Arquivo da categoria ‘Media’

Tzimtzum

From Wikipedia, the free encyclopedia
Part of a series on
Kabbalah
10 Sephirot
Prior to Creation, there was only the infinite Or Ein Sof filling all existence. When it arose in G-d’s Will to create worlds and emanate the emanated…He contracted (in Hebrew “tzimtzum”) Himself in the point at the center, in the very center of His light. He restricted that light, distancing it to the sides surrounding the central point, so that there remained a void, a hollow empty space, away from the central point… After this tzimtzum… He drew down from the Or Ein Sof a single straight line [of light] from His light surrounding [the void] from above to below [into the void], and it chained down descending into that void…. In the space of that void He emanated, created, formed and made all the worlds. (Etz Chaim, Arizal, Heichal A”K, anaf 2)
[1]]

Tzimtzum (Hebrew צמצום ṣimṣūm “contraction” or “constriction”) is a term used in the Lurianic Kabbalah teaching of Isaac Luria, explaining his concept that God began the process of creation by “contracting” his infinite light in order to allow for a “conceptual space” in which a finite and seemingly independent world could exist. This contraction, forming an “empty space” (חלל הפנוי) in which creation could begin, is known as the Tzimtzum.

Because the Tzimtzum results in the conceptual “space” in which the physical universe and free will can exist, God is often referred to as “Ha-Makom” (המקום lit. “the place”, “the omnipresent”) in Rabbinic literature. Relatedly, olam—the Hebrew word for “world” or universe—is derived from the root word עלם meaning “concealment”. This etymology is complementary with the concept of Tzimtzum, in that thephysical universe conceals the spiritual nature of creation.

Contents

In Lurianic thought

Main article: Lurianic Kabbalah

Isaac Luria introduced three central themes into kabbalistic thought, Tzimtzum, Shevirat HaKelim (the shattering of the vessels), and Tikkun (repair). These three are a group of interrelated, and continuing, processes. Tzimzum describes the first step in the process by which God began the process of creation by withdrawing his own essence from an area, creating an area in which creation could begin. Shevirat HaKelim describes how, after the Tzimtzum, God created the vessels (HaKelim) in the empty space, and how when God began to pour his Light into the vessels they were not strong enough to hold the power of God’s Light and shattered (Shevirat). The third step, Tikkun, is the process of gathering together, and raising, the sparks of God’s Light that were carried down with the shards of the shattered vessels.[2]

Since Tzimtzum is connected to the concept of exile, and Tikkun is connected to the need to repair the problems of the world of human existence, Luria unites the cosmology of Kabbalah with the practice of Jewish ethics, and makes ethics and traditional Jewish religious observance the means by which God allows humans to complete and perfect the material world through living the precepts of a traditional Jewish life.[3]

Inherent paradox

A commonly held [4] understanding in Kabbalah is that the concept of Tzimtzum contains a built-in paradox, requiring that God be simultaneously transcendent and immanent.

  • On the one hand, if the “Infinite” did not restrict itself, then nothing could exist—everything would be overwhelmed by God’s totality. Thus existence requires God’s transcendence, as above.
  • On the other hand, God continuously maintains the existence of, and is thus not absent from, the created universe. “The Divine life-force which brings all creatures into existence must constantly be present within them… were this life-force to forsake any created being for even one brief moment, it would revert to a state of utter nothingness, as before the creation…” [5]. This understanding is supported by various biblical teachings: “You have made the heaven… the earth and all that is on it… and You give life to them all” (Nehemiah 9:6); “All the earth is filled with God’s Glory” (Numbers 14:21); “God’s Glory fills the world” (Isaiah 6:3). Creation therefore requires God’s immanence.

Rabbi Nachman of Breslav discusses this inherent paradox as follows:

Only in the future will it be possible to understand the Tzimtzum that brought the ‘Empty Space’ into being, for we have to say of it two contradictory things… [1] the Empty Space came about through the Tzimtzum, where, as it were, He ‘limited’ His Godliness and contracted it from there, and it is as though in that place there is no Godliness… [2] the absolute truth is that Godliness must nevertheless be present there, for certainly nothing can exist without His giving it life. (Likkutei Moharan I, 64:1)

This paradox is strengthened by reference to the closely related doctrine of divine simplicity, which holds that God is absolutely simple, containing no element of form or structure whatsoever. This gives rise to two difficulties. Firstly, according to this doctrine, it is impossible for God to shrink or expand (physically or metaphorically)—an obvious contradiction to the above. Secondly, according to this doctrine, if God’s creative will is present, then He must be present in total—whereas the Tzimtzum, on the other hand, results in, and requires, a “partial Presence” as above.

The paradox has an additional aspect, in that the Tzimtzum results in a perception of the world being imperfect despite God’s omniperfect Presence being everywhere. As a result, some Kabbalists saw the Tzimtzum as a cosmic illusion.

Chabad view

In Chabad Hassidism, on the other hand, the concept of Tzimtzum is understood as not meant to be interpreted literally, but rather to refer to the manner in which God impresses His presence upon the consciousness of finite reality [2]: thus tzimtzum is not only seen as being a real process but is also seen as a doctrine that every person is able, and indeed required, to understand and meditate upon.

In the Chabad view, the function of the Tzimtzum was “to conceal from created beings the activating force within them, enabling them to exist as tangible entities, instead of being utterly nullified within their source” [6]. The tzimtzum produced the required “vacated space” (chalal panui חלל פנוי, chalal חלל), devoid of direct awareness of God’s presence.

Here Chassidut sheds light on the concept of Tzimtzum via the analogy of a person and his speech. (The source of this analogy is essentially Genesis Chapter 1, where God “spoke” to create heaven and earth.):

In order to communicate, a person must put aside all that he knows, all his experiences, and all that he is, and say only one thing (“the contraction”). This is especially the case when we speak of an educator, whose level of mind and understanding is almost completely removed and incomparable to his student, that has to “find” an idea that is simple enough to convey to the student. However, when he goes through this process and now is choosing to express himself through this particular utterance, he has not in any way lost or forgotten all the knowledge of who he really is (“thus the contraction is not a literal contraction”).

(Furthermore, the one who hears his words also has the full revelation of who that person is when he hears those words, though he may not realize it. If the listener understood the language and was sensitive enough, he would be able to pull out from those words everything there is to know about the person.)

So too, God chose to express Himself through this world with all of its limitations. However, this does not mean, as pantheism posits, that God is limited to this particular form, or that God has “forgotten” all He can do. He still “remembers what He really is”, meaning that He remains always in His infinite essence, but is choosing to reveal only this particular aspect of Himself. The act of Tzimtzum is thus how God “puts aside” His infinite light, and allows for an “empty space”, void of any indication of the Divine Presence. He then can reveal a limited finite aspect of his light (namely our imperfect, finite reality).

(As clarified before, if man were spiritually sensitive enough, we would be able to see how God is truly giving us a full revelation of His infinite self through the medium of this world. To a listener who does not understand the language being spoken, the letters are “empty” of any revelation of the person. In the analogue this means that the world looks to us to be “empty” of Godly revelation. Kaballah and Chassidus, however, teaches one how to meditate in order to be able to understand God’s “language” so that one can see the Godly revelation in every aspect of creation.)

Therefore, no paradox exists. The finite Godly light that is immanent within the universe, constantly creating and vivifying it, is only a “faint glimmer of a glimmer of a glimmer” (TanyaIggeret HaKodesh, Chapter 20) of God’s infinite, transcendent light that has been completely concealed by tzimtzum. (See also Dovber SchneuriNer Mitzva Vetorah OrKehot Publication SocietyISBN 0-8266-5496-7.)

Vilna Gaon’s view

The Gaon held that tzimtzum was not literal, however, the “upper unity”, the fact that the universe is only illusory, and that tzimtzum was only figurative, was not perceptible, or even really understandable, to those not fully initiated in the mysteries of Kabbalah.[7][8]

The Leshem articulates this view clearly (and claims that not only is it the opinion of the Vilna Gaon, but also is the straightforward and simple reading of Luria and is the only true understanding).

He writes

I have also seen some very strange things in the words of some contemporary kabbalists who explain things deeply. They say that all of existence is only an illusion and appearance, and does not truly exist. This is to say that the ein sof didn’t change at all in itself and its necessary true existence and it is now still exactly the same as it was before creation, and there is no space empty of Him, as is known (see Nefesh Ha-Chaim Shaar 3). Therefore they said that in truth there is no reality to existence at all, and all the worlds are only an illusion and appearance, just as it says in the verse “in the hands of the prophets I will appear” (Hoshea 12: 11). They said that the world and humanity have no real existence, and their entire reality is only an appearance. We perceive ourselves as if we are in a world, and we perceive ourselves with our senses, and we perceive the world with our senses. It turns out [according to this opinion] that all of existence of humanity and the world is only a perception and not in true reality, for it is impossible for anything to exist in true reality, since He fills all the worlds…. How strange and bitter is it to say such a thing. Woe to us from such an opinion. They don’t think and they don’t see that with such opinions they are destroying the truth of the entire Torah….[9]

However, the Gaon and the Leshem held that tzimtzum only took place in God’s Will (Ratzon), but that it is impossible to say anything at all about God Himself (Atzmut). Thus, they did not actually believe in a literal Tzimtzum in God’s Essence.[citation needed] Luria’s Etz Chaim itself, however, in the First Shaar, is ambivalent: in one place it speaks of a literal tzimtzum in God’s Essence and Self, then it changes a few lines later to a tzimtzum in the Divine Light (an emanated, hence created and not part of God’s Self, energy).[citation needed]

Application in clinical psychology

An Israeli professor, Mordechai Rotenberg, believes the KabbalisticHasidic tzimtzum paradigm has significant implications for clinical therapy. According to this paradigm, God’s “self-contraction” to vacate space for the world serves as a model for human behavior and interaction. The tzimtzum model promotes a unique community-centric approach which contrasts starkly with the language of Western psychology.[10]

See also

References

  1. ^ Rabbi Moshe Miller, The Great Constriction, kabbalaonline.org.
  2. ^ James David Dunn, Windows of the Soul, p.21-24
  3. ^ J.H. Laenen, Jewish Mysticism, p.168-169
  4. ^ see for example Aryeh Kaplan, “Paradoxes” (in “The Aryeh Kaplan Reader”, Artscroll 1983. ISBN 0-89906-174-5)
  5. ^ Yosef Wineberg, Commentary on TanyaShaar Hayichud veHaEmunah [1]
  6. ^ TanyaShaar Hayichud veHaEmunahch.4
  7. ^ E. J. Schochet, The Hasidic Movement and the Gaon of Vilna
  8. ^ Allan Nadler, The Faith of the Mithnagdim
  9. ^ Leshem Sh-vo ve-Achlama Sefer Ha-Deah drush olam hatohu chelek 1, drush 5, siman 7, section 8 (p. 57b)
  10. ^ Rotenberg Center for Jewish Psychology

[edit]Bibliography

External links

Anúncios

O poder da meditação

Publicado: fevereiro 22, 2010 por Yogi em Culture, Media, Philosophy, Psy, Science, Tech, Tudo
Tags:, , ,

Isto É – O Poder da Meditação

Cilene Pereira e Maíra Magro

A técnica ganha espaço em instituições renomadas e prova ser eficaz contra um leque cada vez maior de doenças. Entre elas, a depressão, males cardíacos e até Aids

Ela chegou ao Ocidente como mais um item da lista de atrações exóticas do Oriente. Hoje, está se transformando em um dos mais respeitados recursos terapêuticos usados pela medicina que conhecemos. Está se falando aqui da meditação, uma prática milenar cujo principal objetivo é limpar a mente dos milhares de pensamentos desnecessários que por ela passam a cada minuto, ajudando o indivíduo a se concentrar no momento presente. É por essa razão que um de seus benefícios é o de ajudar as pessoas a lidar com sentimentos como a ansiedade. Mas o que se tem visto, de acordo com as numerosas pesquisas científicas a respeito da técnica, é que a meditação se firma cada vez mais como uma espécie de remédio – acessível e sem efeitos colaterais – indicado para um leque já amplo de enfermidades: da depressão ao controle da dor, da artrite reumatoide aos efeitos colaterais do câncer.

A inclusão da prática no rol de tratamentos da medicina ocidental é um fenômeno mundial. Nos Estados Unidos, por exemplo, ela figura entre as opções de centros renomados como o Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, um dos centros de referência do planeta no tratamento da doença. Também está disponível na Clínica Mayo, outro respeitado serviço de saúde. No Brasil, o método começa a ganhar espaço, boa parte dele assegurado pela Política de Práticas Integrativas e Complementares do SUS, implementada em 2006 pelo Ministério da Saúde. Ela incentiva o uso, pela rede pública, de uma série de práticas não convencionais – como a medicina tradicional chinesa, a acupuntura e a fitoterapia – para auxiliar no processo de cura. “Nessas diretrizes, a meditação está prevista como parte integrante da medicina chinesa”, explica a médica sanitarista Carmem De Simoni, coordenadora do programa.

FELICIDADE
img1.jpg
A atriz Cláudia Ohana, 46 anos, aderiu ao método há dez anos. Foi uma das formas que escolheu para diminuir a ansiedade, que lhe provoca irritação e dor de estômago. “Depois de uma semana de prática, fico mais tranquila e paciente.” Para ela, a técnica diminui o stress causado pelo excesso de trabalho e pela vida na cidade grande. “É praticamente uma pílula de felicidade”, afirma

Em Campinas, no interior de São Paulo, 20 postos de saúde oferecem treinamentos de meditação gratuitos à população. Em São Carlos, também no interior paulista, alguns postos públicos de atendimento começarão a ofertar este ano sessões usando uma técnica conhecida como atenção plena (Mindfulness-Based Stress Reduction, ou MBSR, em inglês), desenvolvida pelo Centro Médico da Universidade de Massachusetts, nos Estados Unidos. É baseada em exercícios de respiração e consciência corporal que ajudam o indivíduo a focar as percepções no momento presente. “Queremos incluir a prática em 30 unidades de saúde”, diz Marcelo Demarzo, chefe do Departamento de Medicina da Universidade Federal de São Carlos.

“Meditadores têm habilidade singular para cultivar emoções positivas”
Eileen Luders, pesquisadora da Universidade da Califórnia

Outra experiência interessante no Brasil é o uso do método em escolas da rede estadual do ensino médio do Rio de Janeiro. Trata-se de uma iniciativa da Fundação David Lynch, criada pelo cineasta americano, com o objetivo de reduzir a violência nos colégios por meio da prática. Um projeto piloto com cerca de 750 crianças e adolescentes de 10 a 18 anos mostrou que ela contribui para o aumento da concentração e da criatividade. “Muitas relataram ainda benefícios como redução de crises de dor de cabeça”, diz Joan Roura, representante da entidade no Brasil.

O Hospital Albert Einstein, em São Paulo, decidiu oferecer a prática tanto para pacientes quanto para funcionários, depois de testá-la por dois anos no setor de oncologia. “Nos pacientes em tratamento contra o câncer, notamos uma diminuição na ansiedade e maior disposição para enfrentar a doença”, afirma o médico Paulo de Tarso Lima. Ele é responsável pelo serviço de medicina integrativa no hospital, que promove a adoção de terapias complementares – entre elas, a meditação – para auxiliar no tratamento convencional.

img.jpg

O movimento que se observa atualmente com a meditação é o mesmo experimentado pela acupuntura cerca de dez anos atrás. Da mesma forma que o método das agulhas, ela conquista o respeito da medicina tradicional porque tem passado nas provas de eficácia realizadas de acordo com a ciência ocidental. Isso quer dizer que, aos olhos dos pesquisadores, foi despida de qualquer caráter esotérico, mostrando-se, ao contrário, um recurso possível a todos – ninguém precisa ser guru indiano para praticá-lo – e de fato capaz de promover no organismo mudanças fisiológicas importantes.

img5.jpg
PREVENÇÃO
Em São Paulo, idosos usam o método como auxílio contra a hipertensão

A profusão de pesquisas que apontam algumas dessas alterações é grande. Os resultados mais impressionantes vêm dos estudos que se propõem a investigar seus efeitos no cérebro. Um exemplo é o trabalho realizado na Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, e publicado na revista científica “NeuroImage”. Após compararem o cérebro de 22 meditadores com o de 22 pessoas que nunca meditaram, eles descobriram que os praticantes possuem algumas estruturas cerebrais maiores do que as dos não praticantes. Especificamente, hipocampo, tálamo e córtex orbitofrontal. As duas primeiras estão envolvidas no processamento das emoções. E a terceira região, no raciocínio. “Sabemos que as pessoas que meditam têm uma habilidade singular para cultivar emoções positivas”, disse à ISTOÉ Eileen Luders, do Laboratório de Neuroimagem da universidade. “As diferenças observadas na anatomia cerebral desses indivíduos nos deram uma pista da razão desse fenômeno.”

ALÍVIO CONTRA O CÂNCER A prática faz com que os pacientes
sintam menos náuseas após a quimioterapia

Na publicação “Psychological Science”, há outro trabalho interessante. Pesquisadores da Universidade George Mason constataram que a prática proporciona uma melhora significativa na memória visual. Normalmente, uma imagem é armazenada integralmente no cérebro por pouquíssimo tempo. Mas o estudo verificou que monges, habituados a meditar todos os dias, conseguem guardá-las – com riqueza de detalhes – até 30 minutos depois de praticar. “Isso significa que a meditação melhora muito este tipo de memória, mesmo após um certo período”, disse à ISTOÉ Maria Kozhenikov, autora do experimento. Essa habilidade transforma a técnica em um potencial instrumento para complementar o tratamento de doenças que prejudiquem a memória, como o mal de Alzheimer.

A técnica ganha espaço em instituições renomadas e prova ser eficaz contra um leque cada vez maior de doenças. Entre elas, a depressão, males cardíacos e até Aids

No Instituto do Cérebro do Hospital Albert Einstein, aqui no Brasil, pela técnica de ressonância magnética foram fotografados os cérebros de 100 voluntários, antes e depois de um retiro de uma semana para práticas diárias. “Na análise de uma primeira amostra, observamos que as áreas ligadas à atenção, como o córtex pré-frontal e o cíngulo anterior, ficaram mais ativadas após o treinamento”, afirma a bióloga Elisa Kozasa, responsável pela pesquisa. As regiões cerebrais eram observadas enquanto os voluntários realizavam testes para medir o quanto estavam atentos. “Houve uma tendência de maior número de acertos e mais velocidade nas respostas após a meditação”, explica a pesquisadora Elisa.

CONTROLE EM CENA
img4.jpg
O ator paulista Maurício Souza Lima, 43 anos, sofreu episódios frequentes de síndrome do pânico por mais de cinco anos. Chegou a tomar antidepressivos e tranquilizantes, mas não conseguia se livrar do distúrbio. Depois que a taquicardia e os tremores o atingiram em pleno palco, durante uma apresentação, há dez meses, ele buscou apoio na meditação transcendental. “Nunca mais tive uma crise”

Na área da oncologia, há várias evidências científicas de eficácia. Tome-se como exemplo o estudo feito na Universidade de Brasília pelo psiquiatra Juarez Iório Castellar. Ele investiga os efeitos do método em 80 pacientes com histórico de câncer de mama. Castellar pediu às participantes que preenchessem questionários para medir a qualidade de vida. Por meio da coleta de amostras de sangue e saliva antes e depois dos exercícios meditativos, ele também está acompanhando variações hormonais que indicam a situação da doença. “Um dos dados que já verificamos é que a meditação reduziu os efeitos colaterais da quimioterapia, como náuseas, vômitos, insônia e inapetência”, afirma.

Outra frente de pesquisas tenta decifrar seu impacto nas doenças mentais. Novamente, as conclusões são bem animadoras. Na Universidade de Exeter, na Inglaterra, o pesquisador Willem Kuyken verificou que o método é uma opção concreta para auxiliar no controle da depressão a longo prazo. Depois de 15 meses comparando a evolução de pacientes que meditavam e tomavam remédios com a apresentada por aqueles que apenas usavam os antidepressivos, o cientista constatou que crises mais sérias ocorreram em 47% dos meditadores, enquanto entre os outros o índice foi de 60%. Na Universidade George Washington, nos Estados Unidos, a técnica provou-se uma aliada no tratamento de crianças com transtorno de hiperatividade e déficit de atenção. “Houve redução de 50% dos sintomas após três meses de prática”, disse à ISTOÉ Sarina Grosswald, coordenadora da pesquisa. Há ainda evidências de benefícios na luta contra transtornos alimentares como bulimia e dependência de drogas. “A meditação relaxa os dependentes e os torna mais fortes para resistir à vontade de consumir drogas”, explicou à ISTOÉ Elias Dakwar, do Instituto de Psiquiatria do Columbia-Presbyterian Medical Center, em Nova York, instituição que passou a usar o método recentemente.

DESCANSO GARANTIDO
img3.jpg
Há apenas três meses, o médico cearense Lúcio Guimarães Xavier, 37 anos, começou a meditar duas vezes ao dia, durante 20 minutos. Ele já nota uma melhora na sensação de bem-estar, na capacidade de concentração e na qualidade do sono. “Costumava ter insônia e hoje durmo muito bem.” Ele também se surpreendeu com o desaparecimento de um tremor nas mãos, que tinha desde criança

O segredo que possibilita efeitos dessa magnitude nestes tipos de patologias é o fato de a meditação ensinar o indivíduo a viver o presente, sem antecipar medos e sofrimentos. “E como o ato de pensar é ‘desligado’, a mente transcende seu estado ocupado e experimenta um profundo silêncio”, explica Sarina Grosswald. “O corpo, por sua vez, fica totalmente relaxado.” É este o mecanismo que também explica parte do seu poder contra a dor. “O método ajuda os pacientes a perceberem a dor e a deixá-la ir embora, sem se prender a ela”, disse à ISTOÉ Paula Goolkasian, da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos. Ela faz parte de uma equipe que estuda intensamente a relação entre dor e meditação e é autora de alguns artigos científicos a respeito do tema.

Permeando todos esses processos, porém, está a redução do stress proporcionada pelo método – e os benefícios advindos disso. O controle da tensão implica mudanças importantes na química cerebral, entre elas a diminuição da produção do cortisol. Liberado em situações de stress, o hormônio tem consequências danosas. Uma delas é a elevação da pressão arterial. Portanto, quanto menor sua concentração, mais baixas são as chances de hipertensão. E como a meditação diminui o stress, acaba reduzindo, indiretamente, a pressão. Este mecanismo explica por que a técnica contribui para a prevenção de doenças cardiovasculares, como o infarto e o acidente vascular cerebral, causadas, entre outras coisas, por uma pressão arterial acima dos níveis recomendados. Um estudo recente realizado na Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, deu uma ideia desse potencial. Durante nove anos, os cientistas acompanharam 201 homens e mulheres com média de 59 anos de idade. Parte foi orientada a meditar todos os dias e o restante recebeu recomendação para mudar hábitos. Os meditadores tiveram 47% menos chance de morrer de um problema cardiovascular em comparação com os outros. Com base nesse resultado, o coordenador da pesquisa, Robert Schneider, considera que a descoberta equivale ao encontro de uma nova classe de “remédios” para evitar essas enfermidades. “Nesse caso, a medicação é derivada dos próprios mecanismos de cura do corpo e de sua farmácia interna”, disse à ISTOÉ.

FORÇA EXTRA Dependentes químicos que meditam ficam
mais fortes para resistir ao apelo das drogas

A ciência registrou ainda mais um impacto positivo da redução do stress promovida pelo método: o auxílio contra a Aids.A doença caracteriza-se pelo ataque do vírus HIV aos linfócitos CD-4 (células que integram o sistema de defesa do corpo). Por causa disso, o corpo fica mais vulnerável a infecções, podendo sucumbir a elas. Mas é sabido que outro inimigo dos exércitos de defesa é o stress: o hormônio cortisol enfraquece seu funcionamento. Por isso, diminuir a tensão é uma maneira de evitar que isso aconteça. Na Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, os cientistas testaram a força da meditação para controlar o stress em pacientes com Aids e constataram que, também aqui, ela funciona. Eles selecionaram 48 pessoas soropositivas, divididas em dois grupos: um meditou e o outro, não. Após oito semanas, os que a praticaram não apresentavam perda de CD-4, ao contrário dos outros participantes. Isso revela que a meditação reduziu o stress. Dessa maneira, contribuiu para preservar o sistema imunológico dos pacientes, ajudando a retardar o avanço do HIV.

Uma das mais intrigantes abordagens de pesquisa é a que estuda a relação entre o método e o envelhecimento precoce. Os pesquisadores começaram a fazer essa associação a partir da certeza do vínculo entre o stress – ele de novo – e a ocorrência de uma deterioração celular acentua da. Partindo desse raciocínio, eles querem saber se a meditação também teria efeito indireto nesse mecanismo, já que atua sobre o stress. Cientistas da Universidade da Califórnia estão investigando se a redução do stress causada pela meditação poderia provocar um efeito benéfico sobre os telômeros – espécie de capa protetora das extremidades dos cromossomos cujo comprimento está associado ao grau de envelhecimento celular. Quanto mais comprido, menor o índice de desgaste. E um dos fatores de desgaste dos telômeros é o stress. Portanto, quanto menos stress, mais preservadas essas estruturas.

SEM EFEITO COLATERAL
img2.jpg
Diagnosticada com um câncer no intestino em 2005, a bióloga pernambucana Marta Gomes Rodrigues, 59 anos, teve de se submeter a diversas sessões de quimioterapia. Com a reincidência da doença pela quarta vez, ela decidiu aliar ao tratamento a prática da meditação. “Os efeitos colaterais dos medicamentos diminuíram e as náuseas acabaram”, diz

No Brasil, o interesse por esse tema, especificamente, também cresce. O médico José Antônio Esper Curiati, do Serviço de Geriatria do Hospital das Clínicas de São Paulo, por exemplo, coordena grupos de meditação para idosos “Estou medindo os efeitos da prática em aspectos como memória, humor e qualidade do sono”, diz. No Centro de Estudos do Envelhecimento da Universidade Federal de São Paulo, o médico Fernando Bignardi é outro que acompanha os reflexos em indivíduos na terceira idade. “O que notamos de mais imediato é uma mudança na condição emocional”, relata. “Depois há uma melhora no sono, nas condições metabólicas e, finalmente, alterações clínicas que levam à melhora de doenças como hipertensão e diabetes.”

A experiência bem-sucedida incentivou Bignardi a desenvolver uma pesquisa mais ampla. A instituição acompanha a saúde de 1,5 mil idosos para verificar a relação entre estilo de vida, personalidade, cognição e doenças. A intenção agora é analisar como a prática meditativa interfere nessa equação – inclusive na incidência de doenças neurodegenerativas como o mal de Alzheimer. A médica Edith Horibe, presidente da Academia Brasileira de Medicina Antienvelhecimento, já indica a meditação para seus pacientes. “Sem dúvida, ela permite uma vida mais longa e com saúde”, afirma. “E a técnica não exige mudanças no estilo de vida”, completa Kleber Tani, diretor da seção carioca da Sociedade Internacional de Meditação.

img_00.jpg

Hackers e crimes cibernéticos são uma ameaça do século 21. Nenhum país está inteiramente preparado. Alguns estão mais à frente. Outros, mais atrasados. O Brasil está caminhando com algumas medidas (como um departamento no Planalto só para monitorar essa área), mas ainda falta muito, como mostram esses textos de hoje, na Folha.

Hacker troca senha de servidor de um ministério e exige US$350 mil

Criminoso, que estava no Leste Europeu, invadiu o servidor de computadores de um órgão federal em maio do ano passado

Dinheiro não foi pago, e hacker não foi capturado; computadores do governo federal sofrem, por hora, 2.000 tentativas de ataque

FERNANDO RODRIGUES
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

Um hacker baseado num país do Leste Europeu invadiu o servidor de computadores de um órgão ligado a um ministério no ano passado. O criminoso trocou a senha do sistema. Paralisou a operação de acesso aos dados. Deixou apenas um recado: só recolocaria a rede novamente em operação após receber US$ 350 mil.
O ataque ocorreu em maio de 2008. Está até hoje cercado de sigilo. A Folha obteve a confirmação do crime, mas não a indicação de qual foi o ministério e o órgão atacado. O dinheiro não foi pago ao criminoso.

“Decidiu-se por não pagar. Esse órgão ficou 24 horas sem operar, com cerca de 3.000 pessoas sem ter acesso aos dados daquele servidor”, relata Raphael Mandarino Junior, 55, o matemático no cargo de diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicação do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

Uma espécie de ciberczar da administração federal, Mandarino comanda cem pessoas no seu departamento, criado em 2006. Só no ano passado, entretanto, passou a existir uma política geral e específica a respeito de crimes cibernéticos na esfera federal. Ele relata como foram as providências tomadas após o mais grave ataque de hacker sofrido até hoje pelo governo brasileiro.

“Foram momentos tensos. Acionamos a Polícia Federal. Havia um backup [cópia] de todos os arquivos em outro lugar. Uma equipe reconstruiu o servidor com as mesmas informações que o hacker havia tentado destruir. Mas ainda demorou uma semana para quebrar os códigos deixados pelo criminoso no servidor original.”

Uma vez decodificada a senha deixada pelo hacker, notou-se que a máquina da qual partira o ataque estaria localizada no Leste Europeu. “Foi possível descobrir isso pela natureza do IP registrado no servidor atacado”, diz Mandarino. “IP” é a sigla para “internet protocol”, o número individual de cada máquina e que serve para indicar a localização possível do equipamento.

Aqui, o texto completo (para assinantes).

Para EUA, hacker causou apagão no Brasil

DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

Agentes de segurança e informação do governo dos Estados Unidos têm vários indícios de que empresas de energia do Brasil já sofreram ataques de hackers. Alguns apagões que deixaram dezenas de cidades no escuro nos últimos anos podem ter sido obra de cibercriminosos, como mencionou de forma indireta o presidente americano, Barack Obama.

Num discurso em maio deste ano, Obama disse: “Nós sabemos que esses invasores cibernéticos têm colocado à prova nosso sistema interligado de energia e que, em outros países, ataques assim jogaram cidades inteiras na escuridão”.

A referência a “outros países” feita pelo chefe da Casa Branca incluía o Brasil, segundo a Folha apurou.

De acordo com agentes de segurança que fazem relatórios para dar subsídios aos discursos de Obama, os apagões brasileiros que teriam ocorrido por causa da ação de hackers foram os de janeiro de 2005 e de setembro de 2007, entre outros, sempre atingindo regiões no Espírito Santo e no Rio.

A responsável por aquela região é a estatal federal Furnas. AFolha entrou em contato com a empresa, que negou ter conhecimento da ação de hackers em seu sistema. A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) também afirmaram desconhecer o envolvimento de criminosos cibernéticos nos apagões. As quedas de energia são sempre atribuídas a fenômenos climáticos, falha de manutenção ou sobrecarga do sistema.

Autoridades dos EUA já chegaram até a mencionar o assunto em público. Em junho de 2007, o então secretário assistente de Defesa dos EUA, John Grines, numa conferência em Paris, disse o seguinte: “Não faz muito tempo, houve um ataque [de hackers] ao sistema de energia do Brasil, à chamada rede Scada [um tipo de sistema de gerenciamento], que causou grandes distúrbios”.

No mês passado, em uma reportagem publicada pela revista norte-americana “Wired”, um ex-assessor especial no governo de George W. Bush (que deixou a Casa Branca neste ano), também mencionou o Brasil. “Dado o grau de seriedade com que a administração Obama trata a segurança cibernética e a rede inteligente [de transmissão de energia], nós podemos nos preparar para acontecer aqui o tipo de coisa que aconteceu no Brasil, onde hackers conseguiram, com sucesso, derrubar o fornecimento de energia”, disse Richard Clarke, hoje presidente da Good Harbor, uma empresa que faz consultoria nessa área.

Raphael Mandarino Junior, diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicação do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, diz ter checado o assunto com empresas de energia “sem encontrar rastros”.

“Há sempre a possibilidade de um ataque de hackers para tentar derrubar uma subestação de energia, mas creio que estamos de certa forma protegidos pelo fato de termos chegado tarde aos avanços tecnológicos. As empresas não têm os seus sistemas operacionais conectados diretamente à internet. Isso dificulta muito a um hacker entrar na rede interna”, diz Mandarino.

Mas ele acredita que quase todos os setores na administração pública no Brasil estão atrasados na preparação para enfrentar esse risco relativamente novo de ataques de hackers. “Quem trabalha na segurança muitas vezes é um gato gordo e lento. Quem está atacando é um rato magro e ágil, que sempre toma a iniciativa.”

A fragilidade do fornecimento de energia no Brasil e o risco de ataques de hackers deve ser assunto hoje à noite no programa jornalístico “60 Minutes”, da rede norte-americana CBS, segundo a Folha apurou.

A reportagem falará também das vulnerabilidades locais, mas o caso brasileiro será citado. Amanhã, a reportagem poderá ser assistida na internet, no site da emissora americana (www.cbsnews.com). (FR)

Pela primeira vez na história, os gastos com publicidade na internet no Reino Unido superaram os da televisão.

No primeiro semestre de 2009, o número atingiu 1,75 bilhão de libras, com crescimento de 4,6% e uma média de 23,5% das publicidades.

De acordo com relatório da Internet Advertising Bureau (IAB), a televisão representa um gasto de 21,9% em anúncios para empresas, número que vem caindo com o tempo.

Para o presidente da IAB, Guy Phillipson, o salto veio mais cedo do que o esperado. “Este é um marco importante, pois é o primeiro mercado que ultrapassou a televisão”, disse à Reuters.

A Grã Bretanha é a líder em publicidade online, devido ao uso de redes sociais, banda larga rápida e popularidade de novos formatos de anúncios.

Luís Vaz de Camões

Publicado: setembro 15, 2009 por Yogi em Arts, Culture, History, Literature, Media, Philosophy, Poetry, Tudo
Tags:,

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Nota: Se procura outros significados de “Camões”, consulte .


Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
Nascimento por volta de 1524
em local desconhecido
Morte 10 de junho de 1580
LisboaPortugal
Nacionalidade Português
Ocupação Poeta
Escola/tradição Classicismo

Monumento ao poeta na Praça Luís de Camões, noBairro Alto, em Lisboa.

Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 10 de Junho de 1580) é frequentemente considerado como o maior poeta de língua portuguesa e dos maiores da Humanidade. O seu génio é comparável ao deVirgílioDanteCervantes ou Shakespeare; das suas obras, a epopéia Os Lusíadas é a mais significativa.

Índice

 [esconder]

Origens e juventude

Túmulo do poeta no Mosteiro dos Jerónimos.

Desconhece-se a data e o local onde terá nascido Camões. Admite-se que nasceu entre 1517 e1525. A sua família é de origem galega que se fixou em Vilar de Nantes, freguesia do concelho deChaves e mais tarde terá ido para Coimbra e para Lisboa, lugares que reivindicam ser o local de seu nascimento. Frequentemente fala-se também em Alenquer, mas isto deve-se a uma má interpretação de um dos seus sonetos, onde Camões escreveu “[…] / Criou-me Portugal na verde e cara / pátria minha Alenquer […]”. Esta frase isolada e a escrita do soneto na primeira pessoa levam as pessoas a pensarem que é Camões a falar de si. Mas a leitura atenta e completa do soneto permite concluir que os factos aí presentes não se associam à vida de Camões. Camões escreveu o soneto como se fosse um indivíduo, provavelmente um conhecido seu, que já teria morrido com menos de 25 anos de idade, longe da pátria, tendo como sepultura o mar.

O pai de Camões foi Simão Vaz de Camões e sua mãe Ana de Sá e Macedo. Por via paterna, Camões seria trineto do trovador galego Vasco Pires de Camões, e por via materna, aparentado com o navegador Vasco da Gama.

Entre 1542 e 1545, viveu em Lisboa, trocando os estudos pelo ambiente da corte de D. João III, conquistando fama de poeta e feitio altivo.

Viveu algum tempo em Coimbra onde teria freqüentado o curso de Humanidades, talvez noMosteiro de Santa Cruz, onde tinha um tio padre, D. Bento de Camões. Não há registos da passagem do poeta por Coimbra. Em todo o caso, a cultura refinada dos seus escritos torna a única universidade de Portugal do tempo como o lugar mais provável de seus estudos.

Ligado à casa do Conde de Linhares, D. Francisco de Noronha, e talvez preceptor do filho D. António, segue para Ceuta em 1549 e por lá fica até 1551. Era uma aventura comum na carreira militar dos jovens, recordada na elegia Aquela que de amor descomedido. Num cerco, teve um dos olhos vazados por uma seta pela fúria rara de Marte. Ainda assim, manteve as suas potencialidades de combate.

De regresso a Lisboa, não tarda em retomar a vida boémia. São-lhe atribuídos vários amores, não só por damas da corte mas até pela própria irmã do Rei D. Manuel I. Teria caído em desgraça, a ponto de ser desterrado para Constância. Não há, porém, o menor fundamento documental de que tal fato tenha ocorrido. No dia de Corpus Christi de 1552 entra em rixa, e fere um certo Gonçalo Borges. Preso, é libertado por carta régia de perdão de 7 de Março de 1553, embarcando para aÍndia na armada de Fernão Álvares Cabral, a 24 desse mesmo mês.

Oriente

Armas do poeta em seu túmulo no Mosteiro dos Jerónimos.

Chegado a Goa, Camões toma parte na expedição do vice-rei D. Afonso de Noronha contra o rei de Chembe, conhecido como o “rei da pimenta“. A esta primeira expedição refere-se a elegia “O Poeta Simónides falando”. Depois Camões fixou-se em Goa onde escreveu grande parte da sua obra épica. Considerou a cidade como uma “madrasta de todos os homens honestos” e ali estudou os costumes de cristãos e hindus, e a geografia e a história locais. Tomou parte em mais expedições militares. Entre Fevereiro e Novembro de 1554 integrou a Armada de D. Fernando de Meneses, constituída por mais de 1000 homens e 30 embarcações, ao Golfo Pérsico, aí sentindo a amargura expressa na canção “Junto de um seco, fero e estéril monte”. No regresso foi nomeado “provedor-mor dos defuntos nas partes da China” pelo Governador Francisco Barreto, para quem escreveria o “Auto do Filodemo”.

Em 1556 partiu para Macau, onde continuou os seus escritos. Viveu numa gruta, hoje com o seu nome, e aí terá escrito boa parte d’Os Lusíadas. Naufragou na foz do rio Mekong, onde conservou de forma heróica o manuscrito da obra, então já adiantada (cf. Lus., X, 128). No desastre teria morrido a sua companheira chinesa Dinamene, celebrada em série de sonetos. É possível que datem igualmente dessa época ou tenham nascido dessa dolorosa experiência as redondilhas “Sôbolos rios”.

Regressou a Goa antes de Agosto de 1560 e pediu a protecção do Vice-rei D. Constantino de Bragança num longo poema em oitavas. Aprisionado por dívidas, dirigiu súplicas em verso ao novo Vice-rei, D. Francisco Coutinhoconde do Redondo, para ser liberto.

De regresso ao reino, em 1568 fez escala na ilha de Moçambique, onde, passados dois anos,Diogo do Couto o encontrou, como relata na sua obra, acrescentando que o poeta estava “tão pobre que vivia de amigos” (Década 8.ª da Ásia). Trabalhava então na revisão de Os Lusíadas e na composição de “um Parnaso de Luís de Camões, com poesia, filosofia e outras ciências“, obra roubada. Diogo do Couto pagou-lhe o resto da viagem até Lisboa, onde Camões aportou em 1570. Em 1580, em Lisboa, assistiu à partida do exército português para o norte de África.

Faleceu numa casa de Santana, em Lisboa, sendo enterrado numa campa rasa numa das igrejas das proximidades. Os seus restos encontram-se atualmente no Mosteiro dos Jerónimos.

Os Lusíadas e a obra lírica

Ver artigo principal: Os Lusíadas

Os Lusíadas é considerada a principal epopéia da época moderna devido à sua grandeza e universalidade. As realizações de Portugal desde o Infante D. Henrique até à união dinástica com Espanha em 1580 são um marco na História, marcando a transição da Idade Média para a Época Moderna. A epopeia narra a história de Vasco da Gama e dos heróis portugueses que navegaram em torno do Cabo da Boa Esperança e abriram uma nova rota para a Índia. É uma epopéia humanista, mesmo nas suas contradições, na associação da mitologia pagã à visão cristã, nos sentimentos opostos sobre a guerra e o império, no gosto do repouso e no desejo de aventura, na apreciação do prazer e nas exigências de uma visão heróica.

As armas e os barões assinalados
Que, da ocidental praia lusitana,
Por mares nunca de antes navegados
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados,
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo reino, que tanto sublimaram.
(…)
Cantando espalharei por toda a parte,
Se a tanto me ajudar o engenho e arte
CamõesLusíadas, Canto I.
 

A obra lírica de Camões foi publicada como “Rimas”, não havendo acordo entre os diferentes editores quanto ao número de sonetos escritos pelo poeta e quanto à autoria de algumas das peças líricas. Alguns dos seus sonetos, como o conhecido Amor é fogo que arde sem se ver, pela ousada utilização dos paradoxos, prenunciam o Barroco.

O estilo

É fácil reconhecer na obra poética de Camões dois estilos não só diferentes, mas talvez até opostos: um, o estilo das redondilhas e de alguns sonetos, na tradição do Cancioneiro Geral; outro, o estilo de inspiração latina ou italiana de muitos outros sonetos e das composições (h)endecassílabas maiores. Chamaremos aqui ao primeiro o estilo engenhoso, ao segundo o estilo clássico.

O estilo engenhoso, tal como já aparece no Cancioneiro Geral, manifesta-se sobretudo nas composições constituídas por mote e voltas. O poeta tinha que desenvolver um mote dado, e era na interpretação das palavras desse mote que revelava a sua subtileza e imaginação, exactamente como os pregadores medievais o faziam ao desenvolver a frase bíblica que servia de tema ao sermão. No desenvolvimento do mote havia uma preocupação de pseudo-rigor verbal, de exactidão vocabular, de modo que os engenhosos paradoxos e os entendimentos fantasistas das palavras parecessem sair de uma espécie de operação lógica.

As obras dele foram divididas em líricas e amorosas. Um exemplo das obras líricas foi Os Lusíadas, dividido em 10 cantos, exalta a conquista de Portugal na rota das índias.

Na era dos “telepresidentes”, política vira novela, e eleitor, audiência
Daniel Jelin – estadao.com.br
SÃO PAULO – No lugar do presidente, um entertainer. No lugar de eleitores, plateia. No lugar de políticas públicas, emoção. Para o pesquisador colombiano Omar Rincón, do Centro de Competência em Comunicação, líderes latino-americanos adotam a lógica da televisão e ameaçam a democracia com intermináveis batalhas por “audiência” e “novas temporadas”. São os “telepresidentes”, dos quais o venezuelano Hugo Chávez é o que mais chama atenção. Primeiro, está no ar há mais tempo: 10 anos. Depois, fez escola: hoje empresta seus modos – e eventualmente dólares – ao Equador de Correa, à Bolívia de Evo Morales, à Nicarágua de Daniel Ortega. Finalmente, Chávez chama atenção porque faz questão de chamar atenção: é de longe o mais agressivo entre os “telepresidentes”, e o mais radical, de que é exemplo a recente Lei de Educação, promulgada no dia 15 e agora objeto de disputa política e jurídica.

Não bastasse, Chávez é um excelente comunicador, e seu programa “Alô, Presidente”, um divertido hit de audiência. A avaliação é do pesquisador Ricardo Gualda, da Universidade Columbia, de Nova York, especialista em análise do discurso e na história recente da Venezuela. Gualda estudou dezenas de edições do “Alô, Presidente” e explica como um programa oficial que pode


VISCERAL

“Alô, Presidente” é um talk-show, basicamente. Mas Chávez vai muito além de doutrinar o espectador. Além da cantilena bolivariana – ou socialismo do século 21 -, Chávez canta, conta piada, recita poesia, dá aulas – temerárias – de geografia, história e até biologia. Faz longas digressões, até lembrar seu primeiro carro, sua primeira namorada, seu ingresso nos quartéis. Fala dos filhos, dança hip hop, narra jogos de vôlei, faz galanteios. Chávez é capaz até de narrar as aflições de um ataque de diarreia, em episódio quevirou hit no YouTube. “Ele cria esse ambiente de intimidade familiar, da amizade, do carinho, e isso é uma arma fundamental para sua credibilidade”, diz Gualda.

O que mais impressiona no sucesso do programa, com share até acima de 15%, é que Chávez é praticamente a única atração: não há quadros, quase não há intervalos e em geral há apenas dois números musicais, um abrindo, outro encerrando a maratona. Os temas se repetem à exaustão, e a única coisa que varia mesmo é o cenário, porque a cada semana o “Alô, Presidente” é transmitido de um lugar diferente, até do exterior.

Horas e horas no ar dão a Chávez a possibilidade de investir nas imagens que lhe convêm, explica Gualda: a do professor, a do militar e, principalmente, a do presidente que é do povo, ama o povo e governa para o povo. “Ele faz um simulacro do que é ser governo”, diz. “E governa ao vivo.” É assim que, no ar, Chávez nomeia comissões, inventa projetos, despacha com os ministros, cobra autoridades locais e, com especial deleite, ataca e desqualifica a oposição.

Por ser todo ao vivo, “Alô, Presidente” já expôs Chávez ao embaraço de ser cobrado e até desafiado publicamente. Expõe também, continuamente, seu jogo político. “Nada que vem do Chávez vem de surpresa”, diz Gualda. Como exemplo, o pesquisador cita o recente fechamento de 34 rádios. “Ele vinha anunciando isso faz tempo”, afirma. “Não há contradição. É uma política que tem tido continuidade ao longo de seu governo: ocupar espaço na mídia. E ocupar literalmente.” Seu próximo passo, apostam Gualda e outros observadores, é fechar a Globovisión, única rede de TV aberta que ainda faz oposição ao governo. “É o que ele tem ameaçado há meses.”


CANSAÇO

Chávez – e por extensão todos os presidentes que o emulam e que ele apoia – tem pela frente dois grandes desafios eleitorais. Entre 2010 e 2011 (a data ainda não foi definida), ocorrem as eleições para a Assembleia Nacional (o Legislativo na Venezuela é unicameral, ao contrário do Brasil, que tem Senado e Câmara). Atualmente, ela é praticamente toda chavista, uma vez que a oposição boicotou o último pleito. A estratégia, agora é claro, não funcionou e não será repetida. E em 2012, Chávez disputa um novo mandato presidencial.

“Existe uma boa possibilidade de ele não ser reeleito. Ele tem sofrido um desgaste muito grande”, avalia Gualda, ressalvando que, em se tratando da política venezuelana, nenhum cenário pode ser descartado. “A Venezuela é um país muito polarizado: tem passeata contra, tem passeata a favor, e isso já faz 10 anos”, conta. “As pessoas estão cansadas, e está cada vez mais difícil para o Chávez botar a culpa nas oligarquias, nos norte-americanos”.


PESQUISAS

Diferentes pesquisas de opinião têm captado esse desgaste. Conforme o instituto Hinterlaces, o índice de popularidade de Chávez caiu 11 pontos desde o referendo de fevereiro. Em termos de intenção de voto, Chávez despencou de 60% em 2006 para 38% em agosto de 2009, segundo enquete do grupo Keller y Asociados. Entre diversos fatores, o diretor do instituto, Alfredo Keller, aponta que há uma “leitura crescente de que Chávez se converte em um ditador” e um “repúdio às iniciativas contra as liberdades na educação, propriedade privada, nas eleições etc.”

Mas esse desgaste nas pesquisas está longe de ser uma sentença de morte no chavismo. Em 10 anos, sua popularidade oscilou tremendamente – até abaixo do que se vê em 2009. Keller enxerga um padrão: “Entre os períodos eleitorais, Chávez atua como um ditador, e isso não agrada – sua popularidade cai. Nas eleições, é muito generoso com o povo, distribui dinheiro público – por isso sua popularidade sobe”.


TELEPRESIDENTES

Na avaliação de Rincón, Chávez e demais “telepresidentes” são um fenômeno da história recente da América Latina com raízes no desencanto com certa tecnocracia liberal dos anos 90. A maioria deles é de esquerda – ao menos vagamente -, mas esta “democracia cínica” não conhece ideologia: para Rincón, o mais bem-sucedido dos “telepresidentes” não é o bolivariano Chávez, mas seu vizinho e antagonista, o colombiano Álvaro Uribe (“É im-pe-cá-vel”, afirma, escandindo as sílabas). São seguidos de perto, ainda na avaliação de Rincón, pelo equatoriano Rafael Correa, que, como Chávez e Uribe, também tem seu programa semanal de TV. “Três estilos, um mesmo modo de governo: todos eles são autoritários, missionários, charmosos, retóricos.”

Embora reconheça que estejam alguns graus abaixo, o pesquisador lista em seguida: o presidente boliviano Evo Morales (“com sua imagem de virtuoso construída sobre a identidade indígena”), o brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva (“com a imagem do trabalhador que vem de baixo”), o paraguaio Fernando Lugo (“o religioso”) e os que chama “maus imitadores”: a argentina Cristina Kirchner (“toda feita de roupas e arrogância”) e o mexicano Felipe Calderón (“que só pretende imitar Uribe”).


PRÓXIMA TEMPORADA

Para Rincón, a mesma lógica que rege um seriado explica o empenho com que tantos desses líderes batalham em favor de sua própria reeleição. “É como na televisão: quando um programa faz sucesso, acentuam-se os detalhes e programa-se uma nova temporada”, diz. “Isso reflete a estética da repetição, que promete um pouco mais: mais diversão, mais amor, mais milagres na próxima temporada… logo, mudar as leis, as regras do jogo e até os cenários é valido para manter a audiência”. O mesmo raciocínio pode explicar também as razões de um governo, eventualmente, sair do ar. “Os cidadãos/telespectadores estamos nos entediando”, acredita. “Podemos chegar a mudar de canal… por chatos, pobres e desinteressantes.”

durar até oito horas pode fazer sucesso na TV aberta. “É pura capacidade discursiva”, diz. “Ele entende bem a linguagem da televisão.”


Inédito – Fernando Pessoa

Publicado: agosto 27, 2009 por Yogi em Arts, Culture, Literature, Media, Nature, Philosophy, Tudo
Tags:
    Sossega, coração! Não desesperes!
    Talvez um dia, para além dos dias,
    Encontres o que queres porque o queres.
    Então, livre de falsas nostalgias,
    Atingirás a perfeição de seres.
    Mas pobre sonho o que só quer não tê-lo!
    Pobre esperença a de existir somente!
    Como quem passa a mão pelo cabelo
    E em si mesmo se sente diferente,
    Como faz mal ao sonho o concebê-lo!
    Sossega, coração, contudo! Dorme!
    O sossego não quer razão nem causa.
    Quer só a noite plácida e enorme,
    A grande, universal, solente pausa
    Antes que tudo em tudo se transforme.
    Fernando Pessoa, 2-8-1933.