Arquivo da categoria ‘Capital’

Stuxnet

Publicado: novembro 29, 2010 por Yogi em Capital, International, Politics, Science, Tech, Tudo
Tags:, , , , , ,
From Wikipedia, the free encyclopedia

Stuxnet is a Windows-specific computer worm first discovered in June 2010 by VirusBlokAda, a security firm based in Belarus. It is the first discovered worm that spies on and reprograms industrial systems,[1] the first to include a programmable logic controller (PLC) rootkit,[2] and the first to target critical industrial infrastructure.[3] It was specifically written to attack Supervisory Control And Data Acquisition (SCADA) systems used to control and monitor industrial processes.[4] Stuxnet includes the capability to reprogram the PLCs and hide its changes.[5]

The worm’s probable target has been said to have been high value infrastructures in Iran using Siemens control systems.[6][7] According to news reports the infestation by this worm might have damaged Iran’snuclear facilities in Natanz[8][9] and eventually delayed the start up of Iran’s Bushehr Nuclear Power Plant.[10] Siemens has stated, however, that the worm has not in fact caused any damage.[11]

Russian digital security company Kaspersky Labs released a statement that described Stuxnet as “a working and fearsome prototype of a cyber-weapon that will lead to the creation of a new arms race in the world.” Kevin Hogan, Senior Director of Security Response at Symantec, noted that 60% of the infected computers worldwide were in Iran, suggesting its industrial plants were the target.[12] Kaspersky Labs concluded that the attacks could only have been conducted “with nation-state support”, making Iran the first target of real cyberwarfare.[13][14][15]

Contents

 [hide]

[edit]History

The worm was first reported by the security company VirusBlokAda in mid-June 2010, and roots of it have been traced back to June 2009.[5] It contains a component with a build time stamp from 3 February 2010.[16]

In the United Kingdom on 25 November 2010, Sky News announced that it had received information that the Stuxnet worm, or a variation of the virus, had been traded on the black market. Sky News stated that the virus had possibly been traded to a criminal gang or terrorist group and that such a virus was a “tier 1” threat to national security.[17]

[edit]Affected countries

A study of the spread of Stuxnet by Symantec showed that the main affected countries as of August 6, 2010 were:[18]

Country Infected computers
China 6,000,000 (unconfirmed)[19] (October 1)
Iran 62,867
Indonesia 13,336
India 6,552
United States 2,913
Australia 2,436
United Kingdom 1,038
Malaysia 1,013
Pakistan 993
Finland 7[20]
Germany 5[21] (September)

[edit]Operation

Stuxnet attacks Windows systems using four zero-day attacks (plus the CPLINK vulnerability and a vulnerability used by the Conficker worm) and targets systems using Siemens‘ WinCC/PCS 7 SCADA software. It is initially spread using infected USB flash drives and then uses other exploits to infect other WinCC computers in the network. Once inside the system it uses the default passwords to command the software.[5]Siemens advises immediately upgrading password access codes.”[22]

Stuxnet requires specific variable-frequency drives (frequency converter drives) on the system. It only attacks systems with variable-frequency drives from two specific vendors: Vacon based in Finland and Fararo Payabased in Iran.[23] It monitors the frequency and only attacks systems that run between 807Hz and 1210Hz which is very high and only used in particular industrial applications. Stuxnet then modifies the output frequency for a short interval of time to 1410Hz and then to 2Hz and then to 1064Hz and thus affects the operation of the connected motors.[24]

The complexity of the software is very unusual for malware. The attack requires knowledge of industrial processes and an interest in attacking industrial infrastructure.[1][5] The number of used zero-day Windows exploits is also unusual, as zero-day Windows exploits are valued, and crackers do not normally waste the use of four different ones in the same worm.[6] Stuxnet is unusually large at half a megabyte in size,[25]and written in different programming languages (including C and C++) which is also irregular for malware.[1][5] It is digitally signed with two authentic certificates which were stolen[25] from two certification authorities (JMicron and Realtek) which helped it remain undetected for a relatively long period of time.[26] It also has the capability to upgrade via peer to peer, allowing it to be updated after the initial command and control server was disabled.[25][27] These capabilities would have required a team of people to program, as well as check that the malware would not crash the PLCs. Eric Byres, who has years of experience maintaining and troubleshooting Siemens systems, told Wired that writing the code would have taken many man-months, if not years.[25]

A Siemens spokesperson said that the worm was found on 15 systems with five of the infected systems being process manufacturing plants in Germany. Siemens claims that no active infections have been found and there were no reports of damages caused by the worm.[21] Jeffrey Carr raised the possibility that the Stuxnet took India’s INSAT-4B Satellite out of action, making it effectively dead.[28] However, ISRO has provisionally ruled out the possibility of Stuxnet attack, and awaits further details from Carr’s presentation on the topic.[29]

[edit]Removal

Siemens has released a detection and removal tool for Stuxnet. Siemens recommends contacting customer support if an infection is detected and advises installing the Microsoft patch for vulnerabilities and prohibiting the use of third-party USB flash drives.[30]

The worm’s ability to reprogram external programmable logic controllers (PLCs) may complicate the removal procedure. Symantec’s Liam O’Murchu warns that fixing Windows systems may not completely solve the infection; a thorough audit of PLCs is recommended. In addition, it has been speculated that incorrect removal of the worm could cause a significant amount of damage.[31]

[edit]Prevention

Prevention of control system security incidents,[32] such as from viral infections like Stuxnet, is a topic that is being addressed in both the public and the private sector. The U.S. Department of Homeland Security (DHS) National Cyber Security Division’s operates the Control System Security Program (CSSP).[33] The program operates a specialized Computer Emergency Response Team (ICS-CERT), conducts a biannual conference (ICSJWG), provides training, publishes recommended practices, and provides a self-assessment tool. Several industry organizations[34][35] and professional societies[36][37] have published standards and best practice guidelines providing direction and guidance for control system end-users on how to establish a Control System Security management program. The basic premise that all of these documents share is that prevention requires a multi-layered approach, often referred to as “defense-in-depth”. The layers include policies & procedures, awareness & training, network segmentation, access control measures, physical security measures, system hardening, e.g., patch management, and system monitoring e.g., anti-virus, IDS, etc. The standards and best practices also all recommend starting with a risk analysis and a control system security assessment.[38] The purpose is to assess the current level of risk and the size of the gap between that risk and what is tolerable. The other purpose of an assessment is to identify the vulnerabilities and develop a prioritized program to eliminate or minimize them.

In response to these concerns, Cyber security standards and certifications programs such as ISA 99 and SASecure have been developed to evaluate and certify the security of industrial automation products.

Automation, SCADA and Control System developers often use off-the-shelf equipment, software and protocols, integrating and configuring these in different ways for a variety of applications. This ‘common’ approach can make it easier for malware to bring down some vulnerable systems. However, proprietary Automation, SCADA and Control System developers, eg. Infinitronix and others, are able to provide a completely ‘bespoke’ solution, using new protocols and HW/SW/FW solutions yet unknown to developers of malware.

[edit]Speculations about the target and origin

Alan Bentley of security firm Lumension has said that Stuxnet is “the most refined piece of malware ever discovered … mischief or financial reward wasn’t its purpose, it was aimed right at the heart of a critical infrastructure”. Symantec estimates that the group developing Stuxnet would have been well-funded, consisting of five to ten people, and would have taken six months to prepare.[39] The Guardian, the BBC and The New York Times all reported that experts studying Stuxnet considered that the complexity of the code indicates that only a nation state would have the capabilities to produce it.[6][39][40]

Israel, perhaps through Unit 8200,[41] has been speculated to be the country behind Stuxnet in many of the media reports[39][42][43] and by experts such as Richard Falkenrath, former Senior Director for Policy and Plans within the Office of Homeland Security.[44] Some have also referred to several clues in the code such as a concealed reference to the word “MYRTUS”, believed to refer to the Myrtle tree, or Hadassah in Hebrew. Hadassah was the birth name of the former Jewish queen of Persia, Queen Esther.[45][46] However, it may be that the “MYRTUS” reference is simply a misinterpreted reference to SCADA components known as RTUs (Remote Terminal Units) and that this reference is actually “My RTUs” — a management feature of SCADA.[47] Also, the number 19790509 appears once in the code and might refer to the date “1979 May 09”, the day Habib Elghanian, a Persian Jew, was executed in Tehran.[48][49][50] According to the New York Times a former member of the United States intelligence community speculated that the attack may have been the work of Unit 8200.[51] Yossi Melman, who covers intelligence for the Israeli daily newspaper Haaretz and is at work on a book about Israeli intelligence, also suspected that Israel was involved. He noted that Meir Dagan, head of the national intelligence agency Mossad, had his term extended in 2009 because he was said to be involved in important projects. Additionally, in the past year Israeli estimates of when Iran will have a nuclear weapon had been extended to 2014. “They seem to know something, that they have more time than originally thought”, he added.[8]

Additionally, in 2009, a year before Stuxnet was discovered, Scott Borg of the United States Cyber-Consequences Unit had suggested that Israel might prefer to mount a cyber-attack rather than a military strike on Iran’s nuclear facilities.[52] According to Borg this kind of attack could involve disrupting sensitive equipment such as centrifuges using malware introduced via infected memory sticks: “Since the autumn of 2002, I have regularly predicted that this sort of cyber-attack tool would eventually be developed … Israel certainly has the ability to create Stuxnet and there is little downside to such an attack, because it would be virtually impossible to prove who did it. So a tool like Stuxnet is Israel’s obvious weapon of choice.”[53] There has also been speculation on the involvement of NATO, the United States and other Western nations.[54] It has been reported that the United States, under one of its most secret programs, initiated by the Bush administration and accelerated by the Obama administration, has sought to destroy Iran’s nuclear program by novel methods such as undermining Iranian computer systems.[55] However, solid evidence pointing to Western (and specifically American) involvement has been scarce.

Though Israel has not publicly commented on the Stuxnet attack, it has since confirmed that cyberwarfare is now among the pillars of its defense doctrine, with a military intelligence unit set up to pursue both defensive and offensive options.[56][57]

Symantec claims that the majority of infected systems were in Iran (about 60%),[58] which has led to speculation that it may have been deliberately targeting “high-value infrastructure” in Iran[6] including either theBushehr Nuclear Power Plant or the Natanz nuclear facility.[25] Ralph Langner, a German cyber-security researcher, called the malware “a one-shot weapon” and said that the intended target was probably hit,[59]although he admitted this was speculation.[25]

There are reports that Iran’s uranium enrichment facility at the Natanz facility was the target of Stuxnet and the site sustained damage because of it causing a sudden 15% reduction in its production capabilities. There was also a previous report by wikileaks disclosing a “serious nuclear accident” at the site in 2009.[9][43][60][61][62][63] According to statistics published by the Federation of American Scientists (FAS) the number of enriched centrifuges operational in Iran mysteriously declined from about 4,700 to about 3,900 beginning around the time the nuclear incident WikiLeaks mentioned would have occurred.[64] On November 23 it was announced that due to a series of major technical problems in Natanz Iran had to temporarily cease its uranium production altogether.[65] [66]

The name is derived from some keywords discovered in the software.[53] The whole Stuxnet code has not yet been decrypted, but among its peculiar capabilities is a fingerprinting technology which allows it to precisely identify the systems it infects. It appears to be looking for a particular system to destroy at a specific time and place. Once it has infected a system it performs a check every 5 seconds to determine if its parameters for launching an attack are met. The worm appears programmed to cause a catastrophic physical failure; early speculation on methods had included overriding turbine RPM limits, shutting down lubrication or cooling systems, or sabotaging the high-speed spinning process of centrifuge arrays at Iran’s Natanz nuclear facility;[59][67] in November 2010, according to The New York Times, experts at Symantec found that the worm speeds up rotation rates for the accelerators to the point where they break.[68] The complex code of Stuxnet looks for a very particular type of system and controller, namely frequency converters made by the Iranian company Fararo Paya and the Finnish company Vacon.[68][69][70]

[edit]Iranian reaction

The Associated Press reported that the semi-official Iranian Students News Agency released a statement on 24 September 2010 stating that experts from the Atomic Energy Organization of Iran met in the previous week to discuss how Stuxnet could be removed from their systems.[4] Western intelligence agencies have been attempting to sabotage the Iranian nuclear program for some time, according to analysts.[71][72]

The head of the Bushehr Nuclear Power Plant told Reuters that only the personal computers of staff at the plant had been infected by Stuxnet and the state-run newspaper Iran Daily quoted Reza Taghipour, Iran’s telecommunications minister, as saying that it had not caused “serious damage to government systems”.[40] Director of Information Technology Council at the Iranian Ministry of Industries and Mines, Mahmud Liaii has said that: “An electronic war has been launched against Iran… This computer worm is designed to transfer data about production lines from our industrial plants to locations outside Iran.”[73]

It is believed that infection had originated from Russian laptops belonging to Russian contractors at the site of Bushehr power plant and spreading from there with the aim of targeting the power plant control systems.[74][75][76] In response to the infection, Iran has assembled a team to combat it. With more than 30,000 IP addresses affected in Iran, an official has said that the infection is fast spreading in Iran and the problem has been compounded by the ability of Stuxnet to mutate. Iran has set up its own systems to clean up infections and has advised against using the Siemens SCADA antivirus since it is suspected that the antivirus is actually embedded with codes which update Stuxnet instead of eradicating it.[77][78][79][80]

According to Hamid Alipour, deputy head of Iran’s government Information Technology Company, “The attack is still ongoing and new versions of this virus are spreading.” He reports that his company had begun the cleanup process at Iran’s “sensitive centres and organizations.”[78] “We had anticipated that we could root out the virus within one to two months, but the virus is not stable, and since we started the cleanup process three new versions of it have been spreading,” he told the Islamic Republic News Agency.[80]

Carmen Lira Saade
 
Periódico La Jornada
Lunes 30 de agosto de 2010, p. 2

– “Hay que persuadir a Obama de que evite la guera nuclear”

– “No quiero estar ausente en estos días. El mundo está en la fase más interesante y peligrosa de su existencia y yo estoy bastante comprometido con lo que vaya a pasar. Tengo cosas que hacer todavía”

La Habana. Estuvo cuatro años debatiéndose entre la vida y la muerte. En un entrar y salir del quirófano, entubado, recibiendo alimentos a través de venas y catéteres y con pérdidas frecuentes del conocimiento…

Mi enfermedad no es ningún secreto de Estado, habría dicho poco antes de que ésta hiciera crisis y lo obligara ahacer lo que tenía que hacer: delegar sus funciones como presidente del Consejo de Estado y, consecuentemente, como comandante en jefe de las fuerzas armadas de Cuba.

No puedo seguir más, admitió entonces –según revela en ésta su primera entrevista con un medio impreso extranjero desde entonces–. Hizo el traspaso del mando, y se entregó a los médicos.

La conmoción sacudió a la nación entera, a los amigos de otras partes; hizo abrigar esperanzas revanchistas a sus detractores, y puso en estado de alerta al poderoso vecino del norte. Era el 31 de julio de 2006 cuando dio a conocer, de manera oficial, la carta de renuncia del máximo líder de la Revolución cubana.

Lo que no consiguió en 50 años su enemigo más feroz (bloqueos, guerras, atentados ) lo alcanzó una enfermedad sobre la que nadie sabía nada y se especulaba todo. Una enfermedad que al régimen, lo aceptara o no, iba a convertírsele en secreto de Estado.

(Pienso en Raúl, en el Raúl Castro de aquellos momentos. No era sólo el paquete que le habían confiado casi de buenas a primeras, aunque estuviera acordado de siempre; era la delicada salud de su compañera Vilma Espín –quien poco después fallecería víctima de cáncer–, y la muy probable desaparición de su hermano mayor y jefe único en lo militar, en lo político, en lo familiar.)

Hoy hace 40 días Fidel Castro reapareció en público de manera definitiva, al menos sin peligro aparente de recaída. En un clima distendido y cuando todo hace pensar que la tormenta ha pasado, el hombre más importante de la Revolución cubana luce rozagante y vital, aunque no domine del todo los movimientos de sus piernas.

Durante alrededor de cinco horas que duró la charla-entrevista –incluido el almuerzo– con La Jornada, Fidel aborda los más diversos temas, aunque se obsesione con algunos en particular. Permite que se le pregunte de todo –aunque el que más interrogue sea él– y repasa por primera vez y con dolorosa franqueza algunos momentos de la crisis de salud que sufrió los pasados cuatro años.

Llegué a estar muerto, revela con una tranquilidad pasmosa. No menciona por su nombre la divertículis que padeció ni se refiere a las hemorragias que llevaron a los especialistas de su equipo médico a intervenirlo en varias o muchas ocasiones, con riesgo de perder la vida en cada una.

Pero en lo que sí se explaya es en el relato del sufrimiento vivido. Y no muestra inhibición alguna en calificar la dolorosa etapa como un calvario.

Yo ya no aspiraba a vivir, ni mucho menos… Me pregunté varias veces si esa gente (sus médicos) iban a dejarme vivir en esas condiciones o me iban a permitir morir… Luego sobreviví, pero en muy malas condiciones físicas. Llegué a pesar cincuenta y pico de kilogramos.

Sesenta y seis kilogramos, precisa Dalia, su inseparable compañera que asiste a la charla. Sólo ella, dos de sus médicos y otros dos de sus más cercanos colaboradores están presentes.

–Imagínate: un tipo de mi estatura pesando 66 kilos. Hoy alcanzo ya entre 85 y 86 kilos, y esta mañana logré dar 600 pasos solo, sin bastón, sin ayuda.

Quiero decirte que estás ante una especie de re-su-ci-ta-do, subraya con cierto orgullo. Sabe que además del magnífico equipo médico que lo asistió en todos estos años, con el que se puso a prueba la calidad de la medicina cubana, ha contado su voluntad y esa disciplina de acero que se impone siempre que se empeña en algo.

–No cometo nunca la más mínima violación –asegura–. De más está decir que me he vuelto médico con la cooperación de los médicos. Con ellos discuto, pregunto (pregunta mucho), aprendo (y obedece)…

Conoce muy bien las razones de sus accidentes y caídas, aunque insiste en que no necesariamente unas llevan a las otras. La primera vez fue porque no hice el calentamiento debido, antes de jugar basquetbol. Luego vino lo de Santa Clara: Fidel bajaba de la estatua del Che, donde había presidido un homenaje, y cayó de cabeza. Ahí influyó que los que lo cuidan a uno también se van poniendo viejos, pierden facultades y no se ocuparon, aclara.

Sigue la caída de Holguín, también cuan grande es. Todos estos accidentes antes de que la otra enfermedad hiciera crisis y lo dejara por largo tiempo en el hospital.

Tendido en aquella cama, sólo miraba a mi alrededor, ignorante de todos esos aparatos. No sabía cuánto tiempo iba a durar ese tormento y de lo único que tenía esperanza es de que se parara el mundo, seguro para no perderse de nada. Pero resucité, dice ufano.

–Y cuando resucitó, comandante, ¿con qué se encontró? –le pregunto.

–Con un mundo como de locos… Un mundo que aparece todos los días en la televisión, en los periodicos, y que no hay quien entienda, pero el que no me hubiera querido perder por nada del mundo –sonríe divertido.

Con una energía sorprendente en un ser humano que viene levantándose de la tumba –como él dice– y con la mismísima curiosidad intelectual de antes, Fidel Castro se pone al día.

Dicen, los que lo conocen bien, que no hay un proyecto, colosal o milimétrico, en el que no se empeñe con una pasión encarnizada y que en especial lo hace si tiene que enfrentarse a la adversidad, como había sido y era el caso.

Nunca como entonces parece de mejor humor. Alguien que cree conocerlo bien le dijo: las cosas deben andar muy mal, porque usted está rozagante.

La tarea de acumulación informativa cotidiana de este sobreviviente comienza desde que despierta. A una velocidad de lectura que nadie sabe con qué método consigue, devora libros; se lee entre 200 y 300 cables informativos por día; está pendiente y al momento de las nuevas tecnologías de la comunicación; se fascina con Wikileaks, la garganta profunda del Internet, famosa por la filtración de más de 90 mil documentos militares sobre Afganistán, en los que este nuevo navegante está trabajando.

–¿Te das cuenta, compañera, de lo que esto significa? –me dice–. Internet ha puesto en manos de nosotros la posibilidad de comunicarnos con el mundo. Con nada de esto contábamos antes –comenta, al tiempo que se deleita viendo y seleccionando cables y textos bajados de la red, que tiene sobre el escritorio: un pequeño mueble, demasiado pequeño para la talla (aun disminuida por la enfermedad) de su ocupante.

–Se acabaron los secretos, o al menos eso pareciera. Estamos ante unperiodismo de investigación de alta tecnología, como lo llama el New York Times, y al alcance de todo el mundo.

–Estamos ante el arma más poderosa que haya existido, que es la comunicación –ataja–. El poder de la comunicación ha estado, y está, en manos del imperio y de ambiciosos grupos privados que hicieron uso y abuso de él. Por eso los medios han fabricado el poder que hoy ostentan.

Lo escucho y no puedo menos que pensar en Chomsky: cualquiera de las trapacerías que el imperio intente debe contar antes con el apoyo de los medios, principalmente periódicos y televisión, y hoy, naturalmente, con todos los instrumentos que ofrece la Internet.

Son los medios los que antes de cualquier acción crean el concenso.Tienden la cama, diríamos… Acondicionan el teatro de operaciones.

Sin embargo, acota Fidel, aunque han pretendido conservar intacto ese poder, no han podido. Lo están perdiendo día con día. En tanto que otros, muchos, muchísimos, emergen a cada momento…

Se hace entonces un reconocimiento a los esfuerzos de algunos sitios y medios, además de Wikileaks: por el lado latinoamericano, a Telesur de Venezuela, a la televisión cultural de Argentina, el Canal Encuentro, y a todos aquellos medios, públicos o privados, que enfrentan a poderosos consorcios particulares de la región y a trasnacionales de la información, la cultura y el entretenimiento.

Foto
Foto

Informes sobre la manipulación de los poderosos grupos empresariales locales o regionales, sus complots para entronizar o eliminar gobiernos o personajes de la política, o sobre latiranía que ejerce el imperio a través de las trasnacionales, están ahora al alcance de todos los mortales.

Pero no de Cuba, que apenas dispone de una entrada de Internet para todo el país, comparable a la que tiene cualquier hotel Hilton o Sheraton.

Ésa es la razón por la que conectarse en Cuba es desesperante. La navegación es como si se hiciera en cámara lenta.

–¿Por qué es todo esto? –pegunto.

–Por la negativa rotunda de Estados Unidos a darle acceso a lnternet a la isla, a través de uno de los cables submarinos de fibra óptica que pasan cerca de las costas. Cuba se ve obligada, en cambio, a bajar la señal de un satélite, lo que encarece mucho más el servicio que el gobierno cubano ha de pagar, e impide disponer de un mayor ancho de banda que permita dar acceso a muchos más usuarios y a la velocidad que es normal en todo el mundo, con la banda ancha.

Por estas razones el gobierno cubano da prioridad para conectarse no a quienes pueden pagar por el costo del servicio, sino a quienes más lo necesitan, como médicos, académicos, periodistas, profesionistas, cuadros del gobierno y clubes de Internet de uso social. No se puede más.

Pienso en los descomunales esfuerzos del sitio cubano Cubadebate para alimentar al interior y llevar hacia el exterior la información del país, en las condiciones existentes. Pero, según Fidel, Cuba podrá solucionar pronto esta situación.

Se refiere a la conclusión de las obras de cable submarino que se tiende del puerto de La Guaira, en Venezuela, hasta las cercanías de Santiago de Cuba. Con estas obras, llevadas adelante por el gobierno de Hugo Chávez, la isla podrá disponer de banda ancha y posibilidades de acometer una gran ampliación del servicio.

–Muchas veces se ha señalado a Cuba, y en particular a usted, de mantener una posición antiestadunidense a rajatabla, y hasta han llegado a acusarlo de guardar odio hacia esa nación –le digo.

—Nada de eso –aclara–. ¿Por qué odiar a Estados Unidos, si es sólo un producto de la historia?

Pero, en efecto: hace apenas como 40 días, cuando todavía no había terminado de resucitar se ocupó –para variar–, en sus nuevas Reflexiones, de su poderoso vecino.

“Es que empecé a ver bien clarito los problemas de la tiranía mundial creciente… –y se le presentó, a la luz de toda la información que manejaba, lainminencia de un ataque nuclear que desataría la conflagración mundial.

Todavía no podía salir a hablar, a hacer lo que está haciendo ahora, me indica. Apenas podía escribir con cierta fluidez, pues no sólo tuvo que aprender a caminar, sino también, a sus 84 años, debió volver a aprender a escribir..

“Salí del hospital, fui para la casa, pero caminé, me excedí. Luego tuve que hacer rehabilitación de los pies. Para entonces ya lograba comenzar de nuevo a escribir.

El salto cualitativo se dio cuando pude dominar todos los elementos que me permitían hacer posible todo lo que estoy haciendo ahora. Pero puedo y debo mejorar… Puedo llegar a caminar bien. Hoy, ya te dije, caminé 600 pasos solo, sin bastón, sin nada, y esto lo debo conciliar con lo que subo y bajo, con las horas que duermo, con el trabajo.

–¿Qué hay detrás de este frenesí en el trabajo, que más que a una rehabilitación puede conducirlo a una recaída?

Fidel se concentra, cierra los ojos como para empezar un sueño, pero no… vuelve a la carga:

No quiero estar ausente en estos días. El mundo está en la fase más interesante y peligrosa de su existencia y yo estoy bastante comprometido con lo que vaya a pasar. Tengo cosas que hacer todavía.

¿Cómo cuáles?

–Como la conformación de todo un movimiento antiguerra nuclear –es a lo que viene dedicándose desde su reaparición.

Crear una fuerza de persuasión internacional para evitar que esa amenaza colosal se cumpla representa todo un reto, y Fidel nunca ha podido resistirse a los retos.

“Al principio yo pensé que el ataque nuclear iba a darse sobre Corea del Norte, pero pronto rectifiqué porque me dije que ése lo paraba China con su veto en el Consejo de Seguridad…

Pero lo de Irán no lo para nadie, porque no hay veto ni chino ni ruso. Luego vino la resolución (de Naciones Unidas), y aunque vetaron Brasil y Turquía, Líbano no lo hizo y entonces se tomó la decisión.

Fidel convoca a científicos, economistas, comunicadores, etcétera, a que den su opinión sobre cuál puede ser el mecanismo mediante el cual se va a desatar el horror, y la forma en que puede evitarse. Hasta a ejercicios de ciencia ficción los ha llevado.

¡Piensen, piensen!, anima en las discusiones. Razonen, imaginen, exclama el entusiasta maestro en que se ha convertido en estos días.

No todo el mundo ha comprendido su inquietud. No son pocos los que han visto catastrofismo y hasta delirio en su nueva campaña. A todo esto habría que agregar el temor que a muchos asalta, de que su salud sufra una recaída.

Fidel no ceja: nada ni nadie es capaz de frenarlo siquiera. Él necesita, a la mayor brevedad, CONVENCER para así DETENER la conflagración nuclear que –insiste– amenaza con desaparecer a una buena parte de la humanidad.Tenemos que movilizar al mundo para persuadir a Barack Obama, presidente de Estados Unidos, de que evite la guerra nuclear. Él es el único que puede, o no, oprimir el botón.

Con los datos que ya maneja como un experto, y los documentos que avalan sus dichos, Fidel cuestiona y hace una exposición escalofriante:

–¿Tú sabes el poder nuclear que tienen unos cuantos países del mundo en la actualidad, comparado con el de la época de Hiroshima y Nagazaki?

Cuatrocientas setenta mil veces el poder explosivo que tenía cualquiera de las dos bombas que Estados Unidos arrojó sobre esas dos ciudades japonesas. ¡Cuatrocientas setenta mil veces más!, subraya escandalizado.

Esa es la potencia que tiene cada una de las más de 20 mil armas nucleares que –se calcula– hay hoy día en el mundo.

Con mucho menos de esa potencia –con tan sólo 100– ya se puede producir un invierno nuclear que oscurezca el mundo en su totalidad.

Esta barbaridad puede producirse en cosa de unas días, para ser más precisos, el 9 de septiembre próximo, que es cuando vencen los 90 días otorgados por el Consejo de Seguridad de la ONU para comenzar a inspeccionar los barcos de Irán.

–¿Tú crees que los iraníes van a retroceder? ¿Tú te los imaginas? Hombres valientes, religiosos que ven en la muerte casi un premio… Bien, los iraníes no van a ceder, eso es seguro. ¿Van a ceder los yanquis? Y, ¿qué va a pasar si ni uno ni otro ceden? Y esto puede ocurrir el próximo 9 de septiembre.

Un minuto después de la explosión, más de la mitad de los seres humanos habrán muerto, el polvo y el humo de los continentes en llamas derrotarán a la luz solar, y las tinieblas absolutas volverán a reinar en el mundo, escribió Gabriel García Máquez con ocasión del 41 aniversario de Hiroshima. Un invierno de lluvias anaranjadas y huracanes helados invertirán el tiempo de los océanos y voltearán el curso de los ríos, cuyos peces habrán muerto de sed en las aguas ardientes… La era del rock y de los corazones trasplantados estará de regreso a su infancia glacial…

Para ler a íntegra clique aqui.

Países, que estão entre os maiores poluidores do mundo, completam grupo de emergentes que aceita o acordo AP

China e Índia endossam acordo estabelecido durante a cúpula climática da ONU em dezembro

OSLO – China e Índia, que figuram entre os maiores emissores de poluentes do mundo, anunciaram nesta terça-feira, 9, associação ao acordo climático definido em dezembro em Copenhague. A notícia reacende o debate sobre as mudanças climáticas após revés simbolizado na renúncia de Yvo de Boer, diretor da ONU para o clima, pressionado pelo fracasso da cúpula de Copenhague.

A China foi o ultimo país do bloco de emergentes a se associar ao acordo. O governo chinês confirmou a aceitação ao enviar uma carta oficial à Secretaria para Mudanças Climáticas da ONU, localizada em Bonn, na Alemanha.

Horas antes, a Índia, através de comunicado de seu ministro do Meio Ambiente, Jairam Ramesh, confirmava a associação ao acordo climático. “Acreditamos que nossa decisão de sermos listados (como um país associado ao documento) reflete o papel que a Índia desempenhou em dar forma ao Acordo de Copenhague. Isso irá fortalecer nossa posição de negociação a respeito da mudança climática”, disse Ramesh.

Das nações que mais poluem, os Estados Unidos é o único país que não endossou o acordo climático. Ausente na última reunião da cúpula da ONU em Copenhague, na qual foi definido o acordo, os norte-americanos alegam que o texto não serve de base para qualquer futuro tratado.

O acordo

A acordo climático definido em Copenhague prevê que a comunidade internacional deve limitar o aquecimento global a 2 graus com relação aos níveis pré-industriais. No entanto, não há um claro objetivo de redução das emissões.

O acordo estabeleceu, além disso, um fundo total de US$ 10 bilhões entre 2010 e 2012 para os países mais vulneráveis a enfrentar os efeitos da mudança climática, e de US$ 100 bilhões anuais a partir de 2020 para redução das emissões e adaptação.

Acordo x tratado

O tratado deveria ter sido adotado formalmente na conferência da ONU em Copenhague por todos os países, mas objeções de última hora por parte de um pequeno grupo de países fez com que oficialmente o acordo fosse apenas citado na declaração final. Decidiu-se então que países que quisessem posteriormente se comprometer com o documento poderiam fazê-lo.

Os países mais pobres desejam negociações em “dois caminhos”, um deles preparando um tratado que substitua o Protocolo de Kyoto a partir de 2013, e outra buscando ações de mais longo prazo para que todas as nações combatam o aquecimento, inclusive os Estados Unidos, que nunca ratificaram o Protocolo de Kyoto.

Ranking de emissão de CO2

Com 1,923 milhões de toneladas de CO2 emitidos em 2008, a China lidera ranking mundial de poluição atmosférica do Centro de Análise de Informações sobre CO2 dos Estados Unidos. Os americanos estão na segunda colocação, com 1,547 milhões de toneladas, seguido da Índia, com 479. O Brasil está na décima quinta colocação, emitindo 111 milhões de toneladas de CO2.

Da Redação do UOL

A Assembleia Nacional Francesa aprovou nesta terça-feira (17) uma lei chamada LOPPSI II (Lei de Orientação e Programação para a Segurança Interior, em tradução livre). Dentre as propostas dessa lei, que tem como objetivo tornar a França um lugar “mais seguro”, está a possibilidade do governo instalar trojans em computadores para monitorar pessoas. Para ser colocada em prática, a lei necessita passar ainda por exame em mais duas instâncias.

O projeto de lei, segundo informações do site britânico “The Register” e da PC World americana, foi aprovada na Assembleia Nacional por 312 votos contra 214 e abrange várias áreas como o combate à pornografia infantil, a pedofilia e a criminalização do roubo de identidades online.

A LOPPSI II prevê o aumento de gastos da polícia, através de investimentos em monitoramento de câmeras, aumento de penas para quem roubar identidades na internet, a ampliação do acesso ao banco de dados de DNA da polícia nacional e o possibilidade de grampo em linhas telefônicas e monitoramento de acesso à internet.

Outra proposta controversa é a que obriga os provedores a bloquear ou filtrar endereços de internet, que o governo julgue necessário.

Em um relatório que analisa a economia dos negócios de pornografia infantil, o jornalista Fabrice Epelboin alega que o filtro de URLs não é eficiente, pois esses conteúdos continuarão sendo compartilhados em redes de compartilhamento ponto a ponto. Entidades de defesa à liberdade na internet, como a Quadrature du Net, alertam que a LOPPSI II “deixa a porta aberta a excessos perigosos e deve ser revista com salvaguardas rigorosas, ou ser completamente rejeitada”.

De acordo com um estudo da Federação Francesa de Telecomunicações, citado pelo deputado Lionel Tardy, a filtragem de conteúdo custaria à França cerca de 140 milhões de euros.

Deputados da oposição ainda tentaram vetar o bloqueio de URLs e sugeriram que os filtros de internet fossem implantados provisoriamente, para verificar se serão eficazes, porém a maioria governista rejeitou a proposta.

The New York Times

Noam Chomsky

O dia 21 de janeiro de 2010 será lembrado como uma data sombria na história da democracia norte-americana e seu declínio.

Naquele dia, a Suprema Corte dos EUA determinou que o governo não pode proibir as corporações de fazerem gastos políticos durante as eleições – uma decisão que afeta profundamente a política do governo, tanto interna quanto externa.

A decisão anuncia uma tomada ainda maior do sistema político dos EUA por parte do setor corporativo.

Para os editores do The New York Times, a decisão “atinge o coração da democracia” ao “abrir caminho para que as corporações usem seus vastos tesouros para dominar as eleições e intimidar as autoridades eleitas a cumprirem suas ordens”.

  • Fachada do prédio da Suprema Corte norte-americana, em Washington (EUA), de onde saiu a decisão sobre o financiamento de campanhas eleitorais por corporações dos mais variados tipos

O tribunal ficou dividida, 5 a 4, com os quatro juízes reacionários (equivocadamente chamados de “conservadores”) recebendo o apoio do juiz Anthony M. Kennedy. O juiz chefe John G. Roberts Jr. selecionou um caso que poderia facilmente ter sido resolvido em esferas mais baixas e manobrou o tribunal, usando-o para empurrar uma decisão de amplo alcance que derruba um século de precedentes que restringiam as contribuições corporativas às campanhas federais.

Agora os gerentes corporativos podem de fato comprar as eleições diretamente, evitando meios indiretos mais complexos. É bem sabido o fato de que as contribuições corporativas, às vezes reempacotadas de formas complexas, podem influenciar em peso as eleições, direcionando assim a política. O tribunal simplesmente deu muito mais poder ao pequeno setor da população que domina a economia.

A “teoria do investimento na política” do economista político Thomas Ferguson faz um prognóstico muito eficaz da política do governo durante longos períodos. A teoria interpreta as eleições como ocasiões nas quais segmentos de poder do setor privado se unem para investir com o objetivo de controlar o Estado.

A decisão de 21 de janeiro apenas reforça os meios para minar a democracia em funcionamento.

O pano de fundo é esclarecedor. Em seu argumento contrário, o juiz John Paul Stevens reconheceu que “há muito sustentamos que as corporações estão cobertas pela Primeira Emenda” – a garantia constitucional para a liberdade de discurso, que incluiria o apoio aos candidatos políticos.

No começo do século 20, teóricos de direito e tribunais implementaram a decisão do tribunal de 1886 de que as corporações – essas “entidades legais coletivistas” – têm os mesmos direitos que as pessoas de carne e osso.

Este ataque contra o liberalismo clássico foi duramente condenado por um tipo de conservadores que está desaparecendo. Christopher G. Tiedeman descreveu o princípio como uma “ameaça à liberdade do indivíduo, e à estabilidade dos Estados norte-americanos enquanto governos populares”.

Morton Horwitz escreve em sua história legal que o conceito de “pessoa” corporativa evoluiu lado a lado com a mudança de poder dos acionistas para os gerentes, e finalmente para a doutrina de que “os poderes do quadro de diretores (…) são idênticos aos poderes da corporação”. Anos depois os direitos corporativos foram expandidos bem além dessas pessoas, principalmente pelos equivocadamente denominados “acordos de comércio livre”. Por esses acordos, por exemplo, se a General Motors estabelece uma fábrica no México, ela pode pedir para se tratada da mesma forma que as empresas mexicanas (“tratamento nacional”) – bem diferente de um mexicano de carne e osso que busca “tratamento nacional” em Nova York, ou mesmo os direitos humanos mínimos.

Há um século, Woodrow Wilson, na época um acadêmico, descreveu uns Estados Unidos em que “grupos comparativamente pequenos de homens”, gerentes corporativos, “exercem o poder e controlam a riqueza e os negócios do país”, tornando-se “rivais do próprio governo”.

Na realidade, esses “pequenos grupos” se tornaram cada vez mais os mestres do governo. O tribunal de Roberts deu a eles um alcance ainda maior.

A decisão de 21 de janeiro veio três dias depois de outra vitória da riqueza e do poder: a eleição do candidato republicano Scott Brown para substituir o finado senador Edward M. Kennedy, o “leão liberal” de Massachusetts. A eleição de Brown foi retratada como uma “virada populista” contra as elites liberais que comandam o governo.

Os dados da votação revelam uma história diferente.

Altos índices de participação nos subúrbios ricos, e baixos em áreas urbanas em grande parte democratas, ajudaram a eleger Brown. “50% dos eleitores republicanos disseram que estavam ‘muito interessados’ na eleição”. Informou a pesquisa do The Wall Street Journal/NBC, “comparado a 38% dos democratas”.

Então os resultados foram de fato uma virada contra as políticas do presidente Obama: para os ricos, ele não estava fazendo o suficiente para deixá-los mais ricos, enquanto que para os setores pobres, ele estava fazendo demais para atingir esse fim.
A irritação popular é bastante compreensível, dado que os bancos estão prosperando, graças à ajuda do governo, enquanto o desemprego aumentou para 10%.

Nas fábricas, uma em cada seis pessoas está sem trabalho – desemprego nos níveis da Grande Depressão. Com a financialização crescente da economia e o esvaziamento da indústria produtiva, as perspectivas são não trazem esperanças de recuperação dos empregos que foram perdidos.

Brown apresentou a si mesmo como o 41º voto contra o sistema de saúde – ou seja, o voto que poderia acabar com a maioria no Senado dos EUA.

É verdade que o programa de saúde de Obama foi um fator importante na eleição de Massachusetts. As manchetes estão corretas ao dizer que o público está se voltando contra o programa.

Os números da pesquisa explicam porquê: o projeto de lei não vai longe o suficiente. A pesquisa do The Wall Street Journal/NBC descobriu que a maioria dos eleitores desaprova a forma como tanto Obama quanto os Republicanos estão lidando com o sistema de saúde.
Esses números se alinham com as recentes pesquisas nacionais. A opção do sistema público foi apoiada por 56% dos entrevistados, e a adesão ao Medicare aos 55 anos por 64%; ambos os programas foram abandonados.

Oitenta e cinco por cento acreditam que o governo deveria ter o direito de negociar os preços dos medicamentos, como acontece em outros países; Obama garantiu à indústria farmacêutica que não perseguirá esta opção.

Grandes maiorias apoiam o corte de custos, o que faz bastante sentido: os custos per capita dos EUA com a saúde são cerca de duas vezes maiores que os dos países industrializados, e os resultados da saúde são de má qualidade.

Mas o corte de custos não pode ser seriamente empreendido enquanto as companhias farmacêuticas são agraciadas, e o sistema de saúde está nas mãos de seguradoras praticamente desreguladas – um sistema caro peculiar aos EUA.

A decisão de 21 de janeiro levanta novas barreiras significativas para superar a séria crise do sistema de saúde, ou para lidar com assuntos críticos como as ameaçadoras crises do meio ambiente e da energia. O hiato entre a opinião pública e a política pública cresce cada vez mais. E o prejuízo para a democracia norte-americana dificilmente pode ser superestimado.

Tradução: Eloise De Vylder

Objetivo é destacar um líder político que tenha usado o mandato para melhorar a situação do mundo

Daniela Milanese, da Agência Estado

LONDRES – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva receberá o prêmio de Estadista Global do Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suíça), no dia 29. Esta é a primeira edição da homenagem, criada para marcar o aniversário de 40 anos do Fórum.

Conforme a organização do evento, o prêmio tem o objetivo de destacar um líder político que tenha usado o mandato para melhorar a situação do mundo. “O presidente do Brasil tem demonstrado verdadeiro compromisso com todas as áreas da sociedade”, disse o fundador e presidente do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab, em nota à Agência Estado.

Segundo ele, esse compromisso tem seguido de mãos dadas com o objetivo de integrar crescimento econômico e justiça social. “O presidente Lula é um exemplo a ser seguido para a liderança global.”

A entrega do prêmio será feita pelo ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan, e está prevista para às 11h30 (horário local; 8h30 de Brasília) do dia 29, quando o presidente brasileiro fará um discurso. Em seguida, terá início um painel de discussão sobre o Brasil. O objetivo é debater os atuais condutores do crescimento do País e os desafios à frente.

Entre os participantes do painel estarão o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, o copresidente do conselho de administração da Brasil Foods, Luiz Fernando Furlan, o presidente do Instituto Ethos, Ricardo Young e o vice-presidente do argentino Banco Hipotecario, Mario Blejer. Lula também fará o encerramento do painel sobre o Brasil.

Presidente quer cobrir gasto de US$ 117 bilhões usados para socorrer setor financeiro durante a crise

Alister Bull e Caren Bohan, da Reuters

WASHINGTON – O presidente norte-americano, Barack Obama, propôs nesta quinta-feira, 14, que Wall Street pague uma taxa para cobrir o gasto de US$ 117 bilhões com dinheiro dos contribuintes para socorrer o setor financeiro durante a crise, e criticou os banqueiros por “lucros massivos e bônus obscenos”.

“Meu compromisso é recuperar cada centavo que o povo norte-americano tem direito”, afirmou Obama, por meio de comunicado.

“E minha determinação para alcançar esse objetivo é enfatizada quando eu vejo notícias de grandes lucros e bônus absurdos nas empresas que devem sua existência ao provo norte-americano.”

Numa tentativa de se distanciar de Wall Street, em meio ao crescente descontentamento popular com os elevados bônus pagos a executivos dos bancos, Obama acusou os banqueiros de estarem fora da realidade sofrida da população que enfrenta o desemprego na casa de dois dígitos.

A taxação vai recuperar gastos com o pacote de US$ 700 bilhões para socorrer bancos norte-americanos (Tarp, na sigla em inglês), idealizado em 2008 pelo então presidente George W. Bush, diante da crise financeira global.

Criado após o colapso do banco de investimentos Lehman Brothers e do resgate da seguradora AIG, o programa ajudou a estancar a crise ao injetar dinheiro público nos maiores bancos norte-americanos.

A medida, juntamente com forte estímulo monetário e fiscal, foi incapaz de evitar que o país entrasse na pior recessão desde a Grande Depressão, o que levou a taxa de desemprego para o maior nível em 26 anos.

Wall Street, no entanto, voltou aos lucros com a recuperação dos mercados acionários em 2009. Isso ajudou muitos deles a pagar de volta os recursos do Tarp, livrando-os das regras do governo sobre compensação a funcionários e permitindo que pagassem grandes bônus a seus executivos.

O plano de Obama, que precisa de aprovação do Congresso, inclui uma taxa de 0,15 ponto percentual no balanço de grandes instituições com ativos de mais de US$ 50 bilhões.

O governo espera levantar US$ 90 bilhões em 10 anos, mas acredita que a cobrança, ao final, poderá acabar por cobrir todas as perdas com o Tarp, atualmente projetadas em US$ 117 bilhões.

A AIG estará sujeita à taxa. Mas as concessoras de hipotecas Fannie Mae e Freddie Mac serão excluídas, assim como as montadoras que foram ajudadas.

Presidente da estatal diz que o Lula salvou a estatal de ter partes vendidas, caso os tucanos vencessem a eleição

Roberval Angelo Schincariol e Tatiana Freitas

Seu orixá é Obaluaiê, o “dono da terra”, como revelou à imprensa pela primeira vez nesta entrevista. Mas bem que o baiano José Sérgio Gabrielli poderia ser chamado de “príncipe do mar”. Em seus quase quatro anos à frente da Petrobrás, ele anunciou a conquista da autossuficiência brasileira em petróleo (2006); a descoberta do pré-sal (2007-2008); e a consequente listagem da Petrobrás entre as maiores companhias de energia do mundo.

O que para muitos críticos não passa de um golpe de sorte, para Gabrielli, que assumiu a liderança da maior companhia brasileira no lugar de José Eduardo Dutra, em abril de 2006, o sucesso da Petrobrás é fruto de uma política de governo e só foi possível graças à eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2002 e à sua reeleição em 2006. “O presidente Lula fez a diferença”, disse em entrevista exclusiva à Agência Estado.

Segundo Gabrielli, se o resultado das eleições tivesse sido outro, com a vitória de José Serra em 2002 ou de Geraldo Alckmin em 2006, a Petrobrás teria tomado outro rumo. “Partes da empresa poderiam ter sido privatizadas.” 

Mas Gabrielli também acredita no destino. Segundo ele, “há muita sorte em encontrar petróleo”. Mas não apenas isso. “Você não perfura um poço a 300 quilômetros de distância da costa e a milhares de metros de profundidade apenas confiando que Deus é brasileiro.” Afinal, de acordo com a crença, Obaluaiê foi adotado e criado por Iemanjá, a “rainha do mar”. A seguir, os principais trechos da entrevista:

A “Foreing Policy” publicou uma matéria recentemente questionando o novo marco regulatório do pré-sal, principalmente no que diz respeito à participação do Estado na Petrobrás. Citando os dois possíveis candidatos mais em evidência, a revista afirma que se o governador José Serra vencer as eleições presidenciais de 2010, ele vai tentar reverter isso. Já se a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, sair vencedora, as empresas internacionais terão de recorrer à Justiça. O que o sr. tem a dizer sobre isso?

Que a Foreing Policy, uma revista americana, é uma think-tank liberal que tenta influenciar a opinião pública. Uma crítica sobre a presença do Estado em uma empresa vinda da Foreing Policy é normal. O contrário é que seria novidade. Acredito que a proposta do governo para o pré-sal claramente aumenta o papel do Estado. E isso é necessário e importante porque essa é a tendência mundial. E sempre foi na área do petróleo, que é um produto essencialmente vital e estratégico para a vida moderna.

Mas há exceções, como…

Os Estados Unidos não estão ausentes da indústria do petróleo. O Estado americano pode não estar diretamente produzindo, mas está atuando fortemente via estoque regulador, via estímulo às suas empresas, via regulações. No caso brasileiro, me parece que a nova regulação reflete uma realidade distinta da antiga regulação. São diferenças importantes. A primeira é o acesso a capitais. Na década de 90, tínhamos um problema para termos acesso a capitais que hoje não existe. A outra é o acesso à tecnologia. Hoje a Petrobrás, em águas profundas, é a empresa que tem maior mobilização tecnológica e conhecimento, e opera 22% da produção de águas profundas no mundo.

Mas isso não é fruto de um longo processo?

Sim, vem num processo. Primeiro tem um processo de melhoria das condições macroeconômicas. Depois, do controle da tecnologia. E, terceiro, o risco da área exploratória é muito baixo. Hoje você tem essa situação bastante distinta. Anteriormente era uma lei voltada a ajudar e permitir que as empresas privadas capturassem todos os ganhos da atividade do petróleo.

O sr. acredita que se o presidente Lula não tivesse sido eleito em 2002 e reeleito em 2006, a Petrobrás teria chegado ao pré-sal no momento em que chegou?

Essa pergunta é difícil de responder diretamente. Eu diria o seguinte: até 2003, a Petrobrás estava sendo preparada para ter um conjunto de atividades com muita eficiência em vários ramos e com pouco ganho no sistema como um todo e estava sendo inibida no crescimento do seu portfólio de exploração. A partir de 2003, os investimentos aumentam, a Petrobrás tem uma participação mais ativa nos leilões, redefine sua organização interna de forma a ter um fortalecimento das atividades corporativas no conjunto da companhia e acelera a renovação de seus quadros. Isso foi uma mudança de orientação política na Petrobrás. Se seria possível atingir sucesso com a política anterior é difícil dizer. Agora, que o sucesso atual depende das mudanças feitas, isso é certo. Evidentemente que há muita sorte em encontrar petróleo. Mas apenas sorte não é suficiente. Você não perfura um poço a 300 km de distância da costa e a milhares de metros de profundidade só confiando que Deus é brasileiro.

Se o resultado da eleição tivesse sido outro, qual caminho o sr. acha que Petrobrás teria tomado?

Só posso reafirmar que a Petrobrás estava a caminho de se transformar numa empresa muito eficiente separadamente e que perderia a capacidade de integração entre as diversas áreas da companhia. Teria investimento e crescimento menores do que teve. Provavelmente teria menos preocupação com o controle nacional, portanto teria menos impacto no estímulo da indústria brasileira. Teria focado suas atividades em setores diferentes do que foram focados. E o resultado disso é difícil especular qual seria. Seria uma empresa diferente do que é hoje.

O sr. acha que ela poderia ter sido privatizada, por exemplo?

Como um todo, acho difícil. Mas partes dela poderiam (ter sido privatizadas). Seria difícil uma privatização total da Petrobrás, mas partes dela, sim.

Pelo atual valor de mercado, de cerca de US$ 200 bilhões, a Petrobrás é maior que muitos países da América do Sul. Quais sãos os planos da empresa para investimentos internacionais, principalmente nos países vizinhos?

Dos US$ 174 bilhões em investimentos (até 2013), US$ 16 bilhões estão reservados para a área internacional. A maior parte dessa quantia vai para os Estados Unidos. Nós temos nos Estados Unidos 270 blocos exploratórios no Golfo do México e uma refinaria. A nossa maior produção adicional internacional vem da Nigéria. Nosso investimento na América do Sul é em portfólio. Estamos crescendo na distribuição. Compramos redes de distribuição no Paraguai, Uruguai, Chile e Colômbia. Estamos concentrando nos investimentos na Argentina na área de exploração. Estamos iniciando atividades exploratórias no Uruguai. Estamos em processo de avaliação de descobertas de gás no Peru, atividades exploratórias na Colômbia. Basicamente nosso investimento na América Latina é um investimento de manutenção de nosso portfólio.

A saída do Irã foi realmente por motivos puramente técnicos como garante a Petrobrás?

Nós não saímos do Irã ainda. Tínhamos dois poços lá e o contrato terminou. Não entendo por que essa preocupação tão grande com o Irã. Ninguém da indústria do petróleo em sã consciência pode negar que o Irã é uma das maiores áreas de reservas de petróleo no mundo.

Nesse caso, é exatamente por isso a preocupação com o Irã…

Nós vamos manter nossa presença no Irã, mesmo que sem atividade prevista no país. Os poços que perfuramos estavam secos. Não encontramos nada. Paciência.

E para o Iraque, agora que as coisas parecem mais calmas por lá, a Petrobrás tem algum plano?

Não temos absolutamente nada no Iraque. Eles têm lá as preferências deles. O Iraque tem contrato de serviço. E isso não interessa à Petrobrás.

A preocupação mundial com as mudanças climáticas não poderia inviabilizar o pesado investimento atual da empresa no pré-sal a longo prazo, tendo em vista que os países buscam combustíveis considerados limpos para substituir o petróleo?

Com um crescimento da demanda de apenas 1% ao ano em média até 2030, como preveem as pesquisas, haverá a necessidade de se adicionar entre 55 milhões e 65 milhões de barris por dia de produção. E isso praticamente para manter o consumo atual.

Mesmo considerando a entrada de combustíveis limpos?

Sim. Por quê? Porque a economia vai crescer mais que 1% em média. E todo esse crescimento adicional leva em conta os novos combustíveis. De onde vem essa necessidade de 55 milhões a 65 milhões de barris? Do declínio da produção atual. Como há o declínio, haverá a possibilidade de repor esse petróleo.

Não se corre o risco de o preço do petróleo cair muito bem lá na frente com sua possível substituição?

Não. A nossa visão é a de que o petróleo vai cair, sim, mas em termos relativos. Hoje o petróleo representa cerca de 33% da matriz mundial. Lá por 2030, a commodity representará 28%. E quem vai substituir, na nossa visão? O carvão.

O carvão?

Sim, infelizmente, o carvão. E, consequentemente, em 2030, carvão, petróleo e gás natural vão continuar fornecendo 2/3 da matriz energética mundial.

Em quase 20 anos, nenhuma mudança?

Não. Para se ter ideia, os biocombustíveis terão aumento extraordinário neste período. Eles crescerão cerca de 100%.

Isso é uma boa notícia.

Você acha? Eles sairão de 0,4% da matriz energética para 0,9%. Grande diferença!

No blog da Petrobrás, o sr. reclama em um vídeo que os jornalistas perderam o interesse em perguntar sobre os biocombustíveis após o pré-sal…

(Risos) Isso porque vamos investir US$ 2,8 bilhões em biocombustíveis até 2013. Nossa capacidade de biodiesel dobrou. Tínhamos três usinas, com produção de cerca de 300 milhões de metros cúbicos, o que dobrará já no próximo ano. Estamos entrando no etanol, com a compra de participação em outras empresas.

Quais empresas?

Até o momento não temos nenhuma participação em etanol. Queremos comprar empresas o mais breve possível.

O sr. poderia fazer um balanço da Petrobrás nos últimos sete anos de administração petista?

A Petrobrás valia cerca de US$ 14 bilhões em 2003 e hoje vale cerca de US$ 210 bilhões. Hoje, temos um portfólio exploratório em crescimento no Brasil. A Petrobrás tem hoje 46% da sua força de trabalho com menos de nove anos de casa e 53% com mais de 19 anos. Houve uma renovação da força de trabalho dentro da empresa. A Petrobrás fortaleceu a sua estrutura corporativa. Entrou fortemente na área de biocombustíveis. Montou e consolidou a estrutura de gás natural no País. Em 2002 investia US$ 200 milhões por ano em refino. Hoje esse valor é mensal. Ampliou o market-share na BR (distribuidora). Comprou a Liquigás. É hoje a sexta maior empresa de energia do mundo e a segunda maior em petróleo, só perdendo para a Esso. Resumindo: um sucesso!

O sr. afirma então que a Petrobrás é o que é hoje por causa do presidente Lula?

O presidente Lula fez diferença (pausa). Acho que depende muito da orientação do governo, mas se a Petrobrás não tivesse capacidade de fazer, não seria o que é hoje. Mas o orientação clara do governo foi essa. A política de conteúdo nacional renovou a indústria do País. Temos hoje, com relação aos nossos investimentos, 74% de participação brasileira.

O governo vem sendo acusado pela oposição de usar o pré-sal como arma política para 2010…

A oposição tem de criticar sempre. Faz parte da democracia.

O sr. tem algum interesse político?

Não serei candidato, não pretendo ser candidato. Já fui candidato. A última vez em 1990.

Como os ditadores nos observam na internet

Publicado: dezembro 13, 2009 por Yogi em Capital, Politics, Tech, Tudo
Evgeny Morozov*

Minha terra natal, Belarus, é um lugar pouco provável para uma revolução da internet. O país, controlado desde 1994 pelo presidente autoritário Alexander Lukashenko, foi certa vez descrito por Condoleezza Rice como “o último entreposto da tirania na Europa”. A última eleição presidencial, em março de 2006, foi seguida por uma revolução mal sucedida e de vida curta. Os protestos iniciais foram brutalmente reprimidos. Mas quando as manifestações públicas não conseguiram ir para frente, os manifestantes se voltaram para formas de rebelião mais criativas: as flash mobs.

Numa flash mob, a mídia social e os e-mails são usados para reunir, num lugar público, um grupo de pessoas que então realiza uma ação breve, com frequência surreal. Alguns jovens bielo-russos usaram o serviço de blog LiveJournal para organizar uma série de eventos em Minsk com mensagens antigovernistas sutis. Os serviços de segurança fizeram muitas prisões, mas os blogueiros ocidentais e a mídia tradicional noticiaram, atraindo a atenção para a repressão.

Detalhes dessa rebelião foram desde então celebrados por vários pensadores, principalmente ocidentais, que acreditam que o ativismo digital pode ajudar a derrubar regimes autoritários. As flash mobs de Belarus são invocadas para ilustrar como uma geração de manifestantes descentralizados, armados apenas com a tecnologia, pode se opor ao Estado de formas que eram impensáveis em 1968 ou 1989. Mas esses entusiastas digitais raramente contam o que aconteceu depois.

O entusiasmo pela ideia da revolução digital é abundante: entre 2006 e 2008 eu mesmo trabalhei em projetos de internet financiados pelo Ocidente na antiga União Soviética – sobretudo com uma visão de “vamos promover a democracia através dos blogs”. Mas saí no ano passado. Nossa missão de usar a internet para estimular os cidadãos de regimes autoritários a desafiar o status quo tinha tantas consequências inesperadas que, às vezes, parecia prejudicar a própria causa que tentávamos promover.

A maior parte da mídia, tão irritada ao divulgar o impacto da internet sobre o seu setor, continua produzindo exemplos dramáticos do casamento do protesto político com a mídia social. E que lista é essa: monges birmaneses desafiando uma junta maléfica com câmeras digitais; adolescentes filipinos usando mensagens de texto para criar uma “revolução textual”; ativistas egípcios usando criptografia para se esconderem do olho que tudo vê de Mukhabarat; até ecologistas brasileiros usando mapas do Google para mostrar o desmatamento na Amazônia. E eu mencionei Moldova, China e Irã? Esses dissidentes cibernéticos, dizem, agora fazem sua luta online, trocando os panfletos e os esquecidos aparelhos de fax por iPhones.

Mas não foi isso que aconteceu em Belarus. Depois da primeira flash mob, as autoridades começaram a monitorar a By_mob, comunidade do LiveJournal onde as atividades eram anunciadas.

A polícia começou a aparecer nos eventos, com frequência antes dos manifestantes. Ela não só prendia os participantes, mas também tirava fotos. Estas – junto com as próprias imagens online dos manifestantes – eram usadas para identificá-los, muitos dos quais foram interrogados pela KGB, ameaçados de serem suspensos de universidades, ou pior. Essa intimidação não passou despercebida. Logo, apenas os ativistas mais duros compareciam aos eventos. A mídia social criou um panóptico digital que ameaçou a revolução: suas redes, transmitindo o medo público, foram infiltradas e superadas pelo poder do Estado.

Apesar do que dizem os entusiastas digitais, o surgimento de novos espaços digitais para a dissidência também gerou novos meios para rastreá-la. O ativismo analógico era bastante seguro: se um nó da rede de protesto fosse descoberto, o resto do grupo provavelmente estava seguro. Mas ter acesso aos e-mails de um ativista coloca todos os seus interlocutores sob suspeita. O resultado é um jogo de gato e rato em que os manifestantes tentam se esconder das autoridades se esforçando para criar nichos não convencionais. No Irã, os dissidentes costumavam atuar no Goodreads, um site internacional de rede social para amantes de livros. Aqui eles se engajavam discretamente em conversas sobre política e cultura, que não eram vistas pelos censores – ou melhor, até que o Los Angeles Times deu uma ajudinha e publicou um artigo sobre o que estava acontecendo, dando a dica para as autoridades.

Assim, as redes sociais, inadvertidamente, tornaram mais fácil reunir informações de inteligência sobre as redes de ativistas. Mesmo uma minúscula falha de segurança nas configurações do perfil do Facebook pode comprometer a segurança de muitas outras pessoas. Um estudo feito por dois alunos do MIT, divulgado em setembro, mostrou que é possível descobrir a orientação sexual de uma pessoa analisando seus amigos no Facebook; má notícia para os que vivem em regiões em que a homossexualidade é ameaçada com espancamento e prisão. E muitos regimes autoritários estão procurando companhias de prospecção de dados para ajudá-los a identificar manifestantes. A TRS Technologies na China é uma dessas companhias. Ela se vangloria do fato de que “graças à nossa tecnologia, o trabalho de dez policiais de internet pode ser feito agora por apenas um”.

Isso não significa que a dissidência cibernética é uma ilusão. Há três principais modelos para a teoria da “democracia pelos tweets”. Primeiro, apesar da minha cautela, a internet pode, se usada apropriadamente, fornecer aos dissidentes formas seguras e baratas de comunicação. Os ativistas russos podem usar o Skype, que é difícil de ser grampeado, em vez de linhas telefônicas inseguras, por exemplo. 

Os dissidentes podem criptografar e-mails, distribuir materiais antigovernistas sem deixar um rastro de papel e usar ferramentas inteligentes para burlar filtros da internet. Agora é fácil ser uma “ONG de um homem só”: com o Google Documents, você mesmo pode imprimir os documentos, reduzindo o risco de vazamentos. Em segundo lugar, as novas tecnologias tornam a repressão sangrenta arriscada, uma vez que a polícia está cercada por câmeras digitais e as fotos podem ser rapidamente enviadas para as agências de notícias ocidentais. Alguns governos, como o de Mianmar e o da Coreia do Norte, não se importam de serem considerados brutais, mas muitos outros sim.

Em terceiro lugar, a tecnologia reduz os custos marginais do protesto, ajudando a transformar observadores em manifestantes em momentos críticos. Um estudante iraniano apolítico, por exemplo, pode descobrir que todos os seus amigos do Facebook estão protestando e decidir tomar parte.

Este terceiro ponto, entretanto, precisa de uma avaliação cuidadosa. O argumento é o seguinte. Graças à internet, os governos perderam seu monopólio sobre o controle da informação, enquanto os cidadãos adquiriram acesso a outras fontes de conhecimento e a capacidade de se organizarem com mais segurança. Muitas pessoas usarão este acesso para aprender mais sobre democracia, o que as libertará da propaganda do governo. Elas usarão esse novo poder para pressionar o governo a se responsabilizar. Quando a próxima crise surgir – como a eleição fraudada no Irã em 2009, ou os preços altos de combustível em Mianmar em 2007 – os cidadãos buscarão a internet para ver o quanto o seu regime se tornou impopular. 

Descobrindo outras pessoas que pensam parecido, eles organizarão protestos e, se o regime não responder com violência, criarão uma “bola de neve” capaz de destruir a mais rígida estrutura autoritária.

Os cientistas sociais chamaram essas “bolas de neve” de “cascatas de informação”. Elas explicam porque, embora a maioria dos cidadãos possa acreditar que uma revolução não será bem sucedida, mesmo assim vão para as ruas quando todo mundo está protestando; tanta gente não pode estar errada. Talvez o exemplo mais famoso tenha sido descrito num estudo de 1994 pela cientista política Susanne Lohmann, da UCLA. Ela tentou explicar o apelo súbito dos “protestos de segunda-feira” na cidade de Leipzig na Alemanha Oriental, que começaram em setembro de 1989.

Lohmann argumentou que os alemães orientais que estavam em cima do muro observavam o andamento dos protestos e, percebendo a falta de retaliação do governo, decidiram se juntar a eles. Dadas as circunstâncias, era a coisa mais racional que poderiam fazer. 

Não é difícil ver como a internet pode amplificar as cascatas de informação e fortalecer assim a posição dos ativistas. Mas a verdade é, com frequência, diferente. Em Belarus, a maior parte das pessoas que estavam em cima do muro viu a resposta do Estado e, agindo racionalmente, foi procurar um muro mais alto. No Irã este ano, a famosa foto de Neda Agha-Soltan, assassinada nas ruas, espalhou-se rapidamente e se tornou um símbolo da “revolução verde”. Mas se ela encorajou os indecisos, não é tão óbvio. As cascatas de informação normalmente não se traduzem bem para as multidões, mesmo sem a influência do medo provocado pelo Estado.

Mas os defensores da internet têm outro argumento, mais sutil. Para que a democracia seja bem sucedida, dizem, é preciso que os movimentos civis ajudem a tornar os protestos mais intensos, frequentes e com mais pessoas. Uma sociedade civil vibrante pode desafiar os que estão no poder ao documentar a corrupção ou revelar atividades como o assassinato de inimigos políticos. Nas democracias, esta função é desempenhada principalmente pela mídia, organizações não governamentais ou partidos de oposição. 

Nos Estados autoritários, isso está nas mãos principalmente de indivíduos isolados, que normalmente são presos como resultado. Mas se os cidadãos puderem formar grupos afins, ganhar acesso a informações não tendenciosas e se conectarem uns aos outros, os desafios ao Estado serão mais comuns. E teóricos sociais como Robert Putnam argumentam que o surgimento de grupos assim aumenta o capital social e a confiança entre os cidadãos.

Mas as principais características da mídia social – o anonimato, a “viralidade”, a interconexão – também são suas maiores fraquezas. Como vimos, os serviços de segurança podem usar a tecnologia contra a logística do protesto. Mas o surgimento dos blogs e das redes sociais também tornou mais fácil para o Estado plantar e promover suas próprias mensagens, inventando histórias e neutralizando discussões online antes que elas se traduzam em ações offline. Os governos há muito perderam o controle absoluto sobre como as informações que se espalham online, e extirpá-las dos blogs não é mais uma opção viável. Em vez disso, eles revidam. Não é difícil lançar comentários para acusar um dissidente de ser infiel, maníaco sexual, criminoso ou espião.

Então será que devemos parar de financiar projetos que usam a internet para promover a democracia? É claro que não. Mesmo um cético como eu pode ver o lado bom. Mas o incentivo à democracia digital dever ser melhorado. Uma forma seria ajudar a fazer com que as plataformas para o ativismo cibernético – Twitter, Facebook e assim por diante – conscientizem-se de suas novas obrigações globais, incluindo a necessidade de proteger os dados confiados a eles pelos ativistas. Fora isso, é provável que os ataques cibernéticos às ONGs se intensifiquem. Nós no Ocidente devemos estar preparados para agir e ajudar as vozes dos dissidentes, fornecendo assistência gratuita e imediata para colocá-los online o mais rápido possível.

Também precisamos de uma certa consistência para lidar com os ataques cibernéticos. Os governos ocidentais deveriam evitar confirmar as teorias dos autocratas paranóicos sobre uma revolução do Twitter, que precisaria portanto ser reprimida. Durante os protestos no Irã este ano, o departamento de Estado dos EUA chamou os executivos do Twitter e pediu para que eles postergassem uma manutenção no site para que os iranianos pudessem continuar usando-o para protestar. Não houve melhor maneira de confirmar as suspeitas iranianas de que o governo dos EUA estava de certa forma por trás do protesto.

Uma última ideia. Que no futuro sejamos um pouco mais céticos sobre a necessidade de reinventar a roda em relação aos protestos. Em quase todos os países comandados por regimes autoritários há uma reserva de ativistas, dissidentes, e intelectuais antigovernistas que mal ouviram falar do Facebook. Contatar essas redes efetivas, porém sem conexão à internet, terá mais resultados do que tentar persuadir os blogueiros a assumirem atividades políticas. As embaixadas ocidentais que trabalham em campo em Estados autoritários com frequência são excelentes em identificar e empoderar essas redes, e a alfabetização nas novas mídias deveria se tornar parte do treinamento diplomático. Afinal, esses caras das antigas são pessoas que trouxeram a democracia para a Europa central e do leste. E provavelmente serão eles que conquistarão a liberdade para a China e para o Irã.

*Evgeny Morozov é membro da Universidade Georgetown. Seu livro sobre a internet e a democracia será publicado no final de 2010. 

Tradução: Eloise De Vylder

Pequim – O filme “2012”, no qual a China tem papel crucial para salvar a humanidade da catástrofe, causou sensação e gerou muitos elogios no país asiático, pouco acostumado a assumir o papel de “bom” nas superproduções de Hollywood.

O filme de Roland Emmerich se transformou em uma das maiores bilheterias do ano no país asiático – cerca de US$ 30 milhões arrecadados nos dez primeiros dias de estreia -, e o fato não é nada casual: os chineses correm aos cinemas para se ver retratados em Hollywood como “salvadores do mundo”.

“É uma mudança notável, antes, os filmes americanos sempre nos deixavam mal. É um reflexo da nova realidade, agora os chineses produzem muitas coisas para o Ocidente e somos mais fortes”, diz à Agência Efe o estudante Xu Xiaoqian, um dos milhões de chineses que se deleitaram com “2012”.

Nos cinemas de todo o país, soam aplausos quando o mapa do país asiático aparece na tela, ou quando um militar americano, apontando arcas gigantescas construídas contra o relógio para salvar a humanidade, afirma que “só os chineses são capazes de construir algo assim”.

O filme marca, segundo críticos e analistas políticos chineses, uma mudança na ótica de Hollywood – e talvez dos Estados Unidos – em relação ao país asiático, que chegou justamente no ano em que a China recebeu elogios em relação à recuperação econômica ou com o combate à mudança climática.

“A China está se tornando mais aceitável para a sociedade americana, o que se reflete em mais elementos chineses nas produções de Hollywood”, analisava, esta semana, o jornal “Global Times”.

“Graças a filmes como ‘Kung Fu Panda’ e ‘2012’, a imagem da China é mais popular do que nunca”, afirmava no mesmo artigo o professor Zhang Yiwu, da Universidade de Pequim.

A situação contrasta com a de anos recentes, quando os personagens chineses de Hollywood costumavam ser criminosos, soldados inimigos e gente “destinada a morrer” no roteiro, ou quando os cenários escolhidos para retratar China eram lugares pobres e sujos.

Os chineses – um povo em geral nacionalista que não recebe bem as críticas de fora – não têm, por exemplo, lembranças muito boas de filmes como “Justiça Vermelha” (1997), protagonizada por Richard Gere, na qual um americano na China revela um escândalo de corrupção que envolve altos líderes comunistas.

O filme, proibido na China, iniciou a conversão de Gere em “persona non grata” no país, o que se fortaleceu depois por sua amizade pessoal com o dalai lama e seu ativismo pró-independência do Tibete.

O tema tibetano, justamente, também fez com que Hollywood apresentasse a China de forma negativa, como se pôde ver em “Kundun” (1997), de Martin Scorsese, que relata a biografia do atual dalai lama.

Os espectadores chineses também não viram com bons olhos que o terceiro filme da série “Missão Impossível” (2003) fosse filmado em becos pobres de Xangai, em vez de nos arranha-céu futuristas da metrópole.

Também foi alvo de críticas que, em filmes como “O Mundo de Suzie Wong” (1960), o já mencionado “Justiça Vermelha” ou o britânico “Surpresa em Xangai” (1986), as personagens femininas chinesas fossem prostitutas ou “mulheres fatais”.

A situação ainda era mais curiosa nos “anos dourados” de Hollywood, quando filmes como “A Estirpe do Dragão” (1944) retratavam de forma mais positiva os chineses, mas os personagens protagonistas eram ocidentais maquiados como chineses (Katherine Hepburn, por exemplo), enquanto atores chineses faziam papel de “malvados” invasores japoneses.

O filme “2012” representa, segundo críticos e espectadores chineses, um giro de 180 graus em todas essas tendências, certamente com fins comerciais, já que Hollywood já observa a China como um de seus principais mercados e quer chegar às telas do país.

De fato, muitos filmes nas quais os orientais têm papéis antagonistas – por menores que sejam – acabam sendo não autorizados pelas autoridades estatais da China nos cinemas, onde cerca de 20 produções americanas são exibidas ao ano.

Isso aconteceu, por exemplo, em “Piratas do Caribe 3 – No Fim do Mundo”, só porque o início mostra piratas chineses em casebres obscuros de Cingapura.