A clicocracia

Publicado: fevereiro 24, 2009 por Yogi em Capital, Culture, History, Media, Politics, Tech, Tudo
Tags:, , ,

A “clicocracia” está aí para ficar na política
ou como Obama usou a internet e ganhou

O site e.politics fez um favor para políticos de todo o planeta. Reuniu num único endereço as melhores explicações da estratégia do democrata Barack Obama para vencer a eleição com a ajuda da internet de um jeito que nunca ninguém havia visto.

Os números são impressionantes:

13 milhões de pessoas cadastradas na lista de e-mail;
3 milhões de doadores fizeram 6,5 milhões de doações pela internet;
Das 6,5 milhões de doações, 6 milhões foram em valores até US$ 100;
Meio bilhão de dólares arrecadados online em 21 meses;
5 milhões de “amigos” nos sites de relacionamento social;
2 milhões de perfis no site oficial MyBarackObama.com;
3 milhões de doadores individuais;
70 mil pessoas criaram suas próprias campanhas de arrecadação de fundos para Obama
.

Um dos textos citados pelo e.politics é do Washington Post, que tem dezenas de informações fascinantes sobre como a internet acaba de criar uma nova forma de política, a “clicocracia” (uma brincadeira com o “clique” que todos produzimos no mouse). O Post entrevistou para a reportagem o jovem Joe Rospars, de 27 anos, diretor de nova mídia da campanha vitoriosa de Obama.

Eis alguns dados gerais:

Durante a campanha, mais de 7.000 mensagens padronizadas foram redigidas e enviadas por e-mail. As mensagens eram destinadas a grupos específicos de eleitores cadastrados, sobretudo para pedir mais doações. Quem já havia doado menos de US$ 200 recebia um tipo de e-mail. Quem já havia contribuído com mais de US$ 1.000, era alvo de um outro tipo de texto.

Mais de 1 bilhão (!!) de e-mails foram enviados pela campanha de Obama.

Como comparação, Obama teve 13 milhões de e-mails cadastrados. Há pouco mais de 4 anos, o democrata John F. Kerry teve 3 millhões de e-mails em sua lista. Outro democrata campeão de internet, o ex-governador de Vermont Howard Dean usava uma lista com apenas 600 mil e-mails.

Um milhão de pessoas se cadastrou para receber no celular torpedos de Obama com notícias da campanha. Considere aqui um dado fundamental: nos EUA, paga-se para mandar e para receber mensagens de texto (no Brasil, só para enviar).

As comunidades criadas nos sites de relacionamento produziram fatos na vida real: 200 mil eventos foram realizados pelos voluntários em todo o país durante a campanha de Obama.

Foram criados 35 mil grupos de voluntários pró-Obama pelo país. Desses, cerca de 1 mil no dia em que o democrata anunciou sua candidatura a presidente, em 10 de fevereiro de 2007 (pela internet, claro).

Nos últimos 4 dias de campanha, 3 milhões de telefonemas foram realizados pelos voluntários.

Esses números todos falam por si.

E no Brasil? Quantos políticos estão se preparando para fazer algo parecido em 2010 nas campanhas presidenciais, para governos estaduais etc.? Quantos candidatos têm uma equipe com garotos de 20 e poucos anos pensando em como se deve fazer política neste início de século 21? Sim, claro, aqui há menos pessoas com acesso à web. OK. Mas o número cresce de maneira espantosa. Política, interação e internet são indissociáveis.

Palpite do blog: os políticos brasileiros que se dedicarem para valer (não fazendo sites estáticos e mixurucos), desde já, a desenvolver uma estratégia bem feita para a internet terão uma vantagem comparativa não desprezível em 2010.

Por Fernando Rodrigues

Página na e.politics com as “instruções” de como fazer uma campanha “a la Obama”.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s