento gera emissões e, preservada, a floresta consome o CO2 que estaria na atmosfera.”

Os estudos do IPCC apontam para uma alta na temperatura do planeta que poderia variar entre 1,5 grau a 4,5 graus Celsius. “Estamos caminhando para a parcela mais alta desses cenários”, alertou Jarraud. “As notícias que estamos dando não são nada boas.”

COLETA DE DADOS

Os dados divulgados ontem são resultados da maior coleta já feita sobre a concentração de gases-estufa na atmosfera. A WMO usou número de 200 estações espalhadas pelo mundo, inclusive no Brasil. Além do dióxido de carbono, foram medidos o metano e o óxido nitroso, que são os principais gases envolvidos no aquecimento global.

“Isso era um problema abstrato em 1997, algo que parecia estar só em círculos de cientistas. Agora, o problema está na cara de todo mundo” disse Andrew Weaver, especialista da Universidade de Victoria.

Um dos efeitos mais estudados é o derretimento de geleiras.Desde 2000, a Groenlândia perdeu mais de 1,5 trilhão de toneladas de gelo. A Antártida também perdeu 1 trilhão desde 2002. As inundações em consequência do degelo em uma centena de grandes cidades poderiam causar danos de US$ 28 bilhões, segundo um estudo divulgado ontem pela organização WWF. Isso porque, o aumento do nível dos mares em cidades como Nova York – que poderia chegar a 15 centímetros – provocaria tormentas e furacões.

COM AP E AFP

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

more about “Visions Of The Future (1 of 3) The In…“, posted with vodpod

.

Visions of the Future (2 of 3) The Biotech Revolution

Visions Of The Future (3 of 3) The Quantum Revolution