Vaticano pede que fiéis não vejam “Anjos e Demônios”

Publicado: maio 11, 2009 por Yogi em Cinema, Culture, Philosophy, Tudo
Tags:, , , ,

LÚCIA VALENTIM RODRIGUES
da Folha de S.Paulo, em Roma

O diretor Ron Howard, 55, aprende com seus erros. Após fazer “O Código Da Vinci”, adaptação do livro de Dan Brown, e ser um fracasso de crítica, ele adapta “Anjos e Demônios” –que estreia no Brasil no dia 15–, do mesmo autor, com mais ação, ritmo muito mais acelerado e, surpreendentemente, nenhum sexo.

Em exibição para a imprensa, em Roma, na semana passada, foi consenso entre jornalistas que este longa é melhor que o anterior. O sucesso se explica numa palavra: liberdade.

7.mai.09-Katsumi Kasahara/AP
Diretor Ron Howard, atores Tom Hanks e Ayelet Zurer e produtor Brian Grazer (da esq. à dir.) posam na divulgação do filme (Tóquio)
Diretor Ron Howard, atores Tom Hanks e Ayelet Zurer e produtor Brian Grazer (da esq. à dir.) posam na divulgação do filme (Tóquio)

Howard e os roteiristas David Koepp e Akiva Goldsman cortaram, fundiram personagens e reescreveram uma boa parte do final. “Faz parte de uma adaptação ter de escolher. Fazendo uma autocrítica, diria que fui muito devotado ao original em “Código Da Vinci”. Neste filme resolvi mudar mais. E, depois de tantos comentários, achamos que Robert Langdon podia ganhar um corte de cabelo”, diz o diretor, em evento de lançamento europeu. “Isso foi meu maior desafio”, brinca Tom Hanks, 52.

Ele está novamente no papel do simbologista de Harvard Robert Langdon, que é chamado para desvendar os mistérios em torno de uma série de assassinatos. Um extremista sequestra e mata de hora em hora quatro cardeais cotados para a vaga aberta com a morte do papa. À meia-noite, uma bomba vai explodir dentro do Vaticano durante esse conclave.

Brown aprovou as mudanças: “Foi interessante testemunhar o processo de transformar um texto denso num thriller inteligente e de rápida diversão, mas nada foi feito pensando em agradar aos católicos”.

O filme mantém acesa a polêmica com a Igreja Católica, sempre presente no que concerne ao autor americano.

No dia seguinte à sessão na capital italiana, o bispo Antonio Rosario Mennonna, de 102 anos, entrou com uma denúncia na Procuradoria de Roma e de Potenza, chamando o filme de “difamatório e ofensivo aos valores da igreja e ao prestígio da Santa Sé” e conclamando os fiéis católicos a não irem vê-lo.

O líder da Liga Católica nos EUA, William Donohue, disse que Hollywood “inventou uma história para difamar a igreja” e classificou o filme de “anticatólico”. Ron Howard agradeceu e disse que esse tipo de polêmica ajuda no marketing.

Durante as filmagens, o longa teve negado acesso a várias partes do Vaticano, que foram recriadas em estúdio em Los Angeles. “Não esperava cooperação”, diz o diretor. “Nunca estive no cartão de Natal da igreja, mas esse ataque acontece sem ninguém ter visto o filme”.

O diretor convidou representantes da igreja para assistir, “mas todos declinaram”. O astro de US$ 20 milhões Tom Hanks fez uma espécie de “anticampanha”. “Se você acha que o filme vai atacar sua fé, simplesmente não vá ao cinema.

Nós imploramos, por favor, não vá”, disse em tom jocoso.

Uma festa que estava programada para acontecer em Roma foi cancelada por interferência extraoficial do Vaticano. “Foi deixado claro por alguns canais que a igreja não aprovava aquilo”, disse o diretor.

Sem beijo

Vivida pela israelense Ayelet Zurer, a mocinha foi transformada em uma mulher mais realista. A atriz diz que no livro Vittoria Vetra parecia uma “super-heroína”: “Afinal, ela é muito inteligente, contesta Einstein e ainda é sexy”.
Na versão cinematográfica, ela é “uma mulher que você consegue encontrar na rua”.

Talvez por isso ela não tenha encantado Langdon, com o qual não tem nenhuma cena romântica. Hanks relativiza: “Nas 24 horas em que se passa o filme eles não conseguiriam achar tempo para um beijo.

Pensamos em mudar a locação de uma das mortes para um hotel onde eles pudessem transar, ou um carro grande, como um Alfa Romeo, mas não ficou bom no roteiro”, ri ele.

A jornalista LÚCIA VALENTIM RODRIGUES viajou a convite da Sony Pictures

comentários
  1. Guia Itália disse:

    Adorei o livro “O Código da Vinci, o filme é bom, mas não se compara com o livro. Estou louco para conseguir ler “Anjos e Demônios” antes de ver o filme.

  2. Claro a igreja não quer que diga o que esta errado nela, no filme nós podemos ver mentiras e verdades que estão inseridas no meio da igreja é a sujeira que esta sendo tirada de baixo do tapete.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s