Arquivo da categoria ‘History’

Ambrosia from wikipedia

Publicado: agosto 4, 2010 por Yogi em Culture, Epicurious, History, Philosophy, Tudo
This article is about the food or drink of the gods. For other uses, see Ambrosia (disambiguation).

In ancient Greek mythologyambrosia (Greek: ἀμβροσία) is sometimes the food, sometimes the drink, of the Greek gods (or demigods), often depicted as conferring ageless immortality upon whoever consumes it.[1] It was brought to the gods inOlympus by doves,[2] so it may have been thought of in the Homeric tradition as a kind of divine exhalation of the Earth.

Contents

Definition

For its Indian equivalent, see Amrita.

Ambrosia is very closely related to the gods’ other form of sustenance, nectar. The two terms may not have originally been distinguished;[3] though in Homer‘s poems nectar is usually the drink and ambrosia the food of the gods; it was with ambrosia Hera “cleansed all defilement from her lovely flesh”,[4] and with ambrosia Athena prepared Penelope in her sleep,[5] so that when she appeared for the final time before her suitors, the effect of the years had been stripped away and they were inflamed with passion at the sight of her. On the other hand, in Alcman,[6] nectar is the food, and in Sappho[7] and Anaxandrides, ambrosia is the drink.[8] When a character in Aristophanes‘ Knights says, “I dreamed the goddess poured ambrosia over your head— out of a ladle”, the homely and realistic ladle brings the ineffable moment to ground with a thump.

The consumption of ambrosia was typically reserved for divine beings. Upon his assumption into immortality on Olympus, Heracles is given ambrosia by Athena, while the hero Tydeus is denied the same thing when the goddess discovers him eating human brains. In one version of the myth of Tantalus, part of Tantalus’ crime is that after tasting ambrosia himself, he attempts to steal some away to give to other mortals.[9] Those who consume ambrosia typically had not blood in their veins, butichor.[10]

Both nectar and ambrosia are fragrant, and may be used as perfume: in the Odyssey Menelaus and his men are disguised as seals in untanned seal skins, “and the deadly smell of the seal skins vexed us sore; but the goddess saved us; she brought ambrosia and put it under our nostrils.”[11] Homer speaks of ambrosial raiment, ambrosial locks of hair, even the gods’ ambrosial sandals.

Among later writers, ambrosia has been so often used with generic meanings of “delightful liquid” that such late writers as AthenaeusPaulus and Dioscurides employ it as a technical terms in contexts of cookery,[12] medicine,[13] and botany.[14]

Additionally, some modern ethnomycologists, such as Danny Staples, identify ambrosia with the untameable hallucinogenic mushroom Amanita muscaria: “it was the food of the gods, their ambrosia, and nectar was the pressed sap of its juices”, Staples asserts.[15]

W. H. Roscher thinks that both nectar and ambrosia were kinds of honey, in which case their power of conferring immortality would be due to the supposed healing and cleansing power of honey, which is in fact anti-septic, and because fermented honey (mead) preceded wine as an entheogen in the Aegean world: on some Minoan seals goddesses had bee faces: compare Merope and Melissa.

Propolis, a hive product also known for its sweet fruity taste, cures sore throats, and there are many modern proprietary medicines which use honey as an ingredient.

Etymology

The concept of an immortality drink is attested in at least two Indo-European areas: Greek and Sanskrit. The Greek ἀμβροσία (ambrosia) is semantically linked to the Sanskrit अमृत (amrita) as both words denote a drink that gods use to achieve immortality. The two words may be derived from the same Indo-European form *ṇ-mṛ-to- : immortal (n- : negative prefix equivalent to the prefix a- in both Greek and Sanskrit; mṛ : zero grade of *mer- : to die; and -to- : adjectival suffix).

However, the connection that has derived ambrosia from the Greek prefix a- (“not”) and the word brotos (“mortal”), hence the food or drink of the immortals, has been found merely coincidental by some modern linguists.[16]

The classical scholar Arthur Woollgar Verrall denied that there is any clear example in which the word ambrosios necessarily means immortal, and preferred to explain it as “fragrant,” a sense which is always suitable. If so, the word may be derived from the Semitic MBR, giving “amber“, which when burned is resinously fragrant (compare “ambergris“) to which Eastern nations attribute miraculous properties. In Europe, honey-colored amber, sometimes far from its natural source, was already a grave gift in Neolithic times and was still worn in the 7th century as a talisman by druidic Frisians, though St. Eligius warned “No woman should presume to hang amber from her neck.”

Other examples in mythology

Thetis anoints Achilles with ambrosia

  • In one version of the story of the birth of AchillesThetis anoints the infant with ambrosia and passes the child through the fire to make him immortal—a familiar Phoenician custom—but Peleus, appalled, stops her, leaving only his heel unimmortalised (Argonautica 4.869-879).
  • In the Iliad xvi, Apollo washes the black blood from the corpse of Sarpedon and anoints it with ambrosia, readying it for its dreamlike return to Sarpedon’s native Lycia. Similarly, Thetis anoints the corpse of Patroclus in order to preserve it. Additionally, both ambrosia and nectar are depicted as unguents (xiv. 170; xix. 38).
  • In the OdysseyCalypso is described as having “spread a table with ambrosia and set it by Hermes, and mixed the rosy-red nectar.” It is ambiguous whether he means the ambrosia itself is rosy-red, or if he is describing a rosy-red nectar Hermes drinks along with the ambrosia. Later, Circe mentions to Odysseus[17] that a flock of doves are the bringers of ambrosia to Olympus.
  • In the Odyssey (ix.345–359), Polyphemus likens the wine given to him by Odysseus to ambrosia and nectar.
  • One of the impieties of Tantalus, according to Pindar, was that he offered to his guests the ambrosia of the Deathless Ones, a theft akin to that of PrometheusKarl Kerenyi noted (in Heroes of the Greeks).
  • In the Homeric hymn to Aphrodite, the goddess uses “ambrosian oil” as perfume, “divinely sweet, and made fragrant for her sake.”

Lykourgos of Thrace and Ambrosia

Further information: Lycurgus (Thrace)

Lykourgos (Lycurgus) of Thrace, an antagonist of Dionysus, forbade the cult of Dionysus, whom he drove from Thrace, and was driven mad by the god. In his fit of insanity he killed his son, whom he mistook for a stock of mature ivy, and Ambrosia, who was transformed into the grapevine.

See also

  • Ichor, blood of the Greek gods, related to ambrosia.
  • Amrita, of Hindu mythology, a drink which confers immortality on the gods, and a cognate of ambrosia
  • Elixir of life, a potion sought by alchemy to produce immortality.
Anúncios

Goetia

Publicado: novembro 29, 2009 por Yogi em Culture, History, Philosophy, Psy, Tudo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Goetia ou Ars Goetia refere-se a uma prática que inclui a invocaçãoevocação de demônios. Baseia-se na lenda judaico-cristã na qual o rei de Israel, Salomão fora agraciado pelos anjos com um sistema que lhe dava poder e controle sobre os principais demônios da Terra e consequentemente a todos os espíritos menores governados por eles. Desta forma, o rei salomão, e posteriormente seus discipulos, teria toda espécie de poderes sobrenaturais, como invisibilidade, sabedoria sobre-humana e visões do passado e futuro.

A Arte Goética, (Latin, provavelmente: “A Arte de Uivar”), geralmente chamado simplesmente de Goetia, é a ensinada na primeira parte das Clavículas de Salomão, um grimório doSéculo XVII. Este primeiro capítulo é conhecido como “Lemegeton Clavicula Salomonis” ou “A Chave Menor de Salomão” e nele são descritos todos os 72 Espíritos Infernais assim como todo o sistema que supostamente havia sido usado pelo rei Salomão.

Do UOL Notícias*
Em São Paulo

O etnólogo e antropólogo estruturalista Claude Lévi-Strauss morreu na noite de sábado para domingo (1º) aos 100 anos, de acordo com um porta-voz da Escola de Estudos Avançados em Ciências Sociais de Paris, na França. Ainda não há informações sobre a causa da morte do antropólogo. As informações são da editora Plon.Nascido em Bruxelas, na Bélgica, Lévi-Strauss foi um dos grandes pensadores do século 20. Ele, que completaria 101 anos no próximo dia 28, tornou-se conhecido na França, onde seus estudos foram fundamentais para o desenvolvimento da antropologia. Filho de um artista e membro de uma família judia francesa intelectual, estudou na Universidade de Paris.

De início, cursou leis e filosofia, mas descobriu na etnologia sua verdadeira paixão. No Brasil, lecionou sociologia na recém-fundada Universidade de São Paulo, de 1935 a 1939, e fez várias expedições ao Brasil central. É o registro dessas viagens, publicado no livro “Tristes Trópicos” (1955) que lhe trará a fama. Nessa obra ele conta como sua vocação de antropólogo nasceu durante as viagens ao interior do Brasil.

“Ele soube partir do empirismo para dialogar e colocar a antropologia em pé de igualdade com outras ciências humanas, como a filosofia. Lévi-Strauss é um autor fundamental”, afirma Renato Sztutman, professor do Departamento de Antropologia da USP e mestre e doutor em Antropologia Social na área de etnologia indígena.

Exilado nos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), Lévi-Strauss foi professor nesse país nos anos 1950. Na França, continuou sua carreira acadêmica, fazendo parte do círculo intelectual de Jean Paul Sartre (1905-1980), e assumiu, em 1959, o departamento de Antropologia Social no College de France, onde ficou até se aposentar, em 1982.

O estudioso jamais aceitou a visão histórica da civilização ocidental como privilegiada e única. Sempre enfatizou que a mente selvagem é igual à civilizada. Sua crença de que as características humanas são as mesmas em toda parte surgiu nas incontáveis viagens que fez ao Brasil e nas visitas a tribos de indígenas das Américas do Sul e do Norte.

O antropólogo passou mais da metade de sua vida estudando o comportamento dos índios americanos. O método usado por ele para estudar a organização social dessas tribos chama-se estruturalismo. “Estruturalismo”, diz Lévi-Strauss, “é a procura por harmonias inovadoras”.

A corrente estruturalista da antropologia, da qual Lévi-Strauss é o principal teórico, surgiu na década de 40 com uma proposta diferente da antropologia de viés funcionalista, predominante até então. “O funcionalismo se preocupava com o funcionamento de cada sociedade e em saber como as coisas existiam na sua função social. O estruturalismo queria saber do trabalho intelectual. Olhar para os povos indígenas e buscar uma racionalidade e uma reflexão propriamente nativa”, diz Sztutman.

Suas pesquisas, iniciadas a partir de premissas linguísticas, deram à ciência contemporânea a teoria de como a mente humana trabalha. O indivíduo passa do estado natural ao cultural enquanto usa a linguagem, aprende a cozinhar, produz objetos etc. Nessa passagem, o homem obedece a leis que ele não criou: elas pertencem a um mecanismo do cérebro. Escreveu, em “O Pensamento Selvagem”, que a língua é uma razão que tem suas razões – e estas são desconhecidas pelo ser humano.

“Ele abriu um caminho para pensar a filosofia indígena, valorizar o lado intelectual dos povos estudados, e não ficar naquela coisa ‘nós (ocidentais) temos uma grande teoria e eles não’. Lévi-Strauss abriu caminho para valorizar o aspecto intelectual de outras populações”, acrescenta Sztutman.

Lévi-Strauss não via o ser humano como um habitante privilegiado do universo, mas como uma espécie passageira que deixará apenas alguns traços de sua existência quando estiver extinta.

Membro da Academia de Ciências Francesa (1973), integrou também muitas academias científicas, em especial européias e norte-americanas. Também é doutor honoris causa das universidades de Bruxelas, Oxford, Chicago, Stirling, Upsala, Montréal, México, Québec, Zaïre, Visva Bharati, Yale, Harvard, Johns Hopkins e Columbia, entre outras.

Aos 97 anos, em 2005, recebeu o 17o Prêmio Internacional Catalunha, na Espanha. Declarou na ocasião: “Fico emocionado porque estou na idade em que não se recebem nem se dão prêmios, pois sou muito velho para fazer parte de um corpo de jurados. Meu único desejo é um pouco mais de respeito para o mundo, que começou sem o ser humano e vai terminar sem ele – isso é algo que sempre deveríamos ter presente”.

*Com informações do UOL Educação


Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Parte 2/3

Parte 3/3

Fairtrade – the new gold standard

Publicado: setembro 25, 2009 por Yogi em Capital, History, Politics, Tudo

Ethical foundation targets precious metal industry to ensure fair pay for miners

By Martin Hickman Consumer affairs correspondent

We have had bananas, coffee, and tea but now the latest Fairtrade product is ethical gold. Gold miners have jobs that are among the most arduous in the world. They spend long hours underground with little or no safety equipment, working with poisons such as cyanide and hewing the precious metal out of the ground for wealthy Westerners.

Some of the 20 million artisanal, or self-employed, miners earn less than $1 (70p) a day so the foundation is backing a plan to sell gold from South American miners who are trying to improve their lives.

Until now Fairtrade has concentrated on farming, having its roots in subsistence coffee producers, but the “trade not aid” movement is trying to move into new areas such as fishing and, now, mining. In December, the Fairtrade Labelling Organisation in Bonn, the international body which oversees the global movement, approved plans to back the sale of Fairtrade gold from small-scale miners by the end of the year.

Pilot studies are now taking place with about 1,000 artisanal miners in four countries – Colombia, Peru, Bolivia and Ecuador – with the intention of putting licensed gold on sale in Britain early next year.

Most would be used in jewellery, which accounts for 77 per cent of Britain’s £820m-a-year gold imports.

Fairtrade gold could ease the conscience of some jewellery buyers who are concerned about the treatment of miners because of the reputation of precious metals, and preciousstones, for fuelling conflicts in developing countries.

Harriet Lamb, executive director of the Fairtrade Foundation, the British wing of the global movement, said: “About 100 million people worldwide work in the gold industry but what’s absolutely shocking is that this iconic commodity symbolises wealth and yet the lives of the miners are shockingly bad. It was actually the miners who came knocking on the door of Fairtrade saying, ‘We’ve seen what you’re doing. We’ve seen that you’re able to add value to the product and talk directly to the public’.”

The Fairtrade Foundation has developed the project with ARM, the Alliance for Responsible Mining, which aims to improve the returns for miners as well as reducing the use of mercury and cyanide to extract gold from ore.

Gold joins more than 3,000 certified Fairtrade products, whose producers are guaranteed a minimum price for their commodities as well as an improvement premium, typically for building classrooms or funding health advice.

Fairtrade sales in the UK rose by 43 per cent to £700m last year, despite the credit crunch, which has reduced sales of other “ethical” products such as organic food. It makes Britain the most successful Fairtrade country, with about one third of worldwide sales. Ian Bretman, vice-chairman of the international body, credited Ms Lamb with much of the UK movement’s success since she has managed to get Fairtrade goods into British supermarkets.

David Clayton-Smith: A lifeline in difficult times

When Fairtrade was approached by miners in South America seeking certification for their gold, it became clear we could get a more sustainable price for their product and help their communities.

We are delighted to welcome new products into the Fairtrade system, because they increase the reach and scale of our work.

In Britain, we have seen tremendous growth in commitment to Fairtrade because customers increasingly appreciate that buying Fairtrade directly improves the lives of producers.

At the heart of the movement are the democratically elected co-operatives that decide how best to improve their productivity and how to spend the “premium” – the extra payment sent back to communities.

The premium is essential in unpredictable times, allowing villages to continue investing in projects such as schools and health care, improving their businesses, or addressing food security.

Times are desperate for many small producers, with costs rising while the prices they get for their produce barely cover their costs.

David Clayton-Smith is chairman of the Fairtrade Foundation

Luís Vaz de Camões

Publicado: setembro 15, 2009 por Yogi em Arts, Culture, History, Literature, Media, Philosophy, Poetry, Tudo
Tags:,

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Nota: Se procura outros significados de “Camões”, consulte .


Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
Nascimento por volta de 1524
em local desconhecido
Morte 10 de junho de 1580
LisboaPortugal
Nacionalidade Português
Ocupação Poeta
Escola/tradição Classicismo

Monumento ao poeta na Praça Luís de Camões, noBairro Alto, em Lisboa.

Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 10 de Junho de 1580) é frequentemente considerado como o maior poeta de língua portuguesa e dos maiores da Humanidade. O seu génio é comparável ao deVirgílioDanteCervantes ou Shakespeare; das suas obras, a epopéia Os Lusíadas é a mais significativa.

Índice

 [esconder]

Origens e juventude

Túmulo do poeta no Mosteiro dos Jerónimos.

Desconhece-se a data e o local onde terá nascido Camões. Admite-se que nasceu entre 1517 e1525. A sua família é de origem galega que se fixou em Vilar de Nantes, freguesia do concelho deChaves e mais tarde terá ido para Coimbra e para Lisboa, lugares que reivindicam ser o local de seu nascimento. Frequentemente fala-se também em Alenquer, mas isto deve-se a uma má interpretação de um dos seus sonetos, onde Camões escreveu “[…] / Criou-me Portugal na verde e cara / pátria minha Alenquer […]”. Esta frase isolada e a escrita do soneto na primeira pessoa levam as pessoas a pensarem que é Camões a falar de si. Mas a leitura atenta e completa do soneto permite concluir que os factos aí presentes não se associam à vida de Camões. Camões escreveu o soneto como se fosse um indivíduo, provavelmente um conhecido seu, que já teria morrido com menos de 25 anos de idade, longe da pátria, tendo como sepultura o mar.

O pai de Camões foi Simão Vaz de Camões e sua mãe Ana de Sá e Macedo. Por via paterna, Camões seria trineto do trovador galego Vasco Pires de Camões, e por via materna, aparentado com o navegador Vasco da Gama.

Entre 1542 e 1545, viveu em Lisboa, trocando os estudos pelo ambiente da corte de D. João III, conquistando fama de poeta e feitio altivo.

Viveu algum tempo em Coimbra onde teria freqüentado o curso de Humanidades, talvez noMosteiro de Santa Cruz, onde tinha um tio padre, D. Bento de Camões. Não há registos da passagem do poeta por Coimbra. Em todo o caso, a cultura refinada dos seus escritos torna a única universidade de Portugal do tempo como o lugar mais provável de seus estudos.

Ligado à casa do Conde de Linhares, D. Francisco de Noronha, e talvez preceptor do filho D. António, segue para Ceuta em 1549 e por lá fica até 1551. Era uma aventura comum na carreira militar dos jovens, recordada na elegia Aquela que de amor descomedido. Num cerco, teve um dos olhos vazados por uma seta pela fúria rara de Marte. Ainda assim, manteve as suas potencialidades de combate.

De regresso a Lisboa, não tarda em retomar a vida boémia. São-lhe atribuídos vários amores, não só por damas da corte mas até pela própria irmã do Rei D. Manuel I. Teria caído em desgraça, a ponto de ser desterrado para Constância. Não há, porém, o menor fundamento documental de que tal fato tenha ocorrido. No dia de Corpus Christi de 1552 entra em rixa, e fere um certo Gonçalo Borges. Preso, é libertado por carta régia de perdão de 7 de Março de 1553, embarcando para aÍndia na armada de Fernão Álvares Cabral, a 24 desse mesmo mês.

Oriente

Armas do poeta em seu túmulo no Mosteiro dos Jerónimos.

Chegado a Goa, Camões toma parte na expedição do vice-rei D. Afonso de Noronha contra o rei de Chembe, conhecido como o “rei da pimenta“. A esta primeira expedição refere-se a elegia “O Poeta Simónides falando”. Depois Camões fixou-se em Goa onde escreveu grande parte da sua obra épica. Considerou a cidade como uma “madrasta de todos os homens honestos” e ali estudou os costumes de cristãos e hindus, e a geografia e a história locais. Tomou parte em mais expedições militares. Entre Fevereiro e Novembro de 1554 integrou a Armada de D. Fernando de Meneses, constituída por mais de 1000 homens e 30 embarcações, ao Golfo Pérsico, aí sentindo a amargura expressa na canção “Junto de um seco, fero e estéril monte”. No regresso foi nomeado “provedor-mor dos defuntos nas partes da China” pelo Governador Francisco Barreto, para quem escreveria o “Auto do Filodemo”.

Em 1556 partiu para Macau, onde continuou os seus escritos. Viveu numa gruta, hoje com o seu nome, e aí terá escrito boa parte d’Os Lusíadas. Naufragou na foz do rio Mekong, onde conservou de forma heróica o manuscrito da obra, então já adiantada (cf. Lus., X, 128). No desastre teria morrido a sua companheira chinesa Dinamene, celebrada em série de sonetos. É possível que datem igualmente dessa época ou tenham nascido dessa dolorosa experiência as redondilhas “Sôbolos rios”.

Regressou a Goa antes de Agosto de 1560 e pediu a protecção do Vice-rei D. Constantino de Bragança num longo poema em oitavas. Aprisionado por dívidas, dirigiu súplicas em verso ao novo Vice-rei, D. Francisco Coutinhoconde do Redondo, para ser liberto.

De regresso ao reino, em 1568 fez escala na ilha de Moçambique, onde, passados dois anos,Diogo do Couto o encontrou, como relata na sua obra, acrescentando que o poeta estava “tão pobre que vivia de amigos” (Década 8.ª da Ásia). Trabalhava então na revisão de Os Lusíadas e na composição de “um Parnaso de Luís de Camões, com poesia, filosofia e outras ciências“, obra roubada. Diogo do Couto pagou-lhe o resto da viagem até Lisboa, onde Camões aportou em 1570. Em 1580, em Lisboa, assistiu à partida do exército português para o norte de África.

Faleceu numa casa de Santana, em Lisboa, sendo enterrado numa campa rasa numa das igrejas das proximidades. Os seus restos encontram-se atualmente no Mosteiro dos Jerónimos.

Os Lusíadas e a obra lírica

Ver artigo principal: Os Lusíadas

Os Lusíadas é considerada a principal epopéia da época moderna devido à sua grandeza e universalidade. As realizações de Portugal desde o Infante D. Henrique até à união dinástica com Espanha em 1580 são um marco na História, marcando a transição da Idade Média para a Época Moderna. A epopeia narra a história de Vasco da Gama e dos heróis portugueses que navegaram em torno do Cabo da Boa Esperança e abriram uma nova rota para a Índia. É uma epopéia humanista, mesmo nas suas contradições, na associação da mitologia pagã à visão cristã, nos sentimentos opostos sobre a guerra e o império, no gosto do repouso e no desejo de aventura, na apreciação do prazer e nas exigências de uma visão heróica.

As armas e os barões assinalados
Que, da ocidental praia lusitana,
Por mares nunca de antes navegados
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados,
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo reino, que tanto sublimaram.
(…)
Cantando espalharei por toda a parte,
Se a tanto me ajudar o engenho e arte
CamõesLusíadas, Canto I.
 

A obra lírica de Camões foi publicada como “Rimas”, não havendo acordo entre os diferentes editores quanto ao número de sonetos escritos pelo poeta e quanto à autoria de algumas das peças líricas. Alguns dos seus sonetos, como o conhecido Amor é fogo que arde sem se ver, pela ousada utilização dos paradoxos, prenunciam o Barroco.

O estilo

É fácil reconhecer na obra poética de Camões dois estilos não só diferentes, mas talvez até opostos: um, o estilo das redondilhas e de alguns sonetos, na tradição do Cancioneiro Geral; outro, o estilo de inspiração latina ou italiana de muitos outros sonetos e das composições (h)endecassílabas maiores. Chamaremos aqui ao primeiro o estilo engenhoso, ao segundo o estilo clássico.

O estilo engenhoso, tal como já aparece no Cancioneiro Geral, manifesta-se sobretudo nas composições constituídas por mote e voltas. O poeta tinha que desenvolver um mote dado, e era na interpretação das palavras desse mote que revelava a sua subtileza e imaginação, exactamente como os pregadores medievais o faziam ao desenvolver a frase bíblica que servia de tema ao sermão. No desenvolvimento do mote havia uma preocupação de pseudo-rigor verbal, de exactidão vocabular, de modo que os engenhosos paradoxos e os entendimentos fantasistas das palavras parecessem sair de uma espécie de operação lógica.

As obras dele foram divididas em líricas e amorosas. Um exemplo das obras líricas foi Os Lusíadas, dividido em 10 cantos, exalta a conquista de Portugal na rota das índias.

Uma boa introdução a fisica quântica, ou a física das possibilidades: finda-se o ciclo do materialismo, do realismo ciêntifico, a ficção cada vez mais responde pela realidade.
Quais as possibilidades no infinito?
Pegadinhas do 3o.milênio, poderiamos chamar de início de uma nova era, mas cairíamos na chacota do absolutismo temporal.
Se somos feitos de energia o que nos materializa senão nossos pensamentos e o que mais imaterial que o próprio pensar?
Sei que mais fácil é perguntar, o saber não me cabe.

P.Bala