Arquivo da categoria ‘Music’

Radiohead – Creep

Publicado: julho 3, 2009 por Yogi em Arts, Capital, Culture, Music, Tudo

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

more about "Radiohead – Creep", posted with vodpod

Radiohead – Just

Publicado: julho 3, 2009 por Yogi em Arts, Capital, Culture, Music, Tudo

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

more about "Radiohead – Just", posted with vodpod

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

more about "Michal Jackson de Novo – Dona Marta", posted with vodpod

Michael Jackson – Remember the Time

Publicado: julho 3, 2009 por Yogi em Arts, Capital, Culture, Music, Tudo

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

more about “MultiUniversus Tb Gosta de Michael Ja…“, posted with vodpod

Clara Nunes – Feira de Magaio

Publicado: julho 2, 2009 por Yogi em Arts, Capital, Culture, Music, Tudo

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

more about "Clara Nunes – Feira de Magaio", posted with vodpod

Clara Nunes – O Canto das Três Raças

Publicado: julho 2, 2009 por Yogi em Arts, Capital, Culture, Music, Tudo

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Enquanto gravadora volta a apostar no formato, Folha convida três experts a distinguir, às escuras, o som da bolacha e do CD

De Engenheiros do Hawaii a Nação Zumbi, Sony relança em vinil os álbuns de 30 artistas; importado dos EUA, disco custa R$ 90 

BRUNA BITTENCOURT
DA REPORTAGEM LOCAL DA FOLHA DE SÃO PAULO

De olho nos fãs de vinil, que mantêm suas vitrolas ativas e reviram sebos empoeirados atrás de bolachas, a Sony voltou a apostar no antigo formato.
A gravadora relançou em vinil o primeiro álbum de nomes como João Bosco e Chico Science & Nação Zumbi e prevê um total de 30 títulos, no mesmo modelo. Fabricados nos EUA, chegam às prateleiras brasileiras por R$ 90, ao lado de um CD com o mesmo produto.
Aproveitando os relançamentos, a Ilustrada propôs a três experts no assunto um desafio: decifrar, às escuras, o som do vinil e do CD, para desmistificar (ou não) a suposta superioridade da bolacha em relação ao disco metálico.
Para a tarefa, convidamos o guitarrista Edgard Scandurra, o colaborador Marcus Preto e o produtor e engenheiro de som Tejo Damasceno.
Reunidos em um estúdio, os três ouviram os mesmos trechos de três álbuns, cada um deles em vinil e em CD, e, sucessivamente, fizeram suas apostas. A primeira prova foi com a reedição de “Da Lama ao Caos” (Chico Science & Nação, 1994). Tejo e Preto distinguiram as duas mídias.
Além dos estalos que acabaram por denunciar o vinil, Preto argumentou que o som do CD era abafado e distorcido.
Já Scandurra se enganou quanto ao CD: achou que se tratava de um arquivo de MP3, para ele “uma amostra de música”, por sua pouca qualidade.

Caixa de papelão
O álbum de João Bosco, de 1973, foi o segundo teste -desta vez, decifrado por todos. 
Scandurra identificou o vinil pela riqueza de detalhes dos instrumentos, que, para ele, ficaram opacos no CD, argumento também sustentado por Preto. “Parece que eu estava ouvindo a música e colocaram uma caixa de papelão na minha cabeça”, disse, sobre a superioridade do som do vinil em relação ao do CD.
Por fim, “Let There Be Rock”, disco de 1977 do AC/ DC, em edição nacional.
Mais uma vez, a distinção ficou clara para o trio. Mas o disco em questão acabou por mostrar ainda a diferença de qualidade que se pode ter mesmo entre álbuns de vinil.
“Não é só a diferença entre vinil e CD”, disse Preto, que, assim como Tejo e Scandurra, achou o vinil do AC/DC inferior aos dois primeiros, “ótimos”, na opinião do guitarrista.
“Dá para perceber que esse vinil foi comprado nos anos 80. É daqueles fininhos, em que se economizava no material”, afirma Preto. A gramatura, explica ele, influencia na qualidade do vinil -mais pesados, os vinis lançados pela Sony possuem 180 gramas.
O número de faixas, diz, é outra variável: quanto menos faixas, melhor a qualidade. “É a mesma coisa que comprar um vinho caro e um barato”, conclui Tejo, sobre a diferenças entre vinis, além da superioridade apontada na cabra-cega em relação ao CD.
Resta saber se o público está disposto a pagar os R$ 90 cobrados pela gravadora, enquanto a música se espalha de graça pela internet. “Essa é a grande luta da indústria”, diz Scandurra.