Abbas Kiarostami

Publicado: julho 18, 2009 por Yogi em Capital, Cinema, Culture, Nature, Non Sense, Philosophy, Psy, Tudo

Quero muito ver o próximo filme do Jabor.

Abbas Kiarostami (عباس کیارستمی em Persa) (22 de junho de 1940Teerã) é um cineasta iraniano, ganhador da Palma de Ouro em 1997 pelo filme Gosto de Cereja.

Após ter terminado a licenciatura em Belas-Artes pela Universidade de Teerão, resolveu dedicar-se à cinematografia, primeiro como assistente de realização, depois como realizador.

Estreou-se com o filme Nan Va Koutcheh em 1970. Rapidamente, Kiarostami se destacou pela visão realista que oferecia sobre a sociedade iraniana. Em Mossafer (O Viajante, 1974), construiu uma brilhante parábola sobre um rapaz que abandona a sua aldeia natal e percorre sozinho perto de 500 quilómetros para ir assistir a um jogo de futebol em Teerão. Contudo, o filme que projectaria a sua carreira a nível internacional foi Khane-ye Doust Kodjast? (Onde é a Casa do Amigo?, 1987), onde realça a história de um menino natural de uma aldeia pobre, que foge de casa para procurar um companheiro de turma, na ânsia de lhe devolver um caderno.

A partir daí, os filmes de Kiarostami passaram a ser presença constante em grandes festivais de cinema: Zendegi va digar hich (E a Vida Continua, 1991) foi um brilhante retrato do trágico terramoto que assolou o Irão em 1991. Venceu a Palma de Ouro do Festival de Cannes com Ta’m e Guilass (O Sabor da Cereja, 1997), um filme que funciona como um acto de glorificação à vida, centrado na figura de um taxista suicida que tenta encontrar alguém que proceda à sua sepultura.

O seu projecto seguinte voltou a merecer reconhecimento mundial: Bad Ma Ra Khahad Bord (O Vento Levar-nos-á, 1999) procurou retratar a vida quotidiana duma forma pouco convencional, tendo sido agraciado com o Leão de Ouro no Festival de Veneza. Em seguida, enveredou pelo campo da longa-metragem documental, com ABC Africa (2001), onde aflorou a questão da Sida.

Nunca deixando de ser um realizador visionário, procurou seguidamente apresentar uma nova visão da mulher iraniana contemporânea em Ten (2002), um filme profundamente marcado pelo intimismo e pela discussão filosófica.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s